Speaking Freely : Children and young people in Europe take action on ending violence against children in custody

Março 19, 2013 às 8:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

speaking

Descarregar o campaingn report Aqui

spekingresearch

Descarregar o research report Aqui

The released report “Speaking freely. Children and young people in Europe talk about ending violence against children in custody” presents the views of over 120 children and young people across Europe on violence in custody and their suggestions for reform. It sets out the findings of research conducted by young investigators in Austria, Cyprus, England, the Netherlands and Romania and includes recommendations for ending violence in custody addressed to governments, governors of custodial settings, prison officers, police forces, and judges.

The Reseach report brings together the findings from field research conducted in Austria, Cyprus, England, the Netherlands and Romania and desk-based research into international and European law and policy concerning violence against children in custody led by the International Juvenile Justice Observatory (Belgium).

Mais de 80 mil filhos, a maioria com idade superior a 25 anos, vivem só com o pai

Março 19, 2013 às 6:06 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 19 de Março de 2013.

O Estudo mencionado na notícia é o seguinte:

O Perfil do Pai Que Vive com os Filhos

Rita da Nova

Famílias em que os filhos moram só com o pai cresceram cerca de 33% em dez anos. Muitos destes pais têm mais de 60 anos.

Mais de 80 mil filhos vivem só com o pai, indicam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelados a propósito do Dia do Pai, que se celebra esta terça-feira.

As famílias em que os filhos moram apenas com o pai são, em geral, agregados familiares de uma faixa etária mais velha, em comparação com famílias “convencionais”. Os filhos que moram só com o pai têm, na sua maioria, mais de 25 anos e a idade média destes pais é de 56,6 anos.

A maior parte dos pais tem entre 40 e 59 anos e quase 39% têm 60 ou mais anos. A maioria dos pais em núcleo monoparental são viúvos ou divorciados.

“Esta estrutura etária traduz duas realidades distintas: por um lado a dos homens que ficam com os filhos após um divórcio, separação ou viuvez e, por outro, a de pais mais idosos, em que os filhos retornam a casa e/ou passam a cuidar dos pais”, indica o Instituto Nacional de Estatística no relatório divulgado.

O estudo foi feito com base nos Censos de 2011 e indica, também, que mais de dois terços dos pais em núcleo monoparental têm apenas um filho a seu cargo. Cerca de 20% destes pais moravam com dois filhos e a quantidade de núcleos monoparentais de pai com três ou mais filhos é inexpressiva.

Quase metade dos pais em família monoparental estava empregada aquando do levantamento dos Censos.

As famílias monoparentais em que é o pai a morar com os filhos cresceram 33,2% nos últimos dez anos. Em 2011, mais de 64 mil pais viviam sozinhos com os filhos. Apesar do crescimento verificado, os núcleos monoparentais de pai representam apenas 13,3% do total das famílias em que os filhos moram apenas com um dos progenitores.

Contudo, os dados do INE indicam que mais de 90% dos pais vivem em núcleos familiares convencionais, isto é, famílias em que pai e mãe estão juntos (por casamento ou união de facto) e moram apenas com os filhos comuns.

Contudo, há uma grande disparidade no tipo de união dos cônjuges destas famílias ditas “convencionais”: 83,7% são casados, enquanto apenas 8,8% vivem em união de facto.

Mais de metade dos filhos que moram com a mãe e com o pai têm menos de 15 anos. Em contrapartida, quase 18% dos filhos a viver neste tipo de famílias têm 25 ou mais anos.

Os teus, os meus e os nossos
O relatório do Instituto Nacional de Estatística refere ainda os “casais reconstituídos”, isto é, núcleos familiares em que o casal tem “um ou mais filhos naturais ou adoptados, sendo pelo menos um deles filho apenas de um dos membros do casal”.

Quase 60 mil pais portugueses estão incluídos neste tipo de famílias. Todavia, os núcleos familiares com filhos anteriores só do homem representam apenas 14,5% do total de famílias a viver nesta realidade. Dos mais de 105 mil casais reconstituídos que existiam em 2011 em Portugal, apenas 15.377 tinham filhos só do pai.

“A pequena proporção de núcleos familiares com filhos anteriores só do homem, tendo em conta o número de núcleos familiares com filhos anteriores apenas da mulher, evidencia o papel do homem enquanto padrasto nos casais reconstituídos”, sublinha o relatório do INE.

De acordo com O Perfil do Pai Que Vive com os Filhos, em 2011 havia em Portugal mais de um milhão e 600 mil pais, com idade média de 47,1 anos.

 

O IAC-CEDI dinamiza sessões sobre o Bullying e Cyberbullying em escolas do distrito de Lisboa

Março 19, 2013 às 2:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

O Centro de Estudos, Documentação e Informação sobre a Criança (CEDI) do Instituto de Apoio à Criança, promoveu em janeiro e fevereiro de 2013, três palestras em três escolas do distrito de Lisboa (Escola Secundária com 3º CEB de Ferreira Dias – Cacém, Agrupamento de Escolas Carlos Gargaté e Agrupamento de Escolas Mestre Domingos Saraiva ) sobre o Bullying. Os palestrantes convidados pelo IAC -CEDI foram a Drª Nazaré Barros – autora do livro “ a Violência nas Escolas : Bullying: Reflexões sobre Indisciplina, Violência e Bullying Escolar” e o Dr. Luís Fernandes – autor do livro “ Plano Bullying: Como apagar o Bullying da Escola”

O IAC-CEDI pretendeu com esta iniciativa alertar e sensibilizar a comunidade escolar para o fenómeno da violência escolar entre pares sob a forma de bullying e cyberbullying.

O IAC-CEDI, através do empréstimo interbibliotecas, disponibilizou para as bibliotecas escolares das escolas acima referidas, 35 monografias sobre bullying e cyberbullying de um total de 81 monografias que o Centro de Documentação do IAC possui sobre esta temática.

CARTAZ DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ

APRESENTAÇÂO POR DR. LUÍS FERNANDES NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MESTRE DOMINGOS SARAIVA

APRESENTAÇÃO POR DRA. NAZARÉ BARROS NA ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO DE FERREIRA DIAS

TEXTO DA MARIANA

TEXTO DO RUI

charneca ferreira dias2 luis

Mais de dez mil alunos abandonam a escola sem o ensino obrigatório completo

Março 19, 2013 às 2:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Público de 13 de Março de 2013.

enric vives rubio

Rita da Nova

Taxa de abandono escolar caiu de 12,6% para 1,7% num prazo de 20 anos, indica estudo de ex-ministro da Educação David Justino.

O abandono escolar em Portugal está actualmente nos 1,7%, indica um estudo apresentado nesta quarta-feira por David Justino, ex-ministro da Educação e investigador da Universidade Nova de Lisboa, durante a 3.ª Conferência da EPIS – Empresários pela Inclusão Social.

“Isto corresponde a um grupo de 11.500 miúdos e, embora sejam números residuais, não devem ser esquecidos”, salientou David Justino na apresentação do Atlas do Abandono e do Insucesso Escolar em Portugal, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O estudo, centrado nas crianças dos dez aos 15 anos que deixaram a escola sem o 3.º ciclo do ensino básico completo, incluindo os que nunca o frequentaram, faz uma análise comparativa dos números do abandono escolar em Portugal entre 1991 e 2011, quando a escolaridade obrigatória ia até ao 9.º ano (agora está no 12.º). Há 20 anos, essa taxa cifrava-se em 12,6%, tendo caído entretanto para os já referidos 1,7%.

“Houve uma redução quantitativa e uma alteração na natureza do abandono”, explicou. Em 1991, “o grande pólo geográfico ligado ao abandono” estava localizado no Litoral Norte do país. Com base nos censos de 2011 foi possível verificar que “houve uma deslocação para os distritos do interior”. Ainda não foram estudados os motivos que levaram a este deslocamento, mas David Justino avançou que este não será “independente da rota de circulação de algumas minorias étnicas, que se fixaram no interior do país”.

Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras estão entre os municípios com maior redução da taxa de abandono escolar no período abrangido pelo estudo.

O estudo aborda também o abandono escolar nos jovens entre os 18 e os 24 anos que saíram da escola sem o secundário completo, incluindo os que nunca o frequentaram, cuja taxa caiu de 63,7%, em 1991, para 27,1%, em 2011.

O mesmo estudo sublinha que, em 20 anos, a escolarização média aumentou de 4,6 anos, em 1991, para 7,4 anos, em 2011. Ainda assim, há dois anos, 25 concelhos, incluindo Pampilhosa da Serra (4,58), Penamacor (4,75) e Idanha-a-Nova (4,77), ficavam abaixo da média. Em contrapartida, Oeiras (10,00), Lisboa (9,59) e Cascais (9,50) situavam-se acima da média de escolarização.

A investigação tem como meta “cartografar a educação num atlas, com publicação já no próximo ano”, anunciou David Justino, que foi o titular da pasta da Educação entre 2002 e 2004, no Governo de Durão Barroso, e é agora também consultor da Casa Civil da Presidência da República para os Assuntos Sociais. Esse trabalho está a ser desenvolvido pelo Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova e pela EPIS. “O próximo passo é o de tipificar os contextos sociais de insucesso e abandono escolar, perceber a realidade de cada concelho para perceber como actuar”, concluiu.

“Este mapa é muito útil para sabermos onde podemos actuar, mas não nos diz o que fazermos quando lá chegarmos”, diz, por seu lado, Daniel Rijo, da Universidade de Coimbra. O professor e psicólogo apresentou, também durante conferência da EPIS, um ensaio onde salientou a importância de abordar o assunto do abandono escolar “com base em factores de risco centrados no aluno”.

 

 

Workshop Bullying: Práticas de Intervenção

Março 19, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

bullying

Mais informações Aqui

Jornadas Lúdico – Pedagógicas Aprender Brincando : O Lúdico como Instrumento de Aprendizagem

Março 19, 2013 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

ludico

Mais informações Aqui ou Aqui


Entries e comentários feeds.