Cerca de 30% das crianças portuguesas têm excesso de peso, 10% são obesas

Novembro 7, 2011 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do i de 17 de Outubro de 2011.

Por Helena Nunes,

No Dia Mundial da Alimentação os especialistas alertam: Esta geração de crianças pode viver menos que os pais e com menor qualidade.

Entre nutricionistas e dietistas não há dúvidas: os hábitos alimentares dos portugueses continuam a não ser os melhores, nem os mais correctos. Reflexo disso são os dados avançados pelo caderno “Saúde & Boa Mesa” que classificam Portugal como um dos países com maior taxa de obesidade infantil da Europa: cerca de 30% das crianças portuguesas têm peso a mais e 10% são obesas. Isto significa que mais de duas em cada dez crianças entre os três e os seis anos tem excesso de peso.
A propósito do Dia Mundial da Alimentação, que se comemorou ontem com o tema principal a focar os “Preços da Alimentação – da Crise à Estabilidade”, os especialistas alertam que a obesidade é uma ameaça à longevidade humana. Alexandra Ribeiro, dietista da Nestlé há 13 anos, explica as consequências que os comportamentos alimentares de risco dos mais novos podem ter num futuro próximo: “Isto pode querer dizer que esta geração de crianças pode viver menos que os seus pais. Por causa de coisas simples e comportamentos imaturos podem perder anos e qualidade de vida”.
Ao que tudo indica não são apenas as crianças com comportamentos alimentares de risco: aproximadamente 50% da população portuguesa, entre os 18 e os 65 anos, tem excesso de peso. Para a nutricionista Ana Leonor Perdigão esta é uma situação grave e para a qual é necessário chamar a atenção das pessoas. “É preocupante que a taxa de obesidade da população portuguesa tenha vindo a crescer nos últimos anos. Por isso, e enquanto especialistas nesta área, devemos partilhar um pouco daquilo que sabemos e consciencializar as pessoas para este problema”.
Quanto aos hábitos alimentares dos mais novos, Ana Perdigão aponta várias causas que explicam estes números. “Quando a ingestão de alimentos como hambúrgueres e batatas fritas é o padrão de alimentação de muitas crianças, isso tem consequências negativas. Não se reflecte apenas no aumento do peso e gordura corporal, mas também numa maior probabilidade de vir a ter diabetes, colesterol e problemas cardiovasculares”.

As escolas De acordo com um estudo apresentado em 2010 na Conferência Internacional sobre Obesidade, cerca de 96% das crianças que frequentavam o 1º ciclo de escolaridade consumiam refrigerantes pelo menos quatro vezes por semana, 94% consumiam batatas fritas quatro vezes por semana e 93% consumiam pizzas e hambúrgueres duas vezes por semana.
Quanto a alimentos saudáveis, este estudo concluiu que 60% das crianças nunca consumiam fruta fresca. Em contrapartida, desde 2005, as avaliações feitas pela revista “Teste Saúde” a cerca de 100 escolas de norte a sul do país denotam uma melhoria significativa na variedade e qualidade dos alimentos servidos nas cantinas das escolas. A técnica da Associação de Defesa do Consumidor (DECO) Dulce Ricardo frisou que, no ano em que começaram a ser feitas as avaliações, apenas 9% dos estabelecimentos de ensino incluíam legumes nas refeições. Actualmente, 65% das ementas já têm vegetais incluídos.
 dietas malucas Para a nutricionista Ana Perdigão, as chamadas dietas malucas não resultam e sublinha que “basta apenas ter uma certa disciplina. Na alimentação saudável a palavra-chave é a variedade. Devemos comer um bocadinho de tudo, mas sem exageros. O importante é manter na alimentação diária a proporção adequada de vitaminas, gorduras e hidratos de carbono”. Ainda assim, a nutricionista admite que são cada vez mais frequentes os casos de crianças com obstruções de artérias do coração devido à elevada quantidade de gorduras que ingerem.
A repartição equilibrada das refeições é outro ponto importante na alimentação. A regra do “comer sem ter fome” ajuda a evitar excessos, picos de apetite e facilita a escolha de alimentos saudáveis. O que a nutricionista explica é que não ter intervalos curtos entre as refeições do dia resulta num inevitável aumento de peso, porque “se não tivermos esses intervalos curtos, o nosso organismo irá absorver tudo o que comemos com mais eficácia e rapidez. Deixamos de conseguir regular o apetite e começamos inevitavelmente a engordar.”
Na avaliação dos factores de risco que o excesso de peso tem na saúde é crucial calcular a quantidade de gordura no corpo e a forma como ela se distribui. “O mais perigoso é o que chamamos de maçã, ou seja, toda a gordura acumulada na zona abdominal. A conhecida barriguinha, que é mais comum nos homens, representa um elevado risco de virem a sofrer de diabetes”, acrescenta Ana Perdigão.  

 

Lançamento do livro “Menino como eu”

Novembro 7, 2011 às 1:01 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Luísa Lobão Moniz, professora do ensino básico e mestre em Educação Intercultural, escreveu um livro para crianças intitulado “MENINO COMO EU” que Rita Moniz, designer, ilustrou. É editado pela Teodolito.

O título do livro é uma frase dita por uma menina de 8 anos, em 1989, a propósito do seu sofrimento enquanto criança. O menino como eu era um menino maltratado…

Enquanto professora, Luísa Moniz, contactou de perto com crianças e famílias em risco e foi trabalhando com instituições vocacionadas para as apoiar, tendo uma especial admiração pelo IAC (Instituto de Apoio à Criança) e pelo SOS Criança.

Quis os imprevistos da vida que fosse destacada, o ano passado, para o SOS Criança.

Pela sua experiência profissional, aliada à nova experiência no SOS Criança, considerou, juntamente com todos os elementos da equipa, que era urgente dotar as crianças de algum conhecimento sobre a existência de um serviço que as pode orientar antes que o risco aconteça.

O SOS Criança, do Instituto de Apoio à Criança, é já um direito da criança e um dever de todos nós.

Este livro é um gesto de solidariedade com todas as crianças em risco, a receita da venda de “Menino como eu” vai na íntegra para o SOS Criança.

Estão todos convidados para a apresentação do livro que se realiza no dia 17 de Novembro na FNAC do Colombo, às 18,30.

Traga um amigo também, pois todos somos poucos para tão grande causa.

Concurso Participar para Mudar

Novembro 7, 2011 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do site da DGIDC

O concurso Participar para mudar destina-se a todos os alunos que frequentam o ensino básico, secundário e profissional, desafiando-os a desenvolver projetos que promovam a participação na comunidade. Os critérios essenciais para a elegibilidade dos projetos consistem na abordagem às questões da Cidadania Europeia e no envolvimento da comunidade educativa e local.

Os projetos concorrentes devem ser elaborados por grupos com um máximo de 15 participantes, incluindo o seu responsável pedagógico, seja um professor ou um encarregado de educação. Podem inscrever-se vários grupos por estabelecimento de ensino.

Para mais informações acerca do concurso e da temática Cidadania Europeia consulte: www.participarparamudar.eu

Pós-Graduação em Psicopatologia da Criança e do Adolescente do diagnóstico à intervenção – 3ª edição – Coimbra

Novembro 7, 2011 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Mais informações Aqui


Entries e comentários feeds.