Conferência sobre Educação Especial – 21 de Março 2012 – Assembleia da República

Março 8, 2012 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Inscrições até 16 de Março

Mais informações Aqui 

AJUDE-NOS A AJUDAR!

Março 8, 2012 às 4:45 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

1º Curso Breve de Pós-Graduação «A Proteção de Menores Vítimas de Crime Sexual», pelo Centro de Direito de Família

Março 8, 2012 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Mais informações Aqui ou Aqui

País gasta 46 mil euros por aluno dos 6 aos 15 anos

Março 8, 2012 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Jornal de Notícias de 16 de Fevereiro de 2012.

Portugal gasta cerca de 46 mil euros com a educação de um aluno dos seis aos 15 anos de idade, segundo um relatório da OCDE divulgado, esta quinta-feira, com dados do PISA de 2009, programa internacional de avaliação de alunos.

No topo da tabela de investimento está o Luxemburgo, com quase 123.200 euros, no entanto, com um nível de aproveitamento inferior na aprendizagem de Matemática e Ciência.

Portugal atinge quase 500 pontos na tabela de literacia, enquanto o Luxemburgo se fica pelos 475 pontos.

Os melhores resultados escolares são obtidos por Xangai-China – acima dos 550 pontos – e um investimento pouco superior a 40 mil euros no percurso escolar em análise.

O relatório diz que a riqueza nacional ou maiores investimentos em educação não garantem uma melhor prestação.

“Entre as economias desenvolvidas, o montante gasto em educação é menos importante do que a forma como esses recursos são usados”, lê-se no texto.

Os autores exemplificam que países que gastam mais de 100 mil dólares por estudante dos seis aos 15 anos, como o Luxemburgo, a Noruega, a Suíça e os Estados Unidos da América, demonstram níveis de desempenho similares a países que gastam menos de metade desse montante por estudante, como a Estónia, a Hungria e a Polónia.

A principal conclusão é que o dinheiro por si só “não pode comprar um bom sistema de educação”.

Os sistemas escolares de sucesso nestas economias, tendem a privilegiar a qualidade dos professores sobre o tamanho das turmas.

“Ao nível dos países, o PISA descobriu que o tamanho das turmas não está relacionado com os sistemas escolares mais bem posicionados”, dizem os relatores.

Os sistemas com melhores prestações no PISA “acreditam que todos os estudantes podem alcançar” resultados e dão-lhes a oportunidade para lá chegar, destaca-se no documento.

O relatório diz ainda que, de um modo geral, os países com um bom comportamento no PISA atraem os melhores alunos para a profissão docente, oferecendo-lhes bons salários e reconhecimento profissional.

Os países que investem em salários mais elevados para os professores tendem a ter classes maiores.


Entries e comentários feeds.