Simpósio Mil Razões “Violência e o ciclo de vida”

Outubro 25, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

viol

vioprog

Mais informações Aqui

Portugal – Alimentação Saudável em números – 2013

Outubro 25, 2013 às 1:30 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

dgs

Descarregar o documento Aqui

O documento contém dados sobre crianças e adolescentes:

2.3. Hábitos alimentares em crianças até aos 36 meses na região Norte pág. 17

2.4. Hábitos alimentares em adolescentes pág. 21

Quase 20% das crianças com 18 meses consomem refrigerantes diariamente

Outubro 25, 2013 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do i de 24 de Outubro de 2013.

Por Agência Lusa

No que se refere à distribuição geográfica, as regiões autónomas são as que apresentam prevalências de obesidade maiores no 1.º ciclo

Quase 20% das crianças com um ano e meio da região Norte de Portugal consomem diariamente refrigerantes e 10% comem sobremesas doces também numa base diária, segundo dados de um estudo revelados hoje em Lisboa.

De acordo com o Estudo do Padrão Alimentar e de Crescimento na Infância, que avaliou hábitos das crianças até aos 36 meses, o consumo de sobremesas e doces nos meninos de 18 meses é semanal para 41% das famílias do Norte e diário para 10%.

Quanto aos refrigerantes sem gás, são 18,5% as famílias que dizem que os seus filhos com um ano e meio os bebem diariamente, enquanto 27,4% indicam que o consumo é semanal. Em 12% das famílias, as crianças com 18 meses nunca consumiram estas bebidas.

Pedro Graça, coordenador do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, explicou aos jornalistas que este estudo foi realizado em todo o país, com uma amostra representativa da realidade nacional, mas os resultados globais só serão conhecidos dia 01 de novembro.

Dos números já disponibilizados, relativos à região Norte, a conclusão nas crianças em idade mais jovem é a de que “o bom e o mau na alimentação” surgem muito associados.

A par do elevado consumo de refrigerantes e doces em idades precoces, regista-se uma “prática muito positiva” de consumo generalizado de sopa e fruta a partir dos seis meses de idade.

Assim, mais de 90% das crianças começaram a comer sopa e fruta diariamente a partir dos seis meses, refere o estudo.

Na apresentação do relatório “Alimentação Saudável em Números” , feita hoje pela Direção-Geral da Saúde, foram ainda incluídos dados de outro estudo que analisou hábitos alimentares em adolescentes entre os 6.º e o 10.º ano de escolaridade.

Concluiu-se que “quando [os jovens] começam a ficar mais independentes, há uma redução de práticas alimentares que os protegiam”, como se vê na redução do pequeno-almoço, refeição considerada essencial para os nutricionistas.

No 6.ºano eram 3,7% os jovens que nunca tomavam o pequeno-almoço, número que no 10.º ano subiu para os quase nove por cento.

Em relação às crianças do primeiro ciclo, o documento da DGS aponta para uma “aparente estabilização” do número de meninos com obesidade e excesso de peso.

De 2008 para 2010, passou-se de uma percentagem de 15,3% para 14,6% de obesos e de uma taxa de 37,9% para 35,6% de excesso de peso em crianças dos seis aos nove anos.

“Os números elevados são preocupantes, mas com uma aparente estabilização neste grupo etário, talvez fruto do trabalho que se realizou nesta área”, concluiu Pedro Graça, coordenador do Programa Nacional.

No que se refere à distribuição geográfica, as regiões autónomas são as que apresentam prevalências de obesidade maiores no 1.º ciclo, com valores de 22% nos Açores e de 16% na Madeira.

Na situação oposta surge o Algarve, que apresenta os mais baixos indicadores do país, com apenas 8,7% de obesidade e 10,7% de excesso de peso.

Pedro Graça apresenta como possível justificação para o sucesso no Algarve a “estratégia consolidada de combate à obesidade” que tem sido seguida na região nos últimos 20 anos.

Segundo o documento, a obesidade afeta cerca de um milhão de adultos em Portugal.

Tal como acontece noutros países, são os grupos socialmente mais vulneráveis que parecem estar mais expostos a situações de risco nutricional, o que leva os especialistas a acreditarem que são necessários materiais de comunicação e educação para grupos com menores níveis de literacia.

“O impacto crescente que as pessoas obesas começam a ter nos serviços de saúde, mesmo sub-reportados, demonstra a necessidade de se atuar cada vez mais cedo”, indica a DGS.

Outra conclusão do relatório é a de que há uma maior necessidade de apoio alimentar e nutricional por parte dos serviços de saúde à população mais idosa.

*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico

Manual de Aleitamento Materno

Outubro 25, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

manual

Descarregar o manual Aqui

1. Aleitamento Materno em Portugal

Em Portugal não existem estatísticas sobre a incidência e a prevalência do aleitamento materno. Os estudos efectuados no nosso país sugerem que a evolução do aleitamento materno se processou de maneira semelhante à de outros países europeus. A industrialização, a II Grande Guerra Mundial, a massificação do trabalho feminino, os movimentos feministas, a perda da família alargada, a indiferença ou ignorância dos profissionais de saúde e a publicidade agressiva das indústrias produtoras de substitutos do leite materno tiveram como consequência uma baixa da incidência e da prevalência do aleitamento materno. Foram as mulheres com maior escolaridade que mais precocemente deixaram de amamentar os seus filhos, sendo rapidamente imitadas pelas mulheres com menor escolaridade. Este fenómeno alastrou aos países em desenvolvimento, com consequências gravíssimas em termos de aumento da mortalidade infantil. A partir dos anos 70, verificou-se um retorno gradual à prática do aleitamento materno, sobretudo nas mulheres mais informadas. Alguns estudos portugueses apontam para uma alta incidência do aleitamento materno, significando que mais de 90% das mães portuguesas iniciam o aleitamento materno; no entanto, esses mesmos estudos mostram que quase metade das mães desistem de dar de mamar durante o primeiro mês de vida do bebé, sugerindo que a maior parte das mães não conseguem cumprir o seu projecto de dar de mamar, desistindo muito precocemente da amamentação. Por todas estas razões, é essencial que em Portugal se continuem a implementar medidas que promovam um maior sucesso do aleitamento materno.

Workshop Estratégias para promover o Desenvolvimento Infantil

Outubro 25, 2013 às 8:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

work

Realiza-se no dia 30 de outubro, no âmbito da iniciativa “Conversas em Rede”, o segundo workshop intitulado “Estratégias para promover o Desenvolvimento Infantil”. O evento vai decorrer entre as 10h00 e as 12h00, no Auditório do Hospital Beatriz Ângelo. O presente workshop vai ser dinamizado pela Dra. Mónica Pinto, Coordenadora da Unidade de Neurodesenvolvimento no Departamento de Pediatria do Hospital Beatriz Ângelo e tem como público-alvo técnicos da área da infância e  todos os interessados pela temática. As “Conversas em Rede” têm como principal objetivo dinamizar a articulação entre os vários parceiros da Rede Social do Concelho de Odivelas, fomentar a partilha de conhecimentos e experiências entre as várias entidades com intervenção social no Concelho e divulgar à comunidade e a todos os interessados, conhecimentos sobre temáticas específicas.

As inscrições podem ser feitas para a Rede Social de Odivelas, através do seguinte endereço  rede.social@cm-odivelas.pt  ou através dos telefones 219320321/965910321.

Bica Teatro – Formação “Contos Contigo”

Outubro 25, 2013 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

bica

1 de novembro das 10h00 às 13h00

Biblioteca Municipal Maria Lamas – Sala Polivalente

O atelier tem como focos principais, as dinâmicas de grupo, a voz, a expressão corporal e gestualidade do contador de histórias, assim como as difíceis tarefas de escutar, imaginar e cativar. Procurar promover – entre professores e alunos – a capacidade de escuta, o gosto pela leitura, a melhoria do trabalho de equipa, estimular a imaginação e a expressão corporal

 Duração: 3h

Público-alvo: Professores, educadores, mediadores da leitura, público em geral

Lotação máxima: 20 formandos

Inscrição gratuita sujeita a marcação prévia: Catarina Reis

biblactividades@cma.m-almada.pt

211 934 020

Câmara Municipal de Almada. Rede Municipal de Bibliotecas de Almada. Bica Teatro

Inscrição gratuita sujeita a marcação prévia

Biblioteca Municipal Maria Lamas
Rua do Moinho ao Raposo, Caparica
Tel:21 193 40 20
Email:bibl.mun.alm@cma.m-almada.pt
Sítio: http://www.m-almada.pt/bibliotecas


Entries e comentários feeds.