Congresso Associação Novo Futuro “Construir Futuros, Recriando Caminhos”

Julho 28, 2014 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

congresso

mais informações:

https://www.facebook.com/139225682803889/photos/a.142478282478629.27752.139225682803889/715664275160024/?type=1&theater

 https://docs.google.com/forms/d/1IlElosY_fGZBrirE2V4yom0Vw_eoIqFEpy9KYZEoU-4/viewform?c=0&w=1

 

 

 

Adolescentes ‘não são capazes’ de poupar

Julho 27, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Sol de 15 de julho de 2014.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Literacia financeira: estudo aplicado aos alunos do 3º Ciclo do Ensino Básico e Secundário

Os alunos do 3.º ciclo e do secundário “não são capazes de gerir as suas finanças, não possuem hábitos de poupança, nem estão familiarizados com a linguagem financeira”, conclui um estudo da Universidade Portucalense (UPT), hoje divulgado.

Em comunicado, a UPT afirma que o estudo, que analisou 136 alunos do 3.º ciclo e do secundário, no ano lectivo de 2012/2013, conclui que “os adolescentes são incapazes de gerir as duas finanças pessoais”.

Eugénia Ribeiro, autora deste estudo, defende que, “para se criar uma educação financeira eficaz, é necessário aproximar os pais da escola, pois são eles que transmitem aos jovens os valores e hábitos de compra que começam em casa, e é preciso que o papel da escola passe por disponibilizar conceitos, como custos, poupança, características de um bom empreendedor, entre outros”.

Para Eugénia Ribeiro, é necessário “investir neste tipo de educação, não só nos currículos escolares mas também nas rotinas familiares”.

O estudo foi realizado através de inquéritos, sendo a amostra constituída por 55% de estudantes raparigas.

Dos 136 alunos inquiridos, 17,6% pertenciam ao 7.º ano de escolaridade, 14,7% ao 8.º ano, 17,6% ao 9.º, 13,2% ao 10.º ano, 19,9% ao 11.º e 16,9% ao 12.º ano.

A autora do estudo entende ainda que os adolescentes têm de ser “formados para as questões económicas e financeiras, de forma a adquirirem uma relação saudável com o dinheiro, competências para poupar e planear as suas despesas, tomar decisões e fazer escolhas financeiras, sem grandes oscilações económicas ao longo das suas vidas”.

“Para que a educação vá em frente”, conclui, “é preciso torná-la obrigatória e a forma mais segura de garantir esse conhecimento seja transmitido é a sua inclusão no currículo escolar”.

Lusa/SOL

 

 

Guia para fugir da praia com os mais pequenos

Julho 26, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas:

Artigo do Diário de Notícias

dn

por Inês Banha

Da animação histórica no Castelo de São Jorge à música para bebés, passando pelo incontornável Jardim Zoológico e o tradicional parque infantil, o DN deixa aqui algumas sugestões para quem quer, por um ou mais dias, trocar a areia pela cidade na companhia dos mais pequenos.

Descobrir a cidade através de pistas

À sexta-feira e ao domingo, a capital transforma-se, pela imaginação da Saltibanco, num palco para famílias de descobridores com mais de oito anos. Amanhã, há um peddy-paper pela história de Lisboa com partida, às 15.00, do Jardim de São Pedro de Alcântara. Já para a semana, há uma caça ao tesouro em Belém, enquanto no último fim de semana do mês há um novo peddy-paper, mas no Jardim da Estrela. Estas duas atividades são às 10.30.

Cinema de animação ao ar livre

O horário não será o mais indicado para crianças pequenas, mas, em época de verão, é de não perder a oportunidade de ver um filme de animação por entre as árvores da Quinta das Conchas, no Lumiar.

Conhecer os animais no Zoo e no Oceanário

É um local incontornável no imaginário infantil de várias gerações. Inaugurado em 1884, o Jardim Zoológico de Lisboa, em Sete Rios, conta com mais de dois mil animais de 360 espécies. Para além de ver os animais, é possível assistir ao espetáculo dos golfinhos, alimentar pelicanos ou andar de teleférico. Ainda assim, para quem preferir as espécies marinhas, o Oceanário, no Parque das Nações, é a melhor opção. Têm entrada paga.

Ouvir música desde a infância

Uma manhã de domingo que estimule as capacidades cognitivas das crianças desde a mais tenra idade é a proposta do Atelier do Paço, na Rua da Padaria, para amanhã. Às 10.00 e às 11.00, pais e filhos até aos três anos são convidados, em duas sessões distintas e por 15 euros por família, a desenvolver as noções de som e movimento, coordenação, ritmo e melodia sob a orientação de Beatriz Nunes (vocalista dos Madredeus) e Íris Godinho.

Sentir o terramoto mais de dois século depois

O momento é marcante, mas aconselha a um abraço de conforto aos mais pequenos: durante alguns minutos, a terra treme numa das salas do Lisboa Story Centre – o museu interativo instalado no Terreiro do Paço, onde, ao longo de uma hora, se contam mais de dois mil anos de história da capital. O espaço funciona das 10.00 às 20.00 e, para famílias com dois adultos e duas crianças até aos 15 anos, há um bilhete global de 24 euros.

Viver a história no Castelo de S. Jorge

A Crise de 1383-1385, contexto histórico da afamada Batalha de Aljubarrota, serve de pano de fundo à recriação, no Castelo de São Jorge, da “Lança” – unidade tática portuguesa em que um cavaleiro é coadjuvado por atiradores e infantes do seu séquito. Os “Domingos em Família” decorrem às 11.00 e custam cinco euros por pessoa. No próximo fim de semana, o tema são as “Festas e Passos de Dança de 1552”. Para maiores de cinco anos.

Um verão para pequenos cientistas

Passeios científicos, observações astronómicas e visitas a obras de engenharia, castelos e faróis são as propostas dos centros Ciência Viva distribuídos por todo o País, incluindo Lisboa e arredores. As atividades podem ser feitas apenas na companhia de um adulto e, apesar de serem totalmente gratuitas, estão sujeitas a inscrição. A programação prolonga-se até 15 de setembro e está disponível em www.cienciaviva.pt/veraocv/2014.

Um parque infantil em cada esquina

Oficialmente, é conhecido por Parque Recreativo do Alto da Serafina, mas serão poucos os que não o conhecerão pelo seu nome mais popular: Parque dos Índios. Localizado em plena Serra de Monsanto, tem 5,6 hectares, recreios infantis para todas as idades e parque de merendas. Ainda assim, para quem prefira um lugar mais acessível, não faltam pela cidade parques de menor dimensão: segundo o site da autarquia, são quase 150.

 

Emissão on-line Sociedade Civil de 14 de Julho de 2014 sobre Residência Alternada

Julho 25, 2014 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

sociedade-civil

Ver o programa aqui

A residência alternada consiste numa divisão rotativa e tendencialmente simétrica dos tempos da criança com os progenitores de forma a possibilitar a produção de um quotidiano familiar e social com o filho durante os períodos em que se encontra com cada um deles.
Constitui uma modalidade singul
ar de coparentalidade e pode caracterizar-se pela possibilidade de cada um dos pais de uma criança ter o filho a residir consigo, alternadamente, segundo um ritmo de tempo que pode ser de um ano escolar, um mês, uma quinzena ou uma semana, uma parte da semana, ou uma repartição organizada dia a dia (divisão rotativa e tendencialmente paritária dos tempos de residência, dos cuidados e da educação da criança) em que, durante esse período de tempo, um dos progenitores exerce, de forma exclusiva os cuidados que integram o exercício das responsabilidades parentais.
No termo desse período, os papéis invertem-se. Enquanto um dos progenitores exerce a guarda durante o período que lhe é reservado nesse contexto, com todos os atributos que lhe são próprios (educação, sustento, etc), para o outro transfere-se o direito de fiscalização e de visitas.
Findo o período estipulado, a criança faz o caminho de volta para a casa do outro progenitor, sendo normalmente regida por normas de concertação, de valorização recíproca e de pacificação voluntária do quotidiano, através de concessões recíprocas que visam adaptar as modalidades de alternância às necessidades da criança.
De 2ª a 6ªfeira, Sociedade Civil traz-lhe gente que se dedica a melhorar a nossa vida, cidadãos com uma larga experiência na resolução de problemas, pessoas de várias organizações mobilizadas para soluções nas mais diversas áreas.

 

Dia dos Avós no Museu da Nazaré

Julho 25, 2014 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

nazare

No âmbito da comemoração do Dia dos Avós, a 26 de julho, os avós que visitarem o Museu Dr. Joaquim Manso com os seus netos terão entrada gratuita.

No sábado 26 de julho, todos os avós têm mais um motivo para passar um dia animado com os netos, vir à Nazaré, conhecer as suas ruas e património, ir à praia e visitar o Museu da Nazaré!

Museu Dr. Joaquim Manso | Direção Regional de Cultura do Centro
Rua D. Fuas Roupinho 2450-065 Sítio | NAZARÉ
telef. 262562801 |
mjmanso@drcc.PT
 Horário de abertura:
terça-feira a domingo, 10h às 19h

http://mdjm-nazare.blogspot.pt/

 

 

Estudo diz que crianças vítimas de abuso podem sofrer processos de vitimação secundária

Julho 25, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Porto Canal de 18 de julho de 2014.

Agência Lusa

Guarda, 18 jul (Lusa) – As crianças vítimas de abuso sexual podem sofrer “processos de vitimação secundária” se as práticas judiciárias “não tiverem em conta as suas características e necessidades específicas”, alerta um estudo sobre a caracterização das vítimas.

O estudo, da autoria de Ana Cristina Sequeira, surge no âmbito de uma tese de mestrado na área da Psicologia do Comportamento Desviante e da Justiça.

A jovem de 23 anos, da Guarda, defendeu, na quarta-feira, na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, a tese de mestrado subordinada ao tema “A audição da criança vítima de abuso sexual no sistema judicial português – as práticas atuais e as modificações necessárias, na perspetiva de magistrados e psicólogos forenses”.

Ana Cristina Sequeira refere que “o abuso sexual de menores é um dos crimes que mais frequentemente conduz as crianças ao contacto com o Sistema de Justiça, contexto no qual a criança poderá sofrer processos de vitimação secundária, se as práticas judiciárias não tiverem em conta as suas características e necessidades específicas”.

A autora do estudo disse hoje à agência Lusa que um dos procedimentos em que “esta vitimação secundária mais tende a acontecer é a inquirição/audição de crianças, em particular, em sede de julgamento”.

No estudo, analisou as práticas judiciais vigentes na inquirição da criança vítima de abuso sexual em Portugal, as suas potencialidades e limitações, “na perspetiva de magistrados e psicólogos forenses” e apercebeu-se do “esforço realizado no sentido de uma atuação mais adaptada e de uma articulação interprofissional mais eficaz”.

“Apesar das limitações ainda observadas nas condutas adotadas na inquirição da criança vítima de abuso sexual, os profissionais estão conscientes da necessidade de reformular os procedimentos (…) com vista à sua proteção”, assinala.

Segundo a autora, o estudo, na sequência de outras investigações anteriores, também permitiu recolher “elementos caracterizadores das práticas judiciais vigentes na inquirição da criança vítima de abuso sexual”, segundo a perspetiva dos dois grupos profissionais entrevistados, magistrados e psicólogos forenses.

“Tendo em conta as especificidades do abuso sexual de crianças, todos os profissionais reconhecem a importância e centralidade do testemunho das crianças vítima”, face à “ausência de provas físicas e/ou biológicas neste tipo de crime”, valorizando ainda “a participação e testemunho da criança durante o processo judicial”, indica.

No futuro, Ana Cristina Sequeira, gostaria de “alargar quantitativamente e geograficamente a amostra, para caracterizar outras realidades judiciais e, acima de tudo, de poder aceder também à perspetiva dos juízes, aqueles que, na prática, orientam os procedimentos e tomam as decisões judiciais finais”.

A autora entende que “seria relevante também aceder às perspetivas dos advogados e, se possível, às perspetivas das próprias crianças vítimas, envolvidas nestes processos”.

ASR // SSS

Lusa/fim

 

IAC recebe interlocutores do ISS – Unidade de Apoio a Programas para acompanhamento aos Projectos PIEF

Julho 25, 2014 às 12:01 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

No âmbito do Programa PAOPIEF – ano letivo 2013-2014, o IAC, enquanto entidade beneficiária de financiamento, recebeu os interlocutores do ISS – Unidade de Apoio a Programas, para realizar a visita de acompanhamento aos Projectos PIEF.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

La educación sexual de la primera infancia : guía para madres, padres y profesorado de educación infantil

Julho 25, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

edu

descarregar o documento aqui

Esta guía pretende promover una educación basada en la igualdad y la no discriminación por razones de sexo, para evitar que las futuras generaciones reproduzcan esquemas de comportamiento violento.

 

Brinquedo desejado pode não ser adequado

Julho 25, 2014 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Artigo do Jornal da Madeira de 11 de julho de 2014.

clicar na imagem

jornal-mdeira

4 cursos do Sistema de Aprendizagem (equivalência ao 12.º ano + certificação profissional- Nível IV) Fundação da Juventude

Julho 24, 2014 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

cursos

mais informações:

http://www.fjuventude.pt/pt/menu/67/sistema-de-aprendizagem.aspx#inscricoes

 

« Página anteriorPágina seguinte »


Entries e comentários feeds.