Espetáculo de promoção da leitura para bebés “Afinal o Caracol” na Biblioteca Municipal de Sesimbra

Novembro 26, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

foto_cartaz_caracol

A Sala Polivalente da Biblioteca Municipal recebe no dia 29 de novembro, sábado, às 11 horas, um espetáculo de promoção da leitura para bebés, pela Andante Associação Artística.

A história Afinal o caracol junta uma atriz e um livro, que contam a história de um caracol, das cócegas que ele fazia, de como virava e girava, e de como acabou por não cair. Neste espetáculo, com poesia de Fernando Pessoa, música de Joaquim Coelho e ilustrações de Mafalda Milhões, brinca-se com as palavras. Brinca-se com a música das palavras, com a leveza das palavras, com o tamanho das palavras, com a pressa e a lentidão das palavras e também… com o silêncio.

Destinatários: bebés dos 6 meses aos 3 anos Limite: 15 participantes Inscrições (gratuitas): 21 228 85 88/ sonia.ferreira@cm-sesimbra.pt

 

Relatório Global sobre o Tráfico de Seres Humanos 2014 – aumento do número de Crianças Traficadas

Novembro 26, 2014 às 5:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

undoc

24 November 2014  – The 2014 Global Report on Trafficking in Persons released today in Vienna and in various UNODC field office locations across the world shows that one in three known victims of human trafficking is a child – a 5 per cent increase compared to the 2007-2010 period. Girls make up 2 out of every 3 child victims, and together with women, account for 70 per cent of overall trafficking victims worldwide.

“Unfortunately, the report shows there is no place in the world where children, women and men are safe from human trafficking,” said UNODC Executive Director Yury Fedotov “Official data reported to UNODC by national authorities represent only what has been detected. It is very clear that the scale of modern-day slavery is far worse.”

No country is immune – there are at least 152 countries of origin and 124 countries of destination affected by trafficking in persons, and over 510 trafficking flows criss-crossing the world. Trafficking mostly occurs within national borders or within the same region, with transcontinental trafficking mainly affecting rich countries.

In some regions – such as Africa and the Middle East – child trafficking is a major concern, with children constituting 62 per cent of victims.

Trafficking for forced labour – including in the manufacturing and construction sectors, domestic work and textile production – has also increased steadily in the past five years. About 35 per cent of the detected victims of trafficking for forced labour are female.

There are, however, regional variations: victims in Europe and Central Asia are mostly trafficked for sexual exploitation, whereas in East Asia and the Pacific forced labour drives the market. In the Americas, the two types are detected in almost equal measure.

Most trafficking flows are interregional, and more than 6 out of 10 victims have been trafficked across at least one national border. The vast majority of convicted traffickers – 72 per cent – are male and citizens of the country in which they operate.

The report highlights that impunity remains a serious problem: 40 per cent of countries recorded few or no convictions, and over the past 10 years there has been no discernible increase in the global criminal justice response to this crime, leaving a significant portion of the population vulnerable to offenders.

“Even if most countries criminalize trafficking, many people live in countries with laws which are not in compliance with international standards that would afford them full protection, such as the Trafficking in Persons Protocol.” Mr. Fedotov said.

“This needs to change,” added Mr. Fedotov. “Every country needs to adopt the UN Convention against Transnational Organised Crime and the protocol and commit themselves to the full implementation of their provisions.”

Futher information at:

2014 Global Report on Trafficking in Persons

Blue Heart Campaign against Trafficking in Persons

UNODC on human trafficking and migrant smuggling

 

Seminário “Fim da Escravatura Infantil” 6 de Dezembro Porto

Novembro 26, 2014 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

cnasti

 Nota: Não há limite do número de inscrições, pelo que, se assim o entender, poderá fazer-se acompanhar de outras pessoas. Agradecemos que, sendo possível, possa fazer uma inscrição diretamente em http://www.cnasti.pt ou através do e-mail cnasti@cnasti.pt

 

Ireland Hobert-Hoch é uma excelente aluna. Tem boas notas e não causa problemas na escola. No entanto, esta aluna norte-americana, de 13 anos, está envolvida numa polémica que tem dado que falar na internet

Novembro 26, 2014 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Sol de 20 de novembro de 2014.

Notícia do Huffington Post citada pelo Sol

Student Sent To Principal’s Office After Refusing To Be Weighed

 

 

Shutterstock

Ireland Hobert-Hoch é uma excelente aluna. Tem boas notas e não causa problemas na escola. No entanto, esta aluna norte-americana, de 13 anos, está envolvida numa polémica que tem dado que falar na internet.

Ireland foi chamada ao director da escola que frequenta, no estado de Iowa, por se recusar a pesar-se nas aulas de educação Física. 

“Acho que a escola não tem nada a ver com o meu peso”, afirmou a estudante.

A família de Ireland deixou de ter uma balança em casa já há alguns anos e “ela tem sido muito feliz desde essa altura”, explicou Heather, a sua mãe.

O director do estabelecimento escolar disse ao Huffington Post que Ireland foi chamada ao seu gabinete não devido à situação em si, mas pela forma como “a situação foi apresentada ao professor”.

“Eu sei que dizer ‘Isto sempre foi feito’ não é uma boa explicação”, reconheceu Mike Daily, mas “se dá um feedback aos alunos, pode também ajudá-los”, acrescentou.

Assim que Ireland se recusou a pesar – a turma estava a tirar todas as medições necessárias para chegar ao índice de massa corporal – várias colegas suas ficaram do seu lado e recusaram-se também a ver qual era o seu peso.

O director da escola disse ao Huffington Post que a questão será levada à administração da escola e que esta decidirá se as medições de peso deverão continuar a ser feitas ou não.

 

 

 

Fotografias de uma cerimônia de circuncisão de raparigas no Quénia

Novembro 26, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Foto reportagem do http://www.dailymail.co.uk  de 13 de novembro de 2014.

Visualizar todas as fotografias aqui

Reuters Siegfried Modola

Reuters Siegfried Modola

 

Reuters Siegfried Modola 2

Reuters Siegfried Modola

A study in barbarity: Tearful and terrified, young girls are lined up to undergo a tribal circumcision ceremony in Kenyan village

Photographer Siegfried Modola captured this ceremony in rural Kenya for four teenage girls of the Pokot tribe

More than a quarter of Kenyan women have undergone ordeal, despite the practice being outlawed three years ago

But in many tribes, it is considered a rite of passage that marks the transition into womanhood so girls can marry

By Khaleda Rahman for MailOnline

WARNING: GRAPHIC CONTENT

These pictures show frightened girls lined up before villagers in Kenya to be circumcised – even though the brutal practice is now illegal in the country.

But in many African tribes, traditions are more important than laws and circumcision is considered a rite of passage that marks their transition into womanhood so they can marry.

Reuters photographer Siegfried Modola captured this ceremony in rural Kenya for four teenage girls of the Pokot tribe, in Baringo County.

Draped in animal skin and covered in white paint, the girls squat over large stones in the remote village after being circumcised – a life-threatening custom banned in the country three years ago.

More than a quarter of Kenyan women have undergone the ordeal, despite government efforts to end the practice in the East African country.

‘It’s a tradition that has been happening forever,’ the father of one of the girls, who asked not to be named fearing reprisal from the authorities, told Reuters from the isolated Pokot settlement some 80km from the town of Marigat.

‘The girls are circumcised to get married. It’s a girl’s transition into womanhood,’ he said.

Wrapped in bright coloured shawls, the girls spent the night huddled around a fire in a thatched-roof house as local women gathered to sing and dance in support.

One woman fell into a trance after sipping a local wine.

Circumcision is heavily practiced among the Pokot community, and one of the girls’ mothers believes it is a sign of strength.

‘The pain will make her strong. She can show the rest of the community that she can endure it,’ the woman said after having her daughter circumcised by a Pokot elder donning a beaded neck collar and large brass earrings.

‘I’m proud of my daughter for doing this,’ she said.

At its most extreme, circumcision, also known as female genital mutilation, involves cutting off the clitoris and external genitalia, then stitching the vagina to reduce a woman’s sexual desire.

Anything from razor blades to broken glass and scissors is used.

The U.N.’s Children’s Fund, UNICEF, says more than 125 million women have been cut in the 29 countries in Africa and the Middle East where genital mutilation is carried out.

Kenyan law provides for life imprisonment when a girl dies from the procedure, which in addition to excruciating pain, can cause haemorrhage, shock and complications in childbirth.

It set up a prosecution unit in March and is currently investigating 50 cases.

Officials are optimistic they can force a change in attitude but still worry that the practice is too ingrained for legal threats to have an impact.

‘We face a myriad of challenges,’ said Christine Nanjala, who heads the prosecuting unit. ‘You will find the practice is something highly valued. You will keep quiet and you will not report it – if you do, you face reprisal.’

Still, Nanjala was optimistic that genital cutting would be eventually wiped out. ‘Not tomorrow but it will end, she said. ‘At the end of the day, without hope, you have nothing.’

 

 

 

 

 

Caminhada pelos direitos das Crianças – 30 Novembro na Chamusca

Novembro 26, 2014 às 11:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

zumbada

A CPCJ –Comissão de Proteção de Crianças e Jovens da Chamusca com apoio da Câmara Municipal de Chamusca, através do Gabinete de Desporto organizam no próximo domingo, dia 30 de novembro, mais uma edição da Caminhada pelos Direitos da Criança.

A concentração será às 9h30 no Largo dos Bombeiros, com saída prevista às 10h00 para um percurso fácil de 5 Kms, com uma duração aproximada de 60 minutos. Acessível a toda a família, com uma bonita paisagem de fundo, os participantes irão sensibilizar a população em geral para os direitos humanos, nomeadamente os direitos da criança.

À chegada do percurso, pelas 11h00 os participantes podem fazer uma aula de zumba, no Largo da Biblioteca Municipal, com a professora Raquel Gonçalves.

Para Cláudia Moreira, Vice-Presidente da Câmara Municipal da Chamusca “não podemos ficar indiferentes a esta temática porque infelizmente ainda existem muitas crianças que não têm os seus direitos salvaguardados, ainda muito a fazer na nossa sociedade em prol dos direitos da criança.”

Inscricões abertas – cmc.desporto@mail.telepac.pt

 

 

Cinco truques para pôr o seu filho a devorar livros

Novembro 26, 2014 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

texto do site http://revistafabulas.com  de 1 de outubro de 2014.

revistafabulas

Talvez não a devorar livros, mas quem sabe a ser um leitor pró-ativo e regular. No artigo Cinco trucos efectivos para fomentar la lectura en los más pequeños, a revista Babar faz uma síntese de como fomentar nos petizes o gosto pela leitura.

Aqui ficam esses cinco truques:

  1. por imitação: crianças que vejam os seus pais ou avós ou familiares a lerem regularmente, sentir-se-ão atraídos pelos livros. O truque é comprar um livro ilustrado e deixá-lo ao alcance da criança para que ela o descubra e se aventure a folheá-lo.
  2. leve o seu filho a uma livraria: se existe uma livraria no seu bairro leve lá as suas crianças. As livrarias costumam dinamizar os seus espaços com horas do conto, encontros com autores e pequenas oficinas. Estas visitas promovem o contacto próximo com o livro e com a leitura. Deixe-os explorar e não tente escolher os livros por eles, mas incentive-os a descobri-los.
  3. conte-lhes histórias: conte anedotas, conte histórias da sua infância, leia em voz alta. Ajuda a articulação verbal, a apreensão de vocabulário, além de promover a imaginação.
  4. organize pequenos teatros: as crianças gostam muito de teatrinhos e a dramatização dos diálogos e das cenas descritas cativará o gosto das crianças pelas histórias.
  5. invente histórias com os seus filhos: incentive-os a criarem também os seus próprios contos e a ilustrá-los, pois assim em tornando-se parte do processo de criação, poderão sentir-se estimulados a partilhar o seu gosto pela leitura.

Via revista Babar.

 

 


Entries e comentários feeds.