Rastreio gratuito de dificuldades de leitura e de escrita

Outubro 9, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

rastreio

8 de Novembro

mais informações:

http://www.ipnp.pt/

Marcação prévia através dos contactos: 222 019 839, 916 101 907, 934 483 719. 

 

Conferência Os Direitos da Criança – Prioridade para quando?

Outubro 9, 2014 às 6:04 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

iac

 

O Instituto de Apoio à Criança, por ocasião do 25º Aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança decidiu organizar uma Conferência para comemorar aquele que é o texto legal mais consensual a nível Mundial. Na verdade, com uma ratificação quase universal, a Convenção introduziu nos sistemas normativos dos Estados uma nova perspetiva da Criança como ser autónomo, sujeito de Direitos.

A Conferência vai ter lugar num mês especial, o Mês Europeu da Segurança na Internet, sendo também assinalado, no dia 17, o Dia Mundial contra a Pobreza e a Exclusão, e no dia 18, o Dia Internacional contra o Tráfico de Seres Humanos.

Por tudo isto, como há mais de trinta anos aconteceu aquando da sua fundação, o IAC diligenciou por reunir um conjunto de especialistas de diversas áreas do saber, com estudos, pesquisas, ideias e trabalho sobre a Infância, assim contribuindo para o aprofundamento deste tema e sobretudo para o desenvolvimento de uma cultura de Direitos e de mais dignidade e bem-estar para a Criança.

Vamos ter connosco grandes nomes ligados ao estudo e à pesquisa sobre os Direitos da Criança, a quem agradecemos muito a sua disponibilidade.

Será uma honra e um privilégio poder contar com Sérgio Niza, Barbas Homem, Ana Nunes de Almeida, Reis Monteiro, Clara Sottomayor, Emílio Salgueiro, José Ornelas, Natália Fernandes. No final do primeiro dia teremos a Sessão de Lançamento do último livro da Conselheira Clara Sottomayor “Temas de Direito das Crianças” e no segundo dia teremos painéis com dirigentes de Instituições de referência na área da pobreza infantil, da desinstitucionalização ou da promoção da autonomia dos jovens, e com especialistas com provas dadas no quotidiano da sua atividade na defesa dos Direitos da Criança, que tratarão de temas atualíssimos, que merecem a nossa reflexão, como a questão da Exploração Sexual de Crianças, não esquecendo a que é praticada com meios novos, como a Internet, mencionando-se em particular as novas tecnologias de comunicação e informação, com as suas potencialidades quase infinitas, mas também com os seus perigos, que importa termos presentes para melhor defendermos a segurança das crianças e dos adolescentes.

Estamos convictos que esta conferência contribuirá para todos ficarmos mais informados e mais motivados para prosseguirmos esta missão que abraçámos de dedicação à causa da Criança. Um enorme Obrigada a todos quantos a vão tornar possível! Bem-hajam!

Programa (pdf)

Contactos

iac-sede@iacrianca.pt

tel. +351 213 617 880

fax. +351 213 617 889

telm. +351 919 000 315 / +351 939 105 280 / +351 969 192 738

 

Big Bang – Festival Europeu de Música para Crianças no CCB

Outubro 9, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

ccb

17 e 18 Out 2014

O Festival Big Bang regressa este ano na sua quinta edição portuguesa. Esta será uma viagem aliciante, de descoberta partilhada, para crianças entre os 4 e os 12 anos e os adultos que as acompanham. O Big Bang é um projecto internacional que iniciou a sua actividade com seis parceiros de cinco países diferentes. Através dele, o CCB / Fábrica das Artes tem aberto um espaço para os artistas portugueses poderem criar novas abordagens artísticas à música para crianças e verem o seu trabalho reconhecido dentro do país e pela Europa fora. Este festival, na quinta edição portuguesa, parte de uma iniciativa da Zonzo Compagnie e visa a criação de uma plataforma de encontro de compositores, músicos, performers e dos seus projectos de criação, portugueses e de outros países da Europa, de forma a estimular e contribuir para o desenvolvimento da produção e apresentação de música não comercial para crianças entre os 4 e os 12 anos e para os adultos que as acompanham.

PREÇOS 

Sexta-feira dia 17 Outubro– dos 4 aos 12 anos Bilhete Festival BIG BANG (com direito a 2 actividades ) 3,5€ Bilhete para 1 espectáculo extra 1€

Sábado Dia 18 Outubro – dos 4 aos 12 anos (e pais) Bilhete Festival BIG BANG (com direito a 2 actividades) 7€ Bilhete para 1 espectáculo extra 2€

Projecto internacional: Zonzo Compagnie Bélgica ⁄ CCB Portugal / BOZAR – Palais des Beaux-Arts (Bélgica) ⁄ Stavanger Konserthus Noruega / Opéra de Lille França ⁄ Onassis Cultural Centre Grécia / KinderKinder Alemanha / Fundacia Alcala Innova e Pasion Por la Musica (Espanha) / EPR Classic (parceiro media – Bélgica) /

Co-produção O Big Bang – Festival Europeu de Música e Aventura para Crianças é uma co-produção do CCB com a Zonzo Compagnie e está integrado na rede Big Bang europeia

Apoios Ministério da Educação e Ciência / Direcção Geral de Educação / Programa de Educação Estética e Artística

Co-financiado pelo Programa Europa Criativa da União Europeia O BIG BANG – FESTIVAL EUROPEU DE MÚSICA E AVENTURA PARA CRIANÇAS É UMA CO-PRODUÇÃO DO CCB COM A ZONZO COMPAGNIE E ESTÁ INTEGRADO NA REDE EUROPEIA BIG BANG. Apoios Ministério da Educação e Ciência / Direcção Geral de Educação / Programa de Educação Estética e Artística / Caixa Geral de Depósitos

http://www.bigbangfestival.eu/en/bigbang
CONTACTOS FÁBRICA DAS ARTES Maria José Solla | Manuel Moreira | Tânia Guerreiro Todos os dias úteis das 11:00 às 13:00 e das 15:00 às 18:00. Telefones +351 213 612 899 e +351 213 612 898 ou do fax +351 213 612 859. fabricadasartes@ccb.pt

 

O Patinho Feio – Teatro para Crianças no Museu Nacional do Teatro (Lumiar)

Outubro 9, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

pato

12 de outubro

mais informações aqui

 

Literatura infantil no meio digital – masterclass por Ardozia | Humberto Neves na Biblioteca de S. Lázaro

Outubro 9, 2014 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

ardozia

 

No âmbito do Programa de Promoção da Leitura e das Literacias 2014-2015 apresentamos: PARA autores, ilustradores de literatura infantil, editores, bibliotecas, pais e formadores Literatura infantil no meio digital masterclass por Ardozia |  Humberto Neves

Nesta masterclass vamos efetuar uma introdução à publicação digital na literatura infantil. Quais são os formatos mais adequados e quais os objetivos a que se propõem. Discutir aspetos relacionados com a narrativa, a ilustração, a animação, a interação e a sonorização. Apresentação de um caso prático. Apresentação de novas abordagens através de exemplos.

na Biblioteca de S. Lázaro  sábado, 18 outubro 2014, das 15H00 às 17H00 (2H)

N.º mínimo de participantes: 8 (inscrições limitadas à capacidade da sala)

Público-alvo: Preço:10€ por pessoa Informações e Inscrições: humberto.neves@ardozia.com | t. 934 029 496

 http://ardozia.com/

Dá Voz à Letra e ganha uma viagem a Londres! Concurso da FCG para estudantes dos 13 aos 17 anos

Outubro 9, 2014 às 9:58 am | Publicado em Divulgação, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

http://www.davozaletra.gulbenkian.pt/

Magistrados avisam que registo de abusadores de menores pode violar a Constituição

Outubro 9, 2014 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Público de 7 de outubro de 2014.

daniel rocha

Pedro Sales Dias

Proposta que permite acesso dos pais à lista viola a Constituição e é “populista e perigosa”. Procuradores questionam mesmo se se pretende proteger as crianças com “milícias de caça ao pedófilo?”

Juízes e procuradores mostram-se muito críticos e preocupados quanto à proposta de lei do Governo que pretende permitir aos pais o acesso ao registo criminal de condenados por crimes de abusos sexuais de menores. Consideram que tal acesso – com a criação do registo concordam – viola a Constituição, é populista e poderá gerar violência na sociedade.

“Não se evidencia qualquer utilidade, em termos de prevenção geral, que vá além de uma dimensão populista, demagógica, perigosa e inconsequente”, diz a Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) num parecer que recorda ainda que todos os cidadãos são iguais, têm a mesma dignidade social e o direito à protecção contra qualquer discriminação. Em causa estão também alterações ao Código Penal e à Lei de Protecção de Menores.

Os juízes salientam que “não existe um direito à segurança de tal forma amplo que determine o dever do Estado dar a conhecer aos seus cidadãos o passado criminal de outros membros da comunidade”. Alertam ainda para “alguns resultados trágicos que decorrem de exemplos ocorridos em países onde existem leis similares” que “deveriam levar a uma clara rejeição da proposta”.

Para os procuradores, o receio é o mesmo. “A proposta nesse ponto é populista e o acesso ao registo viola a Constituição e pode potenciar a justiça privada”, disse o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP), Rui Cardoso.

No preâmbulo da proposta, que ainda está em fase de discussão pública e de recolha de contributos, o Ministério da Justiça sustenta que o registo “corresponde a objectivos de prevenção criminal” impostos pela Convenção de Lanzarote e por uma resolução europeia. A tutela diz ainda que a iniciativa é inspirada “nas experiências consolidadas do Reino Unido e da França”.

Mas num parecer, o SMMP avisa que permitir o acesso a listas de abusadores com a justificação de que se pretende proteger as crianças “é um argumento puramente pedagógico”. “Proteger as crianças como? Organizando milícias populares de caça ao pedófilo? Substituindo-se às actividades próprias das entidades policiais? Criando nas crianças um sentimento de medo permanente de circular em determinada zona?”, questiona.

Os procuradores entendem ainda que o regime “é anacrónico” e “ostensivamente ilegal” por violar também a Convenção Europeia dos Direitos do Homem. Aliás, recordam que as polícias só podem aceder à informação em causa quando tal se justifique nas suas missões, mas que “estranhamente” não se exige aos pais uma justificação. Os requisitos previstos são, dizem, “manifestamente excêntricos” e uma “tentativa falhada” de alguma exigência. Os pais terão apenas de comprovar o local onde residem e que a criança frequenta a escola. O polícia na esquadra “é quem vai decidir se fornece ou não a informação”, criticam.

Outra crítica é feita relativamente ao facto de a proposta ir mais longe do que a directiva comunitária de 2011 relativa à luta contra o abuso sexual e a exploração sexual de crianças e a pornografia infantil. Nela, “o acesso não é imposto nem sequer aconselhado”, sublinham. O nome, a idade e a morada dos condenados passa a integrar uma base de dados informatizada que estará acessível a pais com filhos até aos 16 anos.

Já quanto aos restantes aspectos da proposta, os magistrados reconhecem vários pontos positivos. O projecto propõe ainda uma alteração ao Código Penal para que quem seja condenado fique impossibilitado de exercer, por um período entre cinco e vinte anos, funções ou actividades junto de menores. Não poderão também assumir a confiança de menores, adopção, tutela, acolhimento familiar e apadrinhamento civil.

Os condenados ficam ainda inibidos de exercer responsabilidades parentais durante o mesmo período e no caso dos crimes de actos sexuais com adolescentes a moldura penal sobe para dois anos de prisão sem possibilidade de ser substituída por multa.

Acesso dos pais a lista é “justiça de apedrejamento”, alertou Sampaio

Foi no final da semana passada que o tema voltou à agenda. No X congresso de juízes, em Tróia, não existia qualquer tema relacionado com a proposta para o registo de abusadores sexuais de menores, mas o antigo Presidente da República Jorge Sampaio criticou-a duramente durante o seu discurso. Considerou que representa “regresso ao pelourinho e à justiça de apedrejamento”.

O ex-Presidente da República pensa que a intenção da ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, constitui “mais uma manifestação da deriva securitária” que tem combatido nas últimas décadas, e que simboliza “o que há de mais contrário à dignidade das pessoas”.

Uma crítica que a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, também presente no encontro de magistrados judiciais, rebateu. “Então também existirá justiça de pelourinho em vários países da Europa ocidental que têm este sistema”.

Também o ex-procurador-geral da República Pinto Monteiro tinha, em declarações à Lusa, criticado o diploma, com argumentos idênticos aos de Jorge Sampaio.

 


Entries e comentários feeds.