Muitas crianças com autismo amam música: como aproveitar esse ponto forte?

Janeiro 7, 2015 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

texto do site http://autismoerealidade.org  de 31 de dezembro de 2014.

2293278_orig

A música está presente em quase todos os ambientes que frequentamos: reuniões de amigos, salas de espera, elevador… A música pode ter o poder de nos deixar mais calmos e relaxados depois de um dia longo de trabalho, ou de nos agitar para curtir uma festa no fim de semana.

Em nossa cultura, temos o hábito de cantar para os bebês desde que nascem e continuar expondo as crianças à música durante toda sua infância. Para as crianças com TEA isto não é diferente. É comum encontrarmos crianças com autismo que cantam antes de falar ou que se interessam pouco por brinquedos, mas ficam atentas imediatamente ao ouvir uma música do Patati Patatá. Mas, como podemos utilizar músicas para auxiliar no desenvolvimento dessas crianças?

Uma maneira de se utilizar a canção para estimular o desenvolvimento de crianças com TEA que se interessam por música, é esperar que ela faça contato ocular para iniciar a cantiga e se manter cantando enquanto a criança se mantiver na interação através do contato ocular. Caso ela se disperse, podemos parar a canção e continuá-la quando a criança novamente retomar a interação social, olhando novamente. Isso torna a música, cada vez mais, um contexto de interação social, aumentando a chance da criança ver o contato ocular como algo agradável e passar a olhar mais também em outros contextos.

Podemos também utilizar músicas em rotinas diárias, de modo a facilitar a adesão da criança nestas atividades, tais como escovar os dentes, tomar banho, almoçar. A música funciona como uma antecipação e prepara a criança para a mudança de foco, evitando com isso situações de recusa ou dificuldade de aceitação da atividade nova.

É interessante observar que crianças em geral (não só aquelas com autismo) preferem músicas que possuem repetições e padrões. Vamos pensar na música “Atirei o pau no gato” como exemplo:

“Atirei o pau no gato to

Mas o gato to

Não morreu reu reu

Dona Chica ca

Admirou-se se

Do berro, do berro

Que o gato deu

Miau!”

É fácil perceber as rimas e repetições nesta cantiga, não é? Para as crianças que a escutam várias vezes, esta melodia pode auxiliar no desenvolvimento de sua linguagem, já que é fácil ouvir, gravar e repetir os sons.

Uma criança que está começando a falar suas primeiras palavras terá mais facilidade de repetir os sons mais fáceis (“gato”, “miau”). Assim, ao cantarmos a música para ela, podemos fazer o exercício de parar para que ela complete a frase com tais palavras. Ex: “Atirei o pau no gato…” e a criança deve dizer “to”.

Já quando a criança estiver falando bem, esta música pode contribuir com palavras e expressões novas para seu vocabulário (“admirou-se”, “berro”).

Pensando de forma mais ampla, a música pode ser utilizada para auxiliar na socialização com outras crianças. Cantando juntas, as crianças podem brincar de roda, de adoleta, dançar… São muitas as possibilidades! E, com o auxílio da música, as relações sociais podem ser trabalhadas de forma mais prazerosa para a criança com dificuldades nesta área.

Além disso, durante as aulas de música na escola é comum que, além de cantar, as crianças aprendam a utilizar instrumentos musicais concomitantemente. Em alguns casos, percebemos que a manipulação desses instrumentos pode reduzir os comportamentos estereotipados na medida em que eles ganham uma nova função: produzir um som em uma música. O uso de instrumentos musicais pode também auxiliar no treino de troca de turno, em que a criança aprende que uma hora ela toca, outra hora ela espera.

Enfim, são várias as possibilidades de se trabalhar com música. Observando e procurando identificar o que agrada mais a cada criança podemos estimular o desenvolvimento de forma descontraída e divertida!

Fonte: http://www.abaeautismo.com.br/2014/03/muitas-criancas-com-autismo-amam-musica.HTML

Fonte: http://musicautista.wordpress.com/2014/12/30/muitas-criancas-com-autismo-amam-musica-como-aproveitar-esse-ponto-forte/

 

 

 

Pedro e o Lobo – Teatro Infantil

Janeiro 7, 2015 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

lobo

mais informações:

https://www.facebook.com/byfurcacaoteatro?fref=nf

 

Cómo responder a las preguntas de los niños cuando muere un ser querido

Janeiro 7, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

texto do site  http://blog.fundacionmlc.org   de 27 de novembro de 2014.

capitulo5-218x300 Malagón

Patricia Díaz, psicóloga infanto-juvenil de FMLC

Uno de los problemas más habituales que nos encontramos los adultos a la hora de comunicar o explicar la muerte a los niños tiene que ver con las preguntas que hacen estos sobre detalles o aspectos que consideran relevantes y que, en ocasiones, el adulto se ve incapaz de resolver.

Dado el elevado número de consultas que recibimos acerca de estas cuestiones, hoy abordaremos cómo responder a las preguntas concretas que suelen hacer los niños y resolveremos otras dudas comunes que les surgen a los adultos en estas situaciones.

“Dónde está?”

Si el niño nos hace esta pregunta sobre la persona fallecida, es porque aún no tiene claro que en la muerte se produce una interrupción definitiva de las funciones vitales y que es irreversible.

Podemos iniciar nuestra respuesta con: “Verás, no sé exactamente dónde está, lo que a mí me gusta pensar es que…” y entonces le explicamos que nos gusta pensar que está en el cielo y le describimos cómo lo imaginamos, o en un lugar mejor, y le explicamos las características que nos imaginemos. Es muy importante dejarle claro que eso que nos imaginamos tiene que ver con su recuerdo.

“Cuándo vuelve?”

Esta pregunta está relacionada igualmente con el hecho de que los niños piensan que la muerte es un estado temporal, que no es definitiva. Hay que aclararles precisamente que la persona que ha fallecido no va a volver, que quien fallece no regresa nunca. Podemos decirle: “Cariño, a mí también me gustaría que fuera posible, pero cuando alguien se muere no puede volver, así que aunque lo deseemos mucho no vamos a volver a verle”.

“Cómo se sube al cielo?”

Hay que tener en cuenta que el concepto que tienen los niños sobre el cielo es literal, es decir, no es como el concepto abstracto que manejan los adultos. Por este motivo, hay que aclararles que no se puede subir, ya que no hacemos referencia al cielo por el que vuelan los aviones, sino que es un lugar en el que a nosotros nos gusta recordar al fallecido: un lugar que está en nuestra imaginación, en nuestro recuerdo, que no está arriba ni abajo, nadie sabe dónde está, sino que es el modo que tenemos de referirnos al lugar donde nos gustaría que estuviera o donde nos gustaría recordar al fallecido.

Llegados a este punto podemos preguntarle en qué lugar quieren recordar al fallecido, dónde creen que se sentía feliz y, con lo que nos digan, les devolvemos que seguramente ese será su cielo y comprobaremos si esa idea más abstracta del cielo les deja tranquilos o no.

“Por qué no me contesta?”

A veces caemos en el error de decirle al niño que puede hablar con el fallecido, que puede contarle sus cosas. El niño entonces entiende que habrá respuesta, ya que sería lo esperable. Además, cuando los niños cuentan alguna cosa, esperan siempre una respuesta de la persona que les está escuchando. El hecho de haberle dicho al niño que puede establecer un diálogo con el fallecido puede llevar al menor a enfadarse con él creyendo que le ignora, o que ya no le quiere y de ahí su negativa a contestar.

Lo mejor que podemos decirle es que las personas que mueren no pueden hablar, ni tampoco contestar, porque ya no oyen, ni hablan, ni ven. Pero que hay personas que dicen que se puede hablar con el fallecido porque esa idea les consuela. Una vez explicado eso, hay que dejarle claro que cualquier cosa que ocurra nos la puede contar a nosotros, que intentaremos escucharle siempre que sea posible.

Les afecta a los niños el hecho de ver a un muerto?

Esta duda nos la plantean muchos adultos, ya que en estas situaciones surgen muchas preguntas sobre todas las consecuencias físicas, psicológicas e incluso espirituales que pueden darse si un niño ve a un enfermo terminal, a un muerto o si participa de los ritos funerarios.

En estos casos nuestra respuesta siempre es contundente: Al niño no le va a pasar nada, siempre que con anterioridad se le explique claramente qué va a ver, cómo va a ser y que podamos garantizar que las reacciones de las demás personas presentes no van a ser exageradas, tal y como os hemos explicado en artículos anteriores.

No pasa nada porque los niños participen en ritos de despedida, o acudan a hospitales y/o tanatorios. No van a sentirse afectados ni impactados, a no ser que sean incapaces de prever aquello que van a ver.

Si no sabemos responder a una pregunta del niño

Estas son algunas de las preguntas a las que nos puede someter el niño, no hace falta contestar a todas perfectamente. De hecho, habrá ocasiones en las que no sabremos qué decir y la mejor respuesta será: “Lo siento, cariño, pero no sé qué contestarte. No son respuestas exactas, ni pretenden ser ideas fijas, sino que se basan en las preguntas más habituales que nos encontramos en nuestro trabajo diario con niños.

Para saber más sobre el duelo infantil y adolescente os recomendamos la lectura de nuestra guía Explícame qué ha pasado, que ofrece pautas para ayudar a los adultos a hablar de la muerte con los niños y adolescentes, y da claves sobre cómo viven el duelo los menores según su edad. La guía está disponible gratuitamente para su descarga en nuestra página web:

www.fundacionmlc.org

 

 

Concerto Solidário de Reis na E.B. Raul Lino

Janeiro 7, 2015 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

concerto

Concerto solidário musical a realizar-se já na próxima sexta-feira dia 9 de Janeiro pelas 20h30m, na EB RAUL LINO. Este concerto tem a finalidade de angariar fundos para aquisição de instrumentos musicais, para a escola.

Avenida Piemonte 2765-438 Monte Estoril

21 468 78 25

93 553 52 04

 

 

 

Jogos infantis são campeões em invasão de privacidade

Janeiro 7, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

notícia do site http://www.cartacapital.com.br de 18 de dezembro de 2014.

divulgação

Aplicativos para crianças e jogos como ‘Fruit Ninja’ e ‘Meu Malvado Favorito’ coletam dados desnecessários de usuários especialmente vulneráveis

por Observatório da Privacidade e Vigilância*

Jogos destinados a crianças tiveram a pior avaliação de proteção à privacidade entre os aplicativos mais baixados na plataforma Android. A conclusão é de um estudo da Universidade Carnegie Mellon que analisou mais de 1 milhão de programas comparando os dados coletados pelos aplicativos e os dados que os usuários consideram razoável ceder. Entre os mais populares com pior avaliação encontram-se os jogos da série Talking Tom, Meu Malvado Favorito e Fruit Ninja.

Para a advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Veridiana Alimonti, o fato de aplicativos voltados para o público infantil estarem entre os que menos respeitam a privacidade é duplamente problemático: pela coleta de dados desnecessária para a entrega do serviço e pela vulnerabilidade da criança. “Como podemos pensar em consentimento expresso e informado quando quem está do outro lado da tela é uma criança?”, questiona, lembrando que, pelo Marco Civil da Internet, qualquer tipo de coleta de dados só pode ser feita mediante autorização do usuário.

O estudo PrivacyGrade avalia os aplicativos e atribui notas que vão de A+ a D. Para isso, os pesquisadores montaram um modelo de pontuação que leva em conta quais informações o usuário espera que o aplicativo recolha. Assim, quem utiliza um aplicativo de mapas espera que o programa utilize seus dados de localização para funcionar, mas não que acesse seus dados de e-mail.

O modelo foi criado com base na ideia de que a violação do direito à privacidade deve ser medida pela expectativa de proteção em cada contexto. O estudo considera, portanto, a diferença entre como o usuário espera que o aplicativo se comporte no tocante a recolhimento de dados e quais dados ele de fato coleta.

“Se a ideia que a pessoa tem estiver alinhada com o que de fato o aplicativo faz, haverá menos problemas relacionados à privacidade, uma vez que a pessoa estará completamente ciente sobre o comportamento do aplicativo”, explicam os pesquisadores no estudo.

Fruit Ninja, um dos aplicativos com pior pontuação (D) é um jogo em que o usuário ganha pontos conforme consegue cortar frutas que compõem um mosaico. Embora seja um jogo quase todo offline, ele recolhe dados relativos às contas do usuário em outros serviços, como Google e Skype, o número do telefone, a identificação da operadora e a localização do aparelho, seja por GPS ou pela rede e envia as informações à empresa desenvolvedora. O recolhimento desses dados foi considerado abusivo por usuários no estudo.

Também receberam nota D os aplicativos My Talking Tom, desenvolvido pela Outfit7, e Meu Malvado Favorito, da Gameloft.

A desenvolvedora de jogos Halfbrick, que faz o Fruit Ninja, disse, em nota, que fará uma atualização do jogo para melhorar a transparência e a proteção à privacidade dos usuários. “A Halfbrick vai liberar atualizações para o Fruit Ninja e outros títulos na App Store e no Google Play  com o intuito de elevar o padrão de privacidade.”

A Gameloft disse, também em nota, que leva a privacidade dos usuários muito a sério. “Nós revisamos nossa política de privacidade sempre que necessário, dependendo da evolução das regulações nos diferentes territórios”.

Questionada sobre a classificação que obteve no estudo, a Outfit7 não se manifestou.

*O Observatório da Privacidade e Vigilância é uma iniciativa do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da USP que monitora ações do Estado e empresas que tenham impacto sobre a privacidade dos cidadãos.

 

 

 


Entries e comentários feeds.