Boletim do IAC n.º 113

Outubro 20, 2014 às 8:01 pm | Publicado em O IAC na comunicação social, Publicações IAC-CEDI | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

bol

Boletim do IAC n.º 113 aqui

Este ano é previsível que nasçam menos de 80 mil crianças em Portugal

Outubro 20, 2014 às 2:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia do Público de 16 de outubro de 2014.

Daniel Rocha

 

Alexandra Campos

Pediatra diz que, mais do que preocupados com a quebra da natalidade, devíamos estar empenhados em fazer com que as poucas crianças que nascem desenvolvam todo o seu potencial

Nunca foi tão baixo o número de nascimentos em Portugal. Este ano é possível que nasçam menos de 80 mil bebés, mas, para a pediatra Maria do Céu Machado, o ruído criado à volta da quebra da natalidade acaba por ser “redutor”. “Há uma enorme preocupação com o número de crianças que nascem no país, mas não nos preocupamos com as que nascem agora”, lamenta a directora do departamento de Pediatria do Hospital de Santa Maria (Lisboa) que integrou a comissão independente que em Julho apresentou uma série de medidas para estimular a natalidade.

“Temos que olhar para as poucas que nascem e fazer com que desenvolvam todo o seu potencial. Temos que ter a certeza de que não há negligência, que são bem tratadas, que não há insucesso escolar”, defende Maria do Céu Machado, que esta sexta-feira vai chamar a atenção para a necessidade de consolidar os resultados nacionais na saúde infantil e investir na adolescência, no congresso nacional de pediatria.

Maria do Céu Machado lembra, a propósito,  o exemplo da Finlândia, país onde a taxa de natalidade também baixou substancialmente, e que avançou com programas de acompanhamento personalizado para cada criança com insucesso escolar.

Enquanto se espera que o primeiro-ministro anuncie a estratégia de apoio à natalidade que prometeu, a pediatra que é uma das autoras do relatório Por um Portugal amigo das crianças, das famílias e da natalidade apresentado em Julho, acredita que algumas propostas vão avançar, mas também está consciente de que isso não bastará para pôr as pessoas a querer ter filhos de um  momento para o outro.

O primeiro-ministro prometeu recentemente aos membros da comissão que, depois da apresentação do Orçamento de Estado, iria avançar com “duas ou três” das medidas sugeridas em cada um dos seis eixos de recomendações feitas pelo grupo de trabalho, diz a pediatra. Entre as propostas figura a possibilidade da isenção da Taxa Social Única para as empresas que contratem grávidas, assim como descontos nas tarifas de água, resíduos e saneamento.

Preocupada com o adiamento da idade em que as mulheres têm o primeiro filho, a pediatra sublinha ainda que é necessário apostar na educação para a saúde nas escolas, nomeadamente explicando  aos adolescentes, ao mesmo tempo que se lhes fala sobre contracepção e a forma de evitar doenças transmissíveis, que a fertilidade diminui substancialmente com a idade.

 

Exploração sexual de menores na Internet rende cinco mil milhões de euros – Participação de Dulce Rocha do IAC no programa “Em Nome da Lei” da RR

Outubro 20, 2014 às 1:10 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Participação de Drª Dulce Rocha, Vice-Presidente do Instituto de Apoio à Criança no programa “Em Nome da Lei” da Rádio Renascença no dia 18 de outubro de 2014.

Ver o vídeo e ouvir o áudio aqui

rr

Por Marina Pimentel

Há “milhares e milhares” de fotografias e vídeos de crianças a serem abusadas sexualmente a circular na internet. As organizações criminosas usam os esquemas para lavagem de dinheiro.

A exploração sexual de menores na Internet é um negócio avaliado em 5 mil milhões de euros, que envolve organizações criminosas que a usam para branqueamento de capitais.

A denúncia é feita no programa Em Nome da Lei, da Renascença, por Aires Magriço, magistrado do Ministério Público com larga experiência na investigação sobre pedofilia no Ciberespaço, e que explica como se processam os crimes:

“ [As organizações] abrem o site, abrem pequenas contas bancárias por todo o mundo, vão comprando imagens e espalham o dinheiro e perde-se o rastro do dinheiro do tráfico de droga, do tráfico de droga, do tráfico de seres humanos.”

Aires Magriço acaba de lançar um livro onde conta a sua experiência como investigador sobre as práticas dos predadores sexuais. O procurador diz que há “milhares e milhares” de fotografias e vídeos de crianças a serem abusadas sexualmente a circular na internet. Na maior parte são crianças do Leste da Europa.

Os abusadores costumam ser “tecnologicamente evoluídos”. Chegam a camuflar imagens de pornografia com crianças e jovens nos servidores das empresas e de organismos públicos.

“Seria importante que as empresas, nas suas políticas de responsabilidade social, adoptassem acções de sensibilização e de prevenção a este tipo de práticas”, aconselha.

Dulce Rocha, presidente executiva do Instituto de Apoio à Criança, diz que a violência sexual sobre as crianças acontece cada vez mais cedo, causando efeitos devastadores.

Há crianças mais vulneráveis que outras, mas qualquer uma está em risco.

“Ninguém está seguro. Ninguém que tenha o seu quarto e o seu computador está seguro. É um assunto que nos deve ocupar, se não queremos que isto aumente indefinidamente”, diz.

Dulce Rocha, também antiga procuradora, diz que Portugal deve aprender com as boas práticas de outros países, como a Alemanha, onde a investigação aleatória de pedófilos é permitida, ao contrário do que acontece por cá.

 

Esta norueguesa de 12 anos vai casar amanhã com um homem de 37?

Outubro 20, 2014 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Campanhas em Defesa dos Direitos da Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

texto do Sol de 10 de outubro de 2014.

Thea og Geir

Pedro Guerreiro

Thea tem 12 anos e a mãe disse-lhe que vai ter de casar com um homem 25 anos mais velho. Desde então, esta menina norueguesa tem alimentado um blogue onde conta os preparativos para a cerimónia forçada, sobre as intenções do futuro marido de a tirar da escola e sobre a ‘obrigação’ de ter filhos imediatamente.

O blogue conta com mais de meio milhão de leitores e já motivou uma torrente de chamadas para a polícia norueguesa. Nas redes sociais, a hashtag #stoppbryllupet (parem o casamento) tornou-se viral.

Tudo não passa de uma genial campanha de choque contra o drama dos casamentos forçados de menores. Todos os anos, 39.000 crianças em todo o mundo são entregues pelos pais a homens mais velhos. A maioria das vítimas que frequenta uma escola acaba por abandonar os estudos. Iniciam a sexualidade precocemente e, ao engravidarem durante a puberdade, correm graves riscos para a saúde, incluindo a morte.

A organização norueguesa responsável pela campanha, a Plan International, admite que as imagens e os textos do blogue de Thea são “provocantes” e assumem o objectivo de indignar a opinião pública.

O efeito tem sido positivo, já que a organização tem recolhido donativos para crianças em risco de casamento precoce. Não na Noruega, onde o fenómeno se reduz a casos muito raros de crianças de minorias étnicas, mas em países como o Bangladesh e a Tanzânia.

A escolha de 11 de Outubro como data para o ‘casamento’ também não acontece por acaso. Trata-se do Dia Internacional da Rapariga, uma data promovida pelas Nações Unidas para alertar a opinião pública mundial para os desafios que as meninas enfrentam.

De resto, a atribuição esta sexta-feira do Nobel da Paz a Malala Yousafzai vem sublinhar o problema do acesso das raparigas à educação. A jovem paquistanesa de 17 anos foi atingida a tiro na cabeça, em 2012, por um combatente talibã, em represália pelos seus textos críticos das restrições impostas às meninas do Vale de Swat.

pedro.guerreiro@sol.pt

mais informações sobre a campanha:

http://www.plan-norge.no/english

 

 

 

 

Oficina de Iniciação à Costura para jovens dos 10 aos 14 anos, acompanhados de um adulto na Biblioteca Camões

Outubro 20, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

oficina

Oficina de Iniciação à Costura

No âmbito do Programa de Promoção da Leitura e das Literacias 2014-2015 apresentamos: PARA jovens dos 10 aos 14 anos, acompanhados de um adulto Oficina de Iniciação à Costura Aprendizagem Não Formal por Oficina de Costura Criativa

Vem aprender a fazer a tua mochila e bolsa ou a reciclar roupas que já não usas. Nós levamos os tecidos e a máquina de costura para experimentares, mas também podes trazer peças tuas para reciclar.

na Biblioteca Camões sábado, 25 outubro, das 10H00 às 13H00 (e das 14h às 17h; abrem 1.º uma turma mas pretendem fazer 2 sessões)

N.º mínimo de participantes: 6 N.º máximo de participantes:8

Preço: 25€ por jovem + adulto | preço especial no âmbito do Programa de Promoção da Leitura e das Literacias da Rede BLX Informações e Inscrições: costuracriativa@gmail.com | t. 96 866 48 77 / 91 044 96 76 / 21 887 04 57

Acompanhe em direto a Conferência do IAC “Os Direitos da Criança – Prioridade para quando? “

Outubro 20, 2014 às 10:28 am | Publicado em O IAC na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Pode acompanhar em direto a Conferência do IAC  “Os Direitos da Criança – Prioridade para quando? ” através do site da Assembleia da Republica no link http://www.canal.parlamento.pt/artv.asx

confere

Estudo de Adaptação Parental à Perda de um Filho: pedido de colaboração

Outubro 20, 2014 às 6:00 am | Publicado em Divulgação, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Interdependência diádica após a morte de um filho: Influência de fatores individuais e interpessoais no ajustamento individual e conjugal

PROJETO DE INVESTIGAÇÃO

No presente estudo estamos a recrutar homens e mulheres (com idade igual ou superior a 18 anos) que tenham perdido um filho

No contexto deste trabalho, será também possível e importante a recolha de informação sobre ambos os membros do casal, de forma emparelhada. Se ambos os membros do casal estiverem dispostos a participar devem, para o efeito, criar uma identificação para o casal, que permita o posterior emparelhamento da informação. Ou seja, se um dos elementos usar, por exemplo, o código “AJS9”, o outro deverá usar também este mesmo código. Por favor, utilize um código com pelo menos 3 letras e um número. A identificação do casal deverá ser inserida no campo “código de casal”.

Todo o estudo decorrerá segundo os princípios éticos internacionais aplicados à investigação em Psicologia, particularmente no que se refere à confidencialidade da informação recolhida.

 Quais são os objetivos deste estudo?

Este estudo procura conhecer os principais desafios e experiências, mas também os principais recursos, dos pais que perderam um filho.

 Como pode participar?

A sua participação no estudo consiste no preenchimento de um conjunto de questões simples, de resposta rápida, anónimas e confidenciais sobre si e a sua experiência de luto. Nos questionários que compõem a bateria de avaliação não existem respostas certas nem erradas. O importante é que responda a todas as questões com calma e sinceridade.

O preenchimento do presente questionário poderá constituir uma experiência difícil para os participantes, na medida em que poderão ser ativadas emoções e memórias dolorosas. Pode também constituir um momento de crescimento pessoal, pois promove a reflexão sobre a sua experiência e o modo como tem lidado com a sua perda.

 Instruções de utilização: Pode, em qualquer momento e por qualquer motivo, desistir de colaborar neste projeto (encerrando, para isso, a janela). Se começar a preencher o questionário e decidir retomá-lo numa outra altura, poderá clicar em “continuar mais tarde”.

 Confidencialidade

Todos os dados recolhidos são estritamente confidenciais. Em nenhuma circunstância serão divulgados dados pessoais ou as respostas aos questionários. O anonimato será sempre garantido. Os dados recolhidos serão utilizados apenas para fins de investigação, tendo apenas valor coletivo. 

 

A informação recolhida no estudo beneficiará, no futuro, pessoas com uma experiência semelhante à sua.

Só conhecendo de forma mais aprofundada a sua experiência poderemos desenvolver um acompanhamento psicológico mais direcionado para as suas principais necessidades.

 

Este estudo está a ser desenvolvido no âmbito da Linha de Investigação “Relações, Desenvolvimento & Saúde” da Faculdade de Psicologia e de Ciências das Educação da Universidade de Coimbra (FPCE-UC) e do Programa Inter-Universitário de Doutoramento em Psicologia Clínica – Psicologia da Família e Intervenção Familiar [Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa (FP-UL) e FPCE-UC], sob a orientação do Prof. Doutor Marco Daniel de Almeida Pereira (FPCE-UC) e da Prof. Doutora Isabel de Santa Bárbara Narciso Davide (FP-UL). O projeto é apoiado por uma bolsa de Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) (SFRH/BD/86223/2012).

Demorará aproximadamente, 30 minutos a responder a este questionário.

através do endereço: http://www.fpce.uc.pt/limesurvey/index.php/survey/index/sid/485592/lang/PT

 

Muito obrigada pela sua colaboração!

 Assim que forem concluídos os estudos individuais será publicado um resumo dos resultados no seguinte website: http://www.fpce.uc.pt/saude/

Se tem questões adicionais acerca desta investigação, por favor, contacte a investigadora responsável:

Mestre Sara Albuquerque

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra

Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa

Telefone: 239 851450 / Fax: 239 851465
Email: saramagalhaes9@msn.com

https://www.facebook.com/perdadeumfilho

 

 

 


Entries e comentários feeds.