Período precoce aumenta risco de obesidade

Dezembro 10, 2011 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do site da Universidade do Minho de 30 de Novembro de 2011.

Vários especialistas apontam para uma eventual relação entre a obesidade e o timing da primeira menstruação. Será a obesidade que acelera a aparição do período ou a menstruação precoce que predispõe para a obesidade? Eis a questão… Raquel Leitão, doutorada do Instituto de Educação da Universidade do Minho, mostra na sua tese que o período precoce constitui um fator de risco para o desenvolvimento de obesidade durante a adolescência.

Contudo, a investigação não desmente a hipótese que responsabiliza a obesidade pela antecipação da chegada da menstruação, que acontece cada vez mais cedo.  
 
A obesidade da infância para a adolescência: um estudo longitudinal em meio escolar” revelou que a incidência de obesidade no grupo de raparigas que teve a menarca em idade precoce (inferior aos 12 anos) foi de 24,1 por cento, resultado superior ao das adolescentes que tiveram a primeira menstruação numa idade dita “normal” (entre os 12 e 13 anos) e tardia (superior a 13 anos). Por outro lado, a investigação mostra que “as jovens com menarca precoce já tinham, desde os 7 anos, níveis de gordura corporal superiores às restantes”, explica. Os resultados reforçam, de facto, a relação entre a idade da primeira menstruação e a gordura corporal, mas não explicam se a obesidade é causa ou consequência da maturação sexual precoce, refere Raquel Leitão.

A idade média da ocorrência da menarca na amostra constituída por 109 raparigas, nascidas em 1991, foi de 12,2 anos, valor semelhante à generalidade dos países mediterrânicos. Estes são dados “preocupantes”, pois revelam que a tendência de adiantamento da maturação sexual nas adolescentes parece persistir. Em Portugal, a média da idade da menarca diminuiu de 15 anos nas raparigas nascidas em 1880 para 12,4 anos na década de 80 do século XX.

Raquel Leitão não deixa de reforçar os riscos da obesidade e do período precoce sobre a saúde. “Tendo em conta que a obesidade na adolescência tende a persistir para a idade adulta e que existem riscos de saúde associados de forma independente à obesidade, adiposidade centralizada e menarca precoce, poder-se-ão prever consequências adversas para a saúde destes participantes”, reforça a doutorada, que é nutricionista e docente na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC). “Estas são evidências claras do quão urgente é necessário prevenir desde cedo a deposição excessiva de gordura corporal durante a fase de crescimento”, acrescenta.

Rapazes combatem mais facilmente a obesidade

A investigação teve ainda como objetivo conhecer as trajetórias de adiposidade apresentadas pelas crianças de ambos os sexos durante o período de 6 anos avaliado (dos 9 para os 15 anos de idade). Visou ainda identificar hábitos alimentares, padrões de atividade física e características psicossociais que distingam os adolescentes com diferentes trajetórias de adiposidade. “O que se pretendia era identificar as crianças que desenvolveram obesidade, as que mantiveram esta patologia e ainda as que a reverteram”, explica Raquel Leitão. Os resultados apontam para o facto de os rapazes terem mais facilidade em reverter a obesidade. As raparigas mostraram maior vulnerabilidade ao desenvolvimento da patologia e uma grande dificuldade em voltar a um peso normal.


Entries e comentários feeds.