Cortar cordão umbilical favorece envolvimento emocional do pai

Março 29, 2013 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do Correio do Minho de 19 de Março de 2013.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Fathers’ emotional involvement with the neonate: impact of the umbilical cord cutting experience

A participação no parto, procedendo ao corte do cordão umbilical, pode favorecer o envolvimento emocional do pai com o bebé, conclui um estudo da Escola de Psicologia da Universidade do Minho.
O trabalho, que contou com uma amostra de 105 pais portugueses, acaba de ser publicado no ‘Journal of Advanced Nursing’, de Inglaterra.
A investigação pretendeu estudar o envolvimento emocional do pai com o bebé, antes e depois do parto, e perceber o impacto da experiência de corte do cordão umbilical na relação de ambos.
Os resultados mostram que o envolvimento emocional tende a aumentar durante a gravidez e na sequência imediata do parto, começando a diminuir logo no primeiro mês após o nascimento.
Os pais que participaram no parto e cortaram o cordão umbilical dos respectivos filhos exibiram uma melhoria significativa no envolvimento emocional, entre o parto e os primeiros 30 dias de vida.

As conclusões indicam que a presença do progenitor neste processo e nos cuidados iniciais pode beneficiar o seu envolvimento com o recém-nascido”, afirmam Sónia Brandão e Bárbara Figueiredo, investigadoras da Unidade de Investigação Aplicada em Psicoterapia e Psicopatologia da UMinho.

“A participação do pai durante o trabalho de parto e nos cuidados iniciais pode beneficiar a confiança e o desempenho do papel paterno e, por conseguinte, melhorar a sua relação com o bebé. Isso não significa que esta prática deva ser imposta ou seja sempre favorável”, diz Bárbara Figueiredo, notando que este tema tem sido pouco estudado.

Duas centenas de artigos

Doutorada em Psicologia Clínica pela UMinho, Bárbara Figueiredo é professora na instituição há vários anos, tendo coordenado projectos financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, pela Fundação Calouste Gulbenkian e pela Fundação Bial. É responsável pelo grupo Family: Studies and Intervention do Centro de Investigação em Psicologia e membro do Serviço de Psicologia da Universidade do Minho.
Tem mais de duas centenas de publicações a nível nacional e internacional, dedicando-se particularmente à investigação e intervenção no domínio da gravidez e parentalidade.

Planeta Tangerina eleita a melhor editora europeia de livros para a infância

Março 29, 2013 às 2:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Público de 27 de Março de 2013.

pé de pai

Lusa

A editora portuguesa ganhou um prémio recém-criado pela Feira do Livro Infantil de Bolonha.

A editora portuguesa Planeta Tangerina foi eleita a melhor da Europa na literatura para a infância e juventude, recebendo um prémio atribuído na Feira do Livro Infantil de Bolonha, em Itália, foi anunciado terça-feira à noite.

Para assinalar 50 anos de existência, a organização da feira decidiu criar um prémio para as melhores e mais inovadoras editoras de livros para os mais novos, nos diferentes continentes do mundo. Na Europa, a Planeta Tangerina foi eleita a melhor, numa categoria na qual estavam também nomeadas a editora francesa Editions Thierry Magnier, a checa Baobab, a italiana Edizioni EL e a alemã Beltz & Geldberg.

Em declarações à agência Lusa, a escritora Isabel Minhós Martins, uma das fundadoras da editora e autora de grande parte das histórias publicadas, não escondeu o contentamento pela conquista do prémio, por significar um reconhecimento dos outros editores presentes na feira.

Com este prémio não monetário – intitulado BOP – foram ainda distinguidas editoras da América do Norte, América Central e do Sul, África, Ásia e Oceania.

De acordo com a organização, o prémio pretende homenagear as editoras que “estão na linha da frente da inovação na literatura para a infância” e que se destacaram pelas escolhas editoriais ao longo do ano anterior à feira.

A feira de Bolonha é considerada o mais importante espaço internacional de divulgação e negócio na área do livro infantil e juvenil e a equipa da Planeta Tangerina, que inclui Isabel Minhós Martins e os ilustradores Bernardo Carvalho, Yara Kono e Madalena Matoso, tem marcado presença todos os anos.

Para o reconhecimento de hoje poderá ter contribuído também o facto de Portugal ter sido em 2012 o país convidado da feira, dando mais visibilidade externa ao mercado nacional.

Este ano a editora portuguesa conquistou ainda uma menção especial nos prémios editoriais da feira com o livro A Ilha, de João Gomes de Abreu e Yara Kono, na categoria de primeira obra.

A Planeta Tangerina tem mais de dez anos e o projecto editorial foca-se sobretudo no álbum para crianças, mas cuja leitura pode ser partilhada com os adultos.

Na página oficial na Internet a editora apresenta-se assim: “Temos como leitores não apenas as crianças, mas todos os pais e adultos que gostam de álbuns ilustrados e da sua forma única de contar histórias”.

Com o catálogo já traduzido, por exemplo, para inglês, francês, italiano e coreano, este ano levaram para a feira alguns títulos novos em carteira, como Tantos Animais e outras Lengalengas de Contar, de Manuela Costa Neves e Yara Kono, e Irmão Lobo, de Carla Maia de Almeida e António Jorge Gonçalves.

A editora esteve também nomeada, pela segunda vez consecutiva, para o prémio sueco Astrid Lindgren Memorial Award (ALMA), no valor de 500 mil euros, que foi atribuído à ilustradora e escritora argentina Marisol Misenta (Isol, como assina os seus livros).

 

 

Seminário – Dislexia : Teoria e Intervenção Método Fonomímico Paula Teles®

Março 29, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

dislexia

Mais informações Aqui

FESTin 2013 + Mostra Infantojuvenil

Março 29, 2013 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

festin

Chegada a 4ª edição, o FESTin organiza a sua primeira mostra infantil dirigida a grupos escolares do 1º e 2º ciclo do ensino básico (6-12 anos). Ciente da importância de crianças e jovens se familiarizarem desde cedo com cinema independente, falado em língua portuguesa, pretende-se propiciar ao público mais jovem o acesso a um conjunto de filmes com forte componente pedagógica. Nesta sessão, o FESTin apresenta uma sessão de curtas-metragens na qual serão exibidos pequenos filmes cujas temáticas abordam desde a sensibilização ambiental a temas inerentes ao universo da infância como a descoberta do amor, a amizade e o medo da perda.


Entries e comentários feeds.