Geração XXI é um dos maiores estudos longitudinais da Europa com crianças

Julho 19, 2013 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do site da rcmpharma de 8 de Julho de 2013.

O projecto Geração XXI, que acompanha o desenvolvimento de 8.647 crianças desde a sua gestação, foi recentemente identificado por um artigo científico internacional como um dos maiores estudos longitudinais na Europa a estudar o desenvolvimento pré e pós-natal, avança a agência Lusa.

O artigo “Pregnancy and Birth Cohort Resources in Europe”, publicado na revista Paediatric and Perinatal Epidemiology, identificou 56 estudos deste tipo a funcionar em 19 países da Europa, o que representa uma população em estudo de mais de 500 milhões de crianças. Neste estudo, a Geração XXI é identificada como o maior estudo longitudinal a desenvolver nos países do sul da Europa (Portugal, Espanha, Itália e Grécia).

A Geração XXI é o primeiro e único estudo deste tipo a ser realizado em Portugal ao acompanhar 8.647 crianças nascidas em cinco hospitais públicos na área do Grande Porto – Hospital Geral de Santo António, Maternidade Júlio Dinis, Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, Unidade Local de Saúde de Matosinhos – Hospital Pedro Hispano.

Os investigadores pretendem caracterizar o desenvolvimento pré e pós-natal, estudando indicadores de saúde materna e infantil (por exemplo, quantas mulheres fumam durante a gravidez, quantas amamentam os seus filhos e até que idade ou quantas crianças têm peso a mais) e também estudar a relação entre características dos pais e do desenvolvimento perinatal e parâmetros antropométricos (medidas das diversas partes do corpo) e biológicos das crianças, nos seus primeiros anos de vida.

A Geração XXI serve de base a um vasto leque de trabalhos de investigação científica, em áreas como a saúde perinatal, obesidade e saúde metabólica, estilos de vida, saúde cardiovascular, saúde musculoesquelética, entre outras.

Das avaliações da Geração XXI saíram já quatro teses de doutoramento e 13 teses de mestrado (encontrando-se mais nove teses de doutoramento em curso), 13 artigos científicos publicados em revistas internacionais e mais de 30 participações em congressos internacionais e nacionais.

Coordenador do projecto científico Geração XXI apela ao apoio do mecenato

O presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e coordenador do projecto Geração XXI, um estudo científico pioneiro em Portugal que acompanha mais de 8.000 crianças desde a gestação, apelou esta segunda-feira ao apoio do mecenato português.

Apesar do financiamento comunitário e da Fundação Gulbenkian, os responsáveis pelo projecto têm despesas adicionais que sentem ter a obrigação de cumprir, como por exemplo oferecer os pequenos-almoços às cerca de 8.500 crianças que se deslocam ao instituto para fazer análises clínicas.

“Estas crianças vão em jejum para fazer as suas análises, obviamente, nós temos a obrigação de lhes dar o pequeno-almoço. Era muito importante que houvesse mecenato, porque para muitas empresas é irrelevante fornecer oito mil pequenos-almoços e para nós é uma imensidão de dinheiro”, salientou Henrique Barros, em declarações à Lusa.

Apesar de ser o primeiro estudo deste tipo alguma vez realizado em Portugal, que envolve milhares de crianças nascidas nos hospitais públicos com maternidade, da grande área metropolitana do Porto (S. João, Santo António, Pedro Hispano, Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia e Maternidade Júlio Dinis), entre Abril de 2005 e Agosto de 2006, a sua importância científica “ainda é pouco percebida a nível nacional”, lamenta o coordenador principal do projecto.

“Noutros países onde a tradição da investigação científica na área da saúde populacional, da saúde comunitária e da saúde pública é mais enraizada, os próprios mecenas entendem-se no apoio a dar. Entre nós, praticamente, não há mecenas, portanto, temos de ultrapassar todos os obstáculos e inventar soluções”, disse Henrique Barros.

Mas, ressalvou, “obviamente, não queremos que o projecto pare e, seguramente, iremos conseguir que se mantenha, assim como iremos conseguir manter vivo o interesse das mais de oito mil crianças e respectivas famílias”.

“Trata-se de um projecto internacionalmente reconhecido e que é uma fonte extraordinária de informação para os decisores” porque “tudo fica documentado no preciso momento em que acontece.

É como uma câmara que vai acompanhando o percurso deste conjunto de crianças”.

As avaliações do projecto Geração XXI, actual e futuras, “poderão ser encaradas como linhas de monitorização do estado de saúde e dos seus determinantes nas crianças portuguesas e, desta forma, ter um importante papel no planeamento de estratégias de intervenção sanitária, funcionando mesmo como observatório de saúde” sustentou.

Vinte pessoas trabalham continuamente na avaliação das mais de oito mil crianças e a equipa inclui médicos, psicólogos, nutricionistas, sociólogos, farmacêuticos, fisioterapeutas e assistentes sociais, entre outros.

A Geração XXI serve de base a um vasto leque de trabalhos de investigação científica, em áreas como a saúde perinatal, obesidade e saúde metabólica, estilos de vida, saúde cardiovascular, saúde musculoesquelética, entre outras.

Das avaliações da Geração XXI saíram já quatro teses de doutoramento e 13 teses de mestrado (encontrando-se mais nove teses de doutoramento em curso), 13 artigos científicos publicados em revistas internacionais e mais de 30 participações em congressos internacionais e nacionais.

Recentemente, o projecto foi identificado por um artigo científico internacional como um dos maiores estudos longitudinais na Europa a analisar o desenvolvimento pré-natal e pós-natal.

 

Escolas podem não ter sinalizado todos os alunos com carência alimentar

Julho 19, 2013 às 3:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Jornal de Notícias de 19 de Julho de 2013.

O ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, admitiu que as escolas possam não ter tido este ano letivo a capacidade de identificar todos os alunos com necessidades alimentares, mas garantiu que, dos identificados, nenhum ficou sem apoio.

No final de uma conferência de imprensa para apresentar o balanço do primeiro ano de aplicação, nas escolas, do Programa Escolar de Reforço Alimentar (PERA), o ministro Nuno Crato admitiu também que, com maior vigilância, outros casos de necessidades alimentares entre os alunos podem ser detetados, garantindo apoio para todos.

“Não estou a prever maiores dificuldades para o próximo ano letivo, mas sabemos que há dificuldades que ainda não estão satisfeitas. Portanto, a maior colaboração de todos será essencial para alargar o programa a mais pontos do país. Nós esperamos que as escolas detetem essas necessidades e que haja sempre empresas que possam colaborar”, afirmou Nuno Crato.

O ministro sublinhou que “há uma ligação muito direta” entre uma má alimentação e os maus resultados escolares, referindo que um aluno mal alimentado é um aluno que “não está na posse de todas as suas faculdades”, nomeadamente a capacidade de concentração.

De acordo com os números apresentados pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC), 79% dos alunos apoiados este ano letivo pelo PERA transitaram de ano, 50% dos alunos melhoraram o seu aproveitamento escolar e 42% tiveram melhorias ao nível do comportamento na sala de aula.

O programa que abrange o território continental de Portugal, que vai ter continuidade no próximo ano letivo, envolve parcerias entre o Ministério e diversas empresas de produção e distribuição alimentar, assim como empresas de transporte.

No ano letivo de 2012-2013 foram apoiados pelo PERA 10186 alunos de 387 agrupamentos e escolas.

O programa foi criado para colmatar situações de emergência de crianças que chegam à escola sem tomar o pequeno-almoço.

Faltam psicólogos para acompanhar crianças

Julho 19, 2013 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 17 de Julho de 2013.

Clicar na imagem

dn

Tertúlia Os Tempos Livres são sempre livres?

Julho 19, 2013 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

O Fórum sobre os Direitos das Crianças e dos Jovens tem o prazer de o/a convidar para a Tertúlia “ Os Tempos Livres são sempre livres?”, evento de um ciclo de Tertúlias com a tema “Infância (s) e Pobreza (s): a situação da criança em Portugal”, a decorrer no próximo dia 24 de julho às 18h00 no Teatro Rápido sito na R. Serpa Pinto. 14 – Lisboa.

Esta tertúlia conta com a presença de Ana Marta Levy Aires – Fundação Maria Ulrich, Nuno Lobo Antunes, PIN-progresso infantil, Paulo Quaresma, Junta de Freguesia de Carnide , Vanessa Pereira, psicóloga e Fernanda Freitas enquanto moderadora.

Tendo em conta o número limitado de lugares, solicita-se confirmação para forumdireitoscriancas@gmail.com

teertulia

Desenho infantil – Formação Contínua

Julho 19, 2013 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

ispa

Perspectiva desenvolvimentista

Destinatários 

Educadores de infância, professores, psicólogos e agentes educativos

Finalistas do mestrado integrado de Psicologia, dos 2ºs ciclos de Psicologia e finalistas das outras áreas Perspectiva desenvolvimentista

Objectivos 

Identificar, definir e descrever as principais fases e características do desenvolvimento do desenho infantil

Apresentar alguns dos aspectos cognitivos, psicomotores e afectivo-emocionais do desenho infantil

Descrever e explicitar a natureza e as principais tipologias do desenho infantil

Identificar as principais perspectivas de análise e avaliação do desenho infantil.

Programa 

Desenvolvimento do desenho infantil – Uma perspectiva histórica.

Modelos teóricos e etapas de desenvolvimento do desenho infantil  

Os primeiros grafismos/garatujas – Desenho infantil como a continuidade do gesto. Distinção entre desenho e escrita

Desenho infantil – Expressividade e representatividade. Intencionalidade. Esquemas figurativos e operativos. Contextos educacionais

Psicologia do desenho infantil e suas componentes – Cognitiva. Psicomotora. Afectivo-emocional. Estética

Tipologia do desenho infantil – Principais elementos e temáticas. O uso da cor no desenho infantil.

Metodologias 

Exposição teórico-prática de conteúdos. Apresentação, análise e discussão de casos. Dinâmicas de grupo

Duração 

20 horas

Calendarização

Sexta, Setembro 20, 2013 – 19:30 – 22:30

Sábado, Setembro 21, 2013 – 09:30 – 12:30

Sexta, Setembro 27, 2013 – 19:30 – 22:30

Sábado, Setembro 28, 2013 – 09:30 – 12:30

Sexta, Outubro 4, 2013 – 19:30 – 22:30

Sexta, Outubro 11, 2013 – 19:30 – 22:30

Sábado, Outubro 12, 2013 – 09:30 – 13:30

Mais informações Aqui


Entries e comentários feeds.