Relatório da UNICEF alerta para “factos inquietantes” sobre violência infantil

Setembro 12, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

notícia da Visão Solidária de 4 de setembro de 2014.

descarregar o relatório Hidden in Plain Sight: A statistical analysis of violence against children mencionado na notícia

hidden

O relatório – “Hidden in plain sight” – desenvolvido pela UNICEF relativamente à violência infantil alerta para “factos inquietantes”. E diz que, “se não enfrentarmos a realidade que cada uma destas estatísticas revoltantes representa, nunca mudaremos a mentalidade segundo a qual a violência contra as crianças é normal e tolerável”. Quem o diz é Anthony Lake, Diretor Executivo da UNICEF, num comunicado de imprensa.

Lançado esta quinta-feira, em Nova Iorque, o relatório diz respeito a uma análise estatística sobre os “padrões globais de violência contra crianças”. O estudo teve por base 190 países sendo que os dados apenas são referentes aos indivíduos que se disponibilizaram a participar na pesquisa. Deste modo, o relatório documenta a violência contra crianças nas suas comunidades, escolas e casas.

Para além de dar a conhecer a impressionante escala dos abusos físicos, sexuais e emocionais, questões como “os efeitos duradouros, e muitas vezes inter-geracionais, da violência” foram também estudadas e abordadas. Assim sendo, os dados mostram que as crianças que foram e são expostas aos vários tipos de violência têm uma probabilidade de virem a viver na pobreza, a comportarem-se de forma violenta ou a ficarem desempregadas.

Seguindo esta lógica Anthony Lake acrescentou que esta situação “embora prejudique sobretudo as crianças, também afeta todo o tecido da sociedade – ameaçando a estabilidade e o progresso (…) a violência contra as crianças não é inevitável. Podemos preveni-la se não deixarmos que permaneça na sombra”.

Com o intuito de prevenir e reduzir a violência infantil, a UNICEF apresentou seis estratégias: apoiar os pais e dotar as crianças de aptidões para a vida quotidiana; mudar mentalidades; reforçar os sistemas judiciários, penais e de serviços sociais; recolher elementos de prova relativos à violência e aos custos humanos e socioeconómicos que acarreta, são quatro delas.

Iniciativa

Com o intuito de “chamar a atenção para o problema como um primeiro passo para mudar mentalidades, comportamentos e políticos”, a UNICEF lançou a iniciativa a 31 de julho de 2013. O slogan “Tornar visível o invisível” apelava ao envolvimento coletivo na luta contra a violência infantil, dando especial foco ao facto da violência estar “em todo o lado”, mas por vezes “longe da vista de todos”, ou “tolerada devido a normas sociais ou culturais”.

A iniciativa contou com o apoio de cerca de 70 países em todo o mundo, que se comprometeram a disponibilizar meios para “identificar, localizar e reportar situações de violência contra crianças em todas as suas formas”.

Principais Conclusões

Foram várias as conclusões retiradas daquele que consiste na maior compilação de dados relativos aos vários tipos de violência contra as crianças, até hoje. Entre elas destacam-se as seguintes:

Relativamente à violência sexual os pesquisadores concluíram que, em todo o mundo, cerca de 120 milhões de raparigas com idade inferior a 20 anos (cerca de 1 em cada 10) foram sujeitas a relações sexuais forçadas ou outro tipo de atos sexuais forçados. A prevalência da violência praticada por parceiros é de 70% ou mais na República Democrática do Congo e na Guiné Equatorial.

Sendo que um quinto das vítimas de homicídio, a nível global, são crianças e adolescentes com menos de 20 anos – 95.000 mortes em 2012 – o estudo concluiu que o homicídio está entre as principais causas de morte em indivíduos do sexo masculino com idades entre os 10 aos 19 anos no Panamá, Venezuela, Salvador, Brasil, Colômbia, Guatemala, Trinidad e Tobago. A Nigéria tem o maior número de homicídio infantil (13.000) mas entre os países da Europa Ocidental e da América do Norte, os Estados Unidos têm a taxa de homicídio mais alta.

O Bullying é um dos temas que mais se tem vindo a falar. Quase 1/3 dos estudantes entre os 11 e os 15 anos na Europa e América do Norte relatam ter estado envolvidos em atos de bullying contra outros. Na Letónia e na Roménia, 6 em cada 10 admitem ter sido autores de bullying. No que diz respeito às vítimas, em todo o mundo, 1 em cada 3 estudantes com idades entre os 13 e os 15 anos são regularmente vítimas de bullying. Na Samoa a proporção é de quase 3 em cada 4.

Bater na cabeça, nas orelhas, na cara ou espancar a criança repetidamente são alguns dos castigos físicos severos que cerca de 17% das crianças, em 58 países, são submetidas. Em todo o mundo, 3 em cada 10 adultos acreditam que uma disciplina violenta, ou seja, um castigo físico é necessário para educar corretamente uma criança. Mais de 40% das crianças entre os 2 e os 14 anos de idade são submetidos a castigos corporais severos no Chade, Egito e Iémen.

Como consequência, muitas crianças desenvolvem vários tipos de atitudes em relação à violência. No Afeganistão, Guiné, Jordânia, Mail e Timor-Leste 80% das raparigas adolescentes com idades entre os 15 e os 19 anos pensam que, em determinadas circunstâncias, é justificável um marido bater na mulher. Em 28 dos 60 países com dados sobre ambos os sexos, são mais as raparigas do que rapazes que acreditam que bater na mulher é por vezes justificado. Dados de 30 países sugerem que 7 em cada 10 raparigas dos 15 aos 19 anos que foram vítimas de abuso físico e/ou sexual nunca procuraram ajuda.

 

 

 

Filminhos Infantis à solta pelo país

Setembro 12, 2014 às 5:13 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

filminhos

mais informações:

https://www.facebook.com/ZeroemComportamento

 

Dia do Bem-Estar na Biblioteca Municipal José Saramago – Loures

Setembro 12, 2014 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

diabem

mais informações:

http://www.cm-loures.pt/Conteudo.aspx?Displayid=3095#topo

 

Companheiros de Leitura na Biblioteca Municipal de Arganil – atividade para Pais e Filhos

Setembro 12, 2014 às 2:18 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

arganil

Biblioteca Municipal de Arganil

tel. 235 200 135

bib-arganil@cm-arganil.pt

http://www.bibliotecas.cm-arganil.PT

https://www.facebook.com/pages/Biblioteca-Municipal-de-Arganil/191811354237321?sk=timeline

A história do rapto de Maria Alice – reportagem da RTP1

Setembro 12, 2014 às 1:20 pm | Publicado em O IAC na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

reportagem da RTP de 9 de setembro de 2014.

A reportagem contém dados estatísticos do IAC sobre rapto parental.

ver a reportagem aqui

Luís Filipe Fonseca/ Luís Moreira

O Instituto de Apoio à Criança recebeu no ano passado 60 denúncias de desaparecimento de crianças. Cerca de 40 por cento dessas queixas corresponderam a casos de rapto parental, o que significa que a história de Maria Alice e de Paulo Guiomar é uma entre muitas.

rtp2

Kiko e a Mão – Guia digital de combate à violência sexual contra crianças

Setembro 12, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Campanhas em Defesa dos Direitos da Criança, Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

kiko

descarregar o livro no link:

http://www.underwearrule.org/book_pt.asp

descarregar mais recursos digitais no link:

http://www.underwearrule.org/default_pt.asp

Cerca de uma em cada cinco crianças é vítima de violência sexual ou abuso sexual. Este livro foi produzido pelo Conselho da Europa no âmbito da Campanha «UMA em CINCO» de combate à violência sexual contra crianças.

Ajude a impedir que a sua criança seja uma vítima. Ensine-lhe a Regra “Aqui ninguém toca”.

 

 

Comité sobre os direitos das crianças discute ‎Digital Media‬ e Direitos das Crianças – ver agora a transmissão vídeo em directo

Setembro 12, 2014 às 9:40 am | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

digital

ver a transmissão vídeo em directo http://www.treatybodywebcast.org/

The Committee on the Rights of the Child, the body of independent experts responsible for reviewing progress made by States parties in implementing the Convention on the Rights of the Child, decided to devote its 2014 Day of General Discussion (DGD) to “Digital media and children’s rights”. The discussion will take place on Friday 12 September 2014 during the 67th session of the Committee in Geneva. The Committee is inviting children and teens (under 18 years old) to share their opinions and experiences before the day. Find out more on this website: http://sm.ohchr.org/1veZr6z You can also participate via Twitter using #DGD2014 and/or Facebook during the event by leaving a comment on this page. The event will be broadcast live via http://www.treatybodywebcast.org/ Stay tuned for more information and spread the word!

Livros na Sala de Aula – Um workshop para professores

Setembro 12, 2014 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

red apple

Lisboa: 28 de Setembro

Nas mochilas os alunos carregam estojos, cadernos e, ainda, os manuais escolares. Os livros, para os pequenos alunos, são aqueles conjuntos pesados de folhas, cheios de matérias aborrecidas, que têm de estudar e praticar, durante o ano letivo inteiro.

Assim, os livros – os outros – os amigos, os companheiros de aventuras, os meios de transporte para grandes viagens, os mundos de sonhos e fantasias, onde estão? Que espaço têm nas vidas das nossas crianças? Entre tanta oferta como escolher, quais escolher e quando os escolher? Gostar de ler ensina-se? Motiva-se? Explica-se? Como usar os livros na sala de aula?

Um workshop para professores que querem, definitivamente, levar os livros – os outros – para dentro das salas de aulas e para dentro das vidas e das perspetivas dos pequenos alunos. Um workshop para apresentar o livro a quem, depois, o vai levar mais adiante.

mais informações aqui


Entries e comentários feeds.