Metade dos jovens assiste a provocações e nada faz

Junho 8, 2011 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Público de 25 de Maio de 2011.

 Por Catarina Gomes

Mais de metade dos adolescentes portugueses (59,4 por cento) dizem já ter assistido a situações de provocação dentro da escola ou à volta dela. Destes, cerca de metade (54,8 por cento) assumem nada ter feito e houve mesmo 10,7 por cento que admitiram ter incentivado o provocador. São dados de um estudo apresentado no mês passado, coordenado pela psicóloga Margarida Gaspar de Matos.

Confrontada com o vídeo de agressões a uma jovem posto a circular na Internet e ontem tornado público, a investigadora alerta para a necessidade “de mudar a cultura escolar, para que não seja mal visto um jovem reportar estas situações”. “Dentro do código dos adolescentes, quem faz queixa e chama um professor ou empregado, é apontado pelos outros – é um bem-comportado”, diz.

A professora da Faculdade de Motricidade Humana, em Lisboa, gostava de acreditar que o jovem que filmou a cena de violência e a colocou na sua página do Facebook tivesse pensado que, já que não conseguia intervir, ao menos podia denunciar, “para não voltar a acontecer”. Mas acredita que o que poderá ter estado subjacente à divulgação da cena é mesmo a ideia “do espectáculo em torno da violência”, “do minuto de fama pelas piores razões”. Este tipo de “eventos” não ajuda a mudar, “precisa de ser desvalorizado”, defende a docente.

Quanto às raparigas envolvidas, Margarida Gaspar de Matos diz que “aquele nível de violência” revela “uma incompetência das adolescentes na comunicação e na forma de regular emoções e lidar com conflitos”. A investigadora nota que a violência não tem aumentado, mas tem havido mudanças de padrão.

“Estas meninas estão a lutar como rapazes”, ou seja, em vez de “a igualdade de género” levar a que os rapazes recorram mais à conversa para resolver problemas, vemos antes “modelos de resolução de conflitos através da violência em raparigas, que estão a assumir comportamentos masculinos”. “É uma regulação por baixo”, salienta. Num momento em que a sociedade portuguesa está cada vez mais escolarizada, a investigadora vê este tipo de situações como “um retrocesso”.

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: