Ministra do Iémen quer proibir casamentos antes dos 18 anos

Outubro 9, 2013 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 19 de Setembro de 2013.

Notícia da morte de uma menina de oito anos reacendeu polémica num país onde 15% das jovens são forçadas a casar-se antes dos 15 anos.

A pressão internacional exercida após a notícia da morte de uma criança de oito anos na noite do seu casamento forçado com um homem de 40, no Iémen, levou a ministra para os Direitos Humanos, Huriya Mashhoor, a pedir ao Parlamento que proíba os casamentos antes dos 18 anos de idade.

A criança, identificada apenas como Rawan, foi forçada a casar-se na semana passada com um homem de 40 anos na localidade de Meedi, na província de Hajjah. Segundo a activista Arwa Othman, Rawan morreu na noite do casamento: “Após terem relações sexuais, ela sofreu uma hemorragia e uma ruptura uterina, que lhe causaram a morte. Foi levada para uma clínica, mas os médicos não conseguiram salvar-lhe a vida”, disse Othman.

Uma semana depois, a ministra Huriya Mashhoor vem renovar os apelos ao fim dos casamentos com jovens menores de 18 anos – a organização Human Rights Watch estima que mais de 50% das jovens iemenitas são obrigadas a casar-se antes dos 18 anos de idade e 15% antes dos 15 anos. Na maioria dos casos, são jovens provenientes de famílias pobres, obrigadas a casarem-se pelos seus pais em troca de um dote.

“Estamos a pedir que seja estabelecida a idade mínima de 18 anos para o casamento, já que o Iémen é signatário das convenções internacionais dos direitos humanos”, disse a ministra à agência AFP.

O gabinete do primeiro-ministro, Mohammed Salem Basindwa, disse que o caso de Rawan está a ser investigado. “O Governo está a lidar com este caso com seriedade. Vai investigá-lo e os responsáveis vão ser levados perante a justiça”, disse Rajeh Badi, porta-voz do primeiro-ministro.

Apesar da promessa do Governo, as autoridades locais mostraram na terça-feira fotografias de uma criança que dizem ser Rawan, para desmentirem a notícia da sua morte.

Os apelos ao estabelecimento de uma idade mínima para o casamento no Iémen não são novos. Em 2008, as autoridades locais manifestaram a intenção de alterar a lei na sequência da dissolução de um casamento de uma criança, também de oito anos, com um homem de 30 anos.

Vídeo da Human Rights Watch sobre casamentos de crianças no Iémen (em inglês)

 

Desafios SeguraNet 2013/14

Outubro 9, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

net

Texto do site seguranet.pt de 16 de Setembro de 2013.

A sétima edição dos  Desafios SeguraNet 2013/ 2014 terá início no dia 1 de outubro de 2013. Esta atividade prolongar-se-á até ao dia 31 de maio de 2014.

Os Desafios SeguraNet dirigem-se a todos os ciclos do Ensino Básico e ao Ensino Secundário.

No caso dos 2º. e 3º. Ciclos do Ensino Básico e Secundário, para participar nos Desafios SeguraNet, cada escola deverá aceder aos Formulários de Registo de Escola:

Equipas de Alunos e professores: Um desafio por mês. O professor deverá registar as equipas de alunos. Saiba mais.

Equipas de Encarregados de Educação: Desafios trimestrais. Os pais/encarregados de educação devem contactar a Direção da  escola dos filhos para lhes ser facultada a participação. Saiba mais.

A  participação nos Desafios dirigidos ao 1.º Ciclo do Ensino Básico está aberta às turmas de todas as escolas. São três os desafios propostos ao longo do ano. (Formulário de Registo de equipas/turma 1ºciclo. Saiba mais).

O segredo para as crianças aprenderem melhor está na sesta

Outubro 9, 2013 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 25 de Setembro de 2013.

Manuel Roberto

Crianças de três a cinco anos que dormem uma hora após o almoço têm mais facilidade em assimilar a nova informação, diz estudo dos Estados Unidos.

Apenas uma hora de sesta após o almoço pode ser o suficiente para facilitar a aprendizagem das crianças, melhorando a capacidade de o cérebro reter a informação, indica um novo estudo.

O trabalho conduzido por investigadores norte-americanos da University of Massachusetts Amherst em 40 crianças com idades entre os três e os cinco anos, citado pela BBC, permitiu concluir que aquelas que faziam uma sesta após a refeição conseguiam memorizar e reproduzir melhor as actividades desenvolvidas no pré-escolar em pelo menos mais 10%.

De acordo com as conclusões, que integram agora o Proceedings of the National Academy of Sciences, os benefícios da sesta sentem-se não apenas nessa mesma tarde como ainda na manhã do dia seguinte, tanto em termos de consolidação de memória como de aprendizagem precoce. Os exercícios que implicam noção visual do espaço foram daqueles em que se notou maior diferença entre as crianças que dormiam ou não a sesta.

Os investigadores, para perceberem concretamente a diferença entre fazer ou não a sesta, monitorizaram a actividade cerebral de 14 crianças em laboratório e viram que houve um aumento da actividade cerebral nas regiões relacionadas com a aprendizagem e a assimilação de nova informação.

Para o pediatra Robert Scott-Jupp, um dos autores do estudo, as conclusões são especialmente importantes numa altura em que alguns jardins-de-infância se dividem sobre até que idade devem manter o hábito da sesta. Mas lembra que manter uma boa qualidade de sono durante a noite é igualmente importante.

 

Europa: 18 milhões de crianças sofrem maus-tratos

Outubro 9, 2013 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do site Fátima Missionária de 17 de Setembro de 2013.

LUSA

LUSA

Texto Francisco Pedro

Todos os anos morrem mais de 800 menores de 15 anos na Europa, devido aos maus-tratos, revelou a Organização Mundial de Saúde (OMS), adiantando que mais de 18 milhões de jovens são vítimas de agressões.

«Chegou o momento de reconhecer o maltrato infantil como um problema de saúde pública e não apenas como um problema de justiça penal ou social». Este foi o apelo lançado pela diretora regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Zsuzsanna Jakab, na apresentação do relatório sobre a prevenção dos maus tratos infantis, um estudo que revelou a existência no espaço europeu de mais de 18 milhões de menores, vítimas de abusos.

Segundo o documento, anualmente, os maus-tratos são responsáveis pela morte de mais de 800 jovens com menos de 15 anos. Cerca de 29 por cento das crianças sofrem de violência emocional, 22 por cento estão sujeitas a agressões físicas e 13 por cento das raparigas são vítimas de abusos sexuais.

Como a violência infantil não tem só um impacto devastador na vida dos menores, mas também tem custos sociais e económicos, que ascendem a dezenas de milhares de milhões de euros, a OMS está a preparar uma série de medidas para reforçar a prevenção. «O abuso de menores pode prevenir-se através de uma abordagem integrada do ponto de vista da saúde pública. Nos próximos meses prepararemos um pacote de medidas que poderão ser utilizadas pelos países e estaremos prontos para os ajudar a implementá-las», anunciou Jakab.

O relatório refere que os pais solteiros, com poucos recursos, com um nível de escolaridade baixo e que vivem em comunidades desfavorecidas são mais propensos a maltratar os filhos. E aponta o consumo de drogas e álcool como um dos fatores que mais potencia o stress parental e a violência doméstica. Para os responsáveis da OMS, a prevenção é mais rentável do que fazer frente às consequências dos maus-tratos.


Entries e comentários feeds.