Todos os livros no Tablet

Outubro 1, 2013 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Reportagem da Exame Informática 219 Setembro de 2013.

Clicar na imagem

exame

Exigências materiais dos filhos: “Não, não compro!… Está bem, leva…”

Outubro 1, 2013 às 2:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Artigo de opinião de Sofia Nunes Silva publicado no Público de 26 de setembro de 2013.

É sexta-feira, Tânia vai buscar Mafalda (5 anos e 6 meses) à escola e vão as duas ao supermercado fazer as compras do mês lá para casa, como já vem sendo habitual.

Tânia: Então, querida correu bem o dia?
Mafalda: Sim! Vamos ao supermercado? Vais comprar aquelas gambas para comermos com a massa preta?
Tânia: Meu Deus, Mafalda! Tens tudo programado! Sim, querida. É o que fazemos sempre, não é?
Mafalda: Mãe, podemos ir ver se já chegaram mais bonecos da nova colecção dos Little Pet Shop?
Tânia: Podemos, mas sabes que mesmo que já tenham chegado…
Mafalda: O quê?
Tânia: Hoje não vamos trazer nenhum. É só de 15 em 15 dias, como combinámos.
Mafalda: Oh, mãe vá lá… Só hoje! Prometo!
Tânia: Querida, então? O combinado não era que a mãe te comprava um de 15 em 15 dias? E se pudesse? A semana passada comprámos um agora é só na próxima semana. Ok?
Mafalda: Sim…
Já no supermercado:
Tânia: Vá querida, vai pondo as cenouras aqui para o saco enquanto a mãe escolhe os tomates.
Mafalda: São quantas?
Tânia: Dez.
Mafalda: Já está! Podemos ir agora ver se há?
Tânia: Vamos! Mas já sabes não é?
Mafalda: Já chegaram! Não é tão querida a joaninha, mãe?
Tânia: É, querida. É um amor! É esse que queres levar para a semana?
Mafalda: Por favor, mãe. Só hoje!
Tânia: Mafalda, já falámos sobre isto.
Mafalda: Oh mãe, mas a mãe da Constança compra-lhe sempre um todas as semanas! Porque é que eu não posso?
Tânia: Porque a mãe e o pai não têm dinheiro para te dar um boneco todas as semanas e porque eu não acho que seja um bom hábito, e porque tenho a certeza que não é por isso que a Constança é mais feliz!
Mafalda: Mas pelo menos tem uma colecção maior que a minha! E vai acabar mais rápido!
Tânia: Tu também vais fazer a colecção toda. Só que mais devagarinho. Até acho que assim brincas mais com cada boneco.
Mesmo ao lado Tânia e Mafalda assistem a uma discussão entre uma mãe e um filho, de aproximadamente três anos de idade:
Mãe: António, já te disse que não vale apena pedires mais carros! Ainda ontem te comprei um!
António: Então quero um lego!
Mãe: Já te disse que não te compro mais nada!
António atira-se para o chão a chorar e a espernear enquanto grita:
António: Tu não gostas de mim! Eu quero! Ninguém gosta de mim!
Mãe: Pára com isso António! Está toda a gente a olhar para ti! Estou tão cansada!
A partir daqui, António ainda chorava e gritava mais alto captando todas as atenções. A mãe permanecia imóvel ao comportamento do filho e com um ar esgotado.
Mãe: … Está bem, leva…
António, levanta-se rapidamente e vai buscar o lego que queria. Com um leve sorriso na cara.
António: Obrigada, mãe! És a melhor mãe do mundo!
Tânia e Mafalda ficaram paradas, caladas e também imóveis enquanto António e a mãe se afastavam.
Tânia sentiu pena daquela mãe, que parecia muito cansada e sem capacidade para conseguir dizer que não ao filho que reagiu com descontrolo e chantagem emocional face à “ameaça” da mãe perante a sua ausência de tolerância à frustração.

Para os pais a questão da gestão dos pedidos dos filhos é um constante desafio! Sobretudo, nas últimas décadas em que a nossa sociedade passou a assumir o lema do consumo criando necessidades reais ou não para pais e filhos. A facilidade de acesso ao crédito fácil mergulha muitas famílias numa ilusão de que se pode ter tudo, levando-as a adoptarem estilos de vida e de consumo muito superiores às suas reais capacidades e necessidades.

Os pais devem gerir os pedidos dos filhos com muita contenção. Actualmente, vivem-se tempos de crise onde temos visto famílias que de um momento para o outro perdem os seus empregos. Outras, veem os seus rendimentos diminuídos ou sentem uma clara quebra no seu poder de compra. Este é um tempo difícil para todos. Por isso, é errado transmitir às crianças que é possível comprar tudo. Porque isso é uma ilusão.

É uma ilusão que depois elas transpõem para os outros planos da vida, além do consumismo. Como nas próprias relações com os outros, onde o “ter” passa a ter uma importância superior ao “ser”. Que sentido tem para os nossos filhos crescerem habituados a utilizar bens materiais como intermediários ou como forma de afirmação na relação com os outros? Esta é uma questão fundamental que nos devemos colocar. Pelo menos temos a garantia que não terão tantas oportunidades de desenvolver as suas próprias capacidades de empatia e de afirmação social perante o grupo, e que mais tarde ou mais cedo sofrerão estas consequências.

É importante que as crianças cresçam com a noção da realidade e das dificuldades. Uma criança que acha que pode ter sempre tudo o que quer cresce sem limites e com um sentido de omnipotência. E quando não tem limites também desenvolve sentimentos de insegurança noutras situações, como aquelas que o dinheiro não compra. Cresce sem resistência à frustração.

A negação de alguns pedidos por parte dos pais além de permitir à criança confrontar-se com a realidade pode constituir boas oportunidades para aprender a lidar com a sua frustração. Como já dissemos anteriormente esta é uma importante função parental. Dar oportunidades para experimentar e vivenciar sentimentos de frustração vai ajudá-la a sentir-se mais segura e confiante para lidar com outros momentos de frustração que a vida inevitavelmente proporciona.

Há muitas famílias que sentem que quanto maior número de presentes ou pedidos satisfizerem às crianças melhor e mais forte se tornam as suas relações. Isto está longe de ser verdade, além de que constitui um enorme perigo no desenvolvimento das relações familiares.

 É fundamental entendermos que mais do que termos a garantia de que os nossos filhos podem ter tudo importa que os ajudemos a crescer com um sentido da realidade, da partilha, da solidariedade nas relações o que passa essencialmente pela construção do ser, onde o ter não deverá assumir qualquer primazia. Este é mais um dos grandes desafios da parentalidade!

Mas como as crianças fazem essencialmente aquilo que vêem fazer mais do que o que ouvem dizer, os pais devem eles próprios reflectir sobre a forma como gerem os seus desejos e vontade de consumo.

As crianças têm que aprender a dar valor às coisas que têm e recebem. Não ceder no imediato aos pedidos permite-lhes desenvolver a capacidade para aguardar receber determinado presente, esforçarem-se para ter determinada coisa, que o seu bom comportamento pode representar maior valorização por parte dos pais sem que tenha que implicar receber algo.

Os pais podem sentir que já dedicam pouco tempo aos filhos no dia-a-dia e que todo o tempo que lhes resta é para passarem em ambiente de calma e tranquilidade cedendo aos muitos pedidos que lhes fazem e evitarem assim momentos que possam ameaçar todo este clima que desejam manter. No entanto, como já dissemos saber dizer não faz parte de uma educação que se quer equilibrada e responsável. Além de ser um grande acto de amor por todas as boas consequências que se reflectirão ao longo do crescimento dos filhos!

Sofia Nunes Silva é psicóloga clínica e terapeuta familiar. A autora escreve segundo o Acordo Ortográfico.

 

Reading for pleasure puts children ahead in the classroom, study finds

Outubro 1, 2013 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do Institute of Education da University of London de 11 de setembro de 2013.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Sullivan, A. and Brown, M. (2013) Social inequalities in cognitive scores at age 16: The role of reading. CLS Working Paper 2013/10. London: Centre for Longitudinal Studies.

leading

Children who read for pleasure are likely to do significantly better at school than their peers, according to new research from the Institute of Education (IOE).

The IOE study, which is believed to be the first to examine the effect of reading for pleasure on cognitive development over time, found that children who read for pleasure made more progress in maths, vocabulary and spelling between the ages of 10 and 16 than those who rarely read.

The research was conducted by Dr Alice Sullivan and Matt Brown, who analysed the reading behaviour of approximately 6,000 young people being followed by the 1970 British Cohort Study, which is funded by the Economic and Social Research Council. They looked at how often the teenagers read during childhood and their test results in maths, vocabulary and spelling at ages 5, 10 and 16.

The researchers, who are based in the IOE’s Centre for Longitudinal Studies, compared children from the same social backgrounds who had achieved the same test scores as each other both at ages 5 and 10. They discovered that those who read books often at age 10 and more than once a week at age 16 gained higher results in all three tests at age 16 than those who read less regularly.

Perhaps surprisingly, reading for pleasure was found to be more important for children’s cognitive development between ages 10 and 16 than their parents’ level of education. The combined effect on children’s progress of reading books often, going to the library regularly and reading newspapers at 16 was four times greater than the advantage children gained from having a parent with a degree.

Children who were read to regularly by their parents at age 5 performed better in all three tests at age 16 than those who were not helped in this way.

Dr Sullivan notes that reading for pleasure had the strongest effect on children’s vocabulary development, but the impact on spelling and maths was still significant. “It may seem surprising that reading for pleasure would help to improve children’s maths scores,” she said. “But it is likely that strong reading ability will enable children to absorb and understand new information and affect their attainment in all subjects.”

The study also found that having older siblings had a negative effect on children’s test scores in all three subject areas but particularly for vocabulary. Having younger siblings had less effect on test performance but was linked to lower vocabulary scores. The researchers suggest this may be because children in larger families spend less time in one-to-one conversations with their parents and therefore have less opportunity to develop their vocabularies.

Dr Sullivan says this study underlines the importance of encouraging children to read – even in the digital age. “There are concerns that young people’s reading for pleasure has declined. There could be various reasons for this, including more time spent in organised activities, more homework, and of course more time spent online,” she said.

“However, new technologies, such as e-readers, can offer easy access to books and newspapers and it is important that government policies support and encourage children’s reading, particularly in their teenage years.”

Dr Sullivan also emphasises that improving adult literacy could be important for children’s cognitive development. “Children of parents who had reading problems performed significantly less well in all three tests than children of parents who reported no reading problems,” she said. “Given the prevalence of adult illiteracy in Britain, with functional illiteracy estimated at 15 per cent, policies to increase adult literacy rates could significantly improve children’s learning outcomes.”

“Many of the young people included in this study are now parents themselves, and their literacy levels and enjoyment of reading will in turn influence their children’s educational attainment.”

‘Social inequalities in cognitive scores at age 16: The role of reading’, by Alice Sullivan and Matt Brown, is the latest paper to be published in the CLS Working Paper Series. Further information from:

Claire Battye
020 7612 6516
c.battye@ioe.ac.uk

Meghan Rainsberry
020 7612 6530
m.rainsberry@ioe.ac.uk

Notes for editors:

1. The 1970 British Cohort Study (BCS70) is following the lives of more than 17,000 people born in England, Scotland and Wales in a single week of 1970. Since the birth survey in 1970, there have been eight further surveys of all cohort members at ages 5, 10, 16, 26, 30, 34, 38 and 42. The age 46 survey is due to take place in 2016. Over the course of cohort members’ lives, BCS70 has collected information on health, physical, educational and social development, and economic circumstances, among other factors.

2. BCS70 is managed by the Centre for Longitudinal Studies (CLS), which is based at the Department of Quantitative Social Science, Institute of Education. CLS is responsible for running two of Britain’s other major birth cohort studies: the 1958 National Child Development Study and the Millennium Cohort Study. Further information available at www.cls.ioe.ac.uk

3. The Institute of Education is a college of the University of London that specialises in education and related areas of social science and professional practice. In the most recent Research Assessment Exercise two-thirds of the Institute’s research activity was judged to be internationally significant and over a third was judged to be “world leading”. The Institute was recognised by Ofsted in 2010 for its “high quality” initial teacher training programmes that inspire its students “to want to be outstanding teachers”. The IOE is a member of the 1994 Group, which brings together 12 internationally renowned, research-intensive universities. More at www.ioe.ac.uk

4. The Economic and Social Research Council (ESRC) is the UK’s largest organisation for funding research on economic and social issues. It supports independent, high quality research which has an impact on business, the public sector and the third sector. The ESRC’s total budget for 2012-13 was £205 million. At any one time the ESRC supports over 4,000 researchers and postgraduate students in academic institutions and independent research institutes. More at www.esrc.ac.uk

 

Alunos de duas turmas da escola de Cuba recebem manuais em formato digital

Outubro 1, 2013 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia da SIC Notícias de 13 de setembro de 2013.

tablets

Ver a reportagem Aqui

Os alunos de duas turmas de sétimo ano da escola de Cuba, no Alentejo, vão receber na segunda-feira tablets com os manuais escolares. O projeto-piloto engloba 44 alunos que vão receber gratuitamente equipamentos e conteúdos.

 

 

 

 

 

 

Pais põem filhos em perigo na internet

Outubro 1, 2013 às 10:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Sol de 27 de Setembro de 2013.

sol

Pais põem filhos em perigo na internet

 

Brincar. Os filhos querem, mas os pais não têm tempo

Outubro 1, 2013 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Artigo do i de 14 de setembro de 2013.

O relatório mencionado na notícia é o seguinte:

Play Report : International Summary of Research Results

Press Release Ikea

António Pedro Santos

António Pedro Santos

Por Diogo Pombo

É em Portugal que pais de crianças até aos 12 anos são mais superprotectores e sem tempo para brincar com os filhos

O filho vê os pais como a melhor fonte de entretenimento e brincadeira. Esse continua a ser o reflexo visto a partir dos 73% de crianças portuguesas entre os sete e os 12 anos que, na hora de escolher, preferiam brincar com os pais a estar sentados diante da televisão. Os especialistas em psicologia infantil não costumam poupar nas palavras para enaltecer a importância dos pais quando o momento é reservado à brincadeira, mas os números em Portugal não ajudam: 61% dos pais portugueses que participaram no relatório “Play Report” admitiram “não ter tempo suficiente para brincar com os filhos”. É a percentagem mais elevada entre os 25 países analisados pelo estudo.

Os pais portugueses são superprotectores, temem muito pela segurança dos filhos e reconhecem não ter tempo suficiente para brincar com eles. Estes seriam os três traços marcantes do retrato dos pais em Portugal caso as cores fossem restritas às categorias em que o país acabou a liderar no relatório.

As percentagens não enganam: 78% dos pais estão “muito preocupados” com a segurança dos filhos, reconhecendo ser “superprotectores”, apesar de 73% confessarem que “gostariam” de ver os filhos brincar mais vezes ao ar livre. Do lado das crianças, 87% das inquiridas entre os sete e os 12 anos até revelaram sentir que os seus progenitores se “preocupavam em demasia” com elas. No total, quase 8 mil pais e 3116 crianças, espalhados por 25 países, responderam ao inquérito online que serviu de base ao estudo. Realizado entre Outubro e Novembro de 2009, mas só agora divulgado, o estudo não revelou porém o número total de participantes portugueses.

Talvez por aí se justifique a surpresa de Maria de Jesus Candeias ao saber que, “numa semana típica”, os pais em Portugal afirmaram brincar, em média, 14,7 horas com os seus filhos. “Acho mesmo muito, os pais não conseguem isso. Na prática, a percepção que tenho é que para se aproximarem desse número de horas os pais têm de ser excepcionais”, argumentou esta psicoterapeuta infantil ao i.

Tempo para brincar A média apontada pelo estudo, prosseguiu a especialista, significaria que os pais “passam mais de uma hora por dia” a brincar com os filhos, duração que “infelizmente não corresponde à realidade”. Quanto à tal superprotecção, a psicoterapeuta condena os pais que “se preocupam muito mas não estão ao pé dos filhos” e que resumem antes as horas de convívio apontadas pelos progenitores não a brincar, mas a “rotinas domésticas”, como dar-lhes banho, o jantar ou pô-los na cama.

Para confrontar os números, o i sondou dois casais e uma mãe portugueses com filhos até aos 12 anos de idade. E um dos casos até se enquadrou na média do estudo. “Antes da idade escolar passava duas horas por dia com eles. Tentava ir passear, jogar à bola ou estar no jardim”, contou Madalena Pina. Casada e com três filhos, cingiu-se aos casos de Francisco e Matilde, hoje com dez e 11 anos e já com grande parte dos seus dias preenchidos na escola. “Agora acompanho-os todos os dias às actividades, o que me ocupa três horas por dia”, assegurou, sublinhando o facto de “ser mãe a tempo inteiro” para justificar “todo o tempo” que “felizmente” tem “para brincar com os filhos”.

No caso de Lara Franco, o tempo dedicado a Bernardo, de cinco anos, “é suficiente” pois abdica “de um trabalho mais estável e bem pago” para o conseguir. Depois do jantar, o hábito manda “sempre” que haja “uma sessão de cócegas” e brincadeira. E “caso não tenha trabalho para fazer, todo o tempo do mundo lhe é dedicado”, garante a mãe solteira, entre idas a museus, passeios, brinquedos, tintas e fotografias. Em tudo Lara tenta “puxar pela imaginação” do filho e aí “brincar é uma parte fundamental”. Um raciocínio similar à definição de brincar mais votada pelos pais que participaram no relatório internacional – “Brincar é estimular a imaginação do meu filho”.

Rita e Gonçalo Belo Mendes contabilizaram ambos em dez horas o tempo médio que por semana gastam a brincar ora com Manuel ora com a Mafalda, os dois filhos. Tal como Madalena Pina, o casal concordou que a imaginação é o principal impulso vindo do acto de brincar. “É apenas um dos aspectos que tento fomentar, além da partilha, da superação, da disciplina e do gosto por ajudar os outros”, diz Gonçalo Mendes. Ser “atencioso com os outros” foi o segundo factor que mais pais (46%) revelaram aspirar para os seus filhos – atrás da “felicidade”, com 72%, e à frente do “sucesso financeiro”, que registou 45%.

O melhor barómetro para medir o tempo dedicado pelos pais à brincadeira está nos próprios filhos. E nas suas queixas. “De todas as vezes que o meu filho me pediu atenção foi mais por capricho do que outra coisa qualquer”, contou Lara Franco, “descansada” quanto ao tempo que dedica ao filho. Já Gonçalo Mendes não classificou as queixas que recebe “exactamente como um desabafo”, mas antes como resultado de “quando se cansam de brincar sozinhos e pedem” para os pais se juntarem. Duas em cada cinco crianças que participaram no inquérito “gostariam” que os pais passassem mais tempo” a brincar com elas e, quanto a isto, Madalena Pina defendeu que “as crianças hoje em dia são muito exigentes e requerem muita atenção”.


Entries e comentários feeds.