Estudo sugere que as redes sociais espalham mais a raiva

Outubro 5, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do p3.publico.pt de 17 de setembro de 2013.

Cientistas analisaram mensagens numa rede social chinesa semelhante ao Twitter e com mais de 500 milhões de utilizadores

Texto de João Pedro Pereira

O sentimento de raiva tende a espalhar-se mais entre os utilizadores de redes sociais do que outros sentimentos, segundo um estudo de investigadores da Universidade Beihang, em Pequim.

O grupo de cientistas analisou cerca de 70 milhões de mensagens publicadas em 2010 por 200 mil utilizadores na rede social Weibo, uma plataforma semelhante ao Twitter e com mais de 500 milhões de utilizadores registados (o Twitter tem cerca de 200 milhões de utilizadores activos).

Os investigadores elaboraram uma rede de relações entre os utilizadores do Weibo com base no número de interacções que estes estabeleciam entre si (por exemplo, através da republicação de uma mensagem ou da menção do nome de outro utilizador). Aqueles que atingiam um valor mínimo de interacções eram considerados como estando relacionados.

Depois disso, o estudo analisou as mensagens publicadas e classificou-as como expressando um de quatro sentimentos: raiva, alegria, nojo ou tristeza. Cada utilizador foi catalogado num destes sentimentos de acordo com aquele que expressava mais frequentemente.

A equipa de quatro cientistas, Rui Fan, Jichang Zhao, Yan Chen e Ke Xu, descobriu que os utilizadores mais próximos na rede de interacções tendem a manifestar predominantemente o mesmo tipo de sentimento. E a raiva é aquele que é mais vezes partilhado entre utilizadores que têm uma relação entre eles, seguindo-se a alegria e, em níveis muito mais baixos, a tristeza e o nojo.  “Comparada com outros sentimentos, a raiva tem uma maior correlação positiva, o que indica a sua propagação rápida e vasta”, escrevem os autores do estudo, publicado este mês.

Na amostra de mensagens analisadas, os investigadores notaram também que o sentimento de raiva surge associado a dois tipos de eventos: questões internas da sociedade chinesa, como a falta de comida ou os subornos no Governo, e questões relacionadas com a diplomacia e conflitos daquele país com o estrangeiro. Dado que a raiva tende a espalhar-se mais rapidamente, o estudo conjectura que este sentimento “desempenha um papel não desprezível na propagação em massa de notícias negativas”.

 


Entries e comentários feeds.