4.º Encontro Intercultural Saberes e Sabores

Fevereiro 1, 2011 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Mais informações Aqui

Workshop “O Valor do Voluntariado”

Fevereiro 1, 2011 às 2:37 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Mais informações Aqui

11 anos de experiência

Fevereiro 1, 2011 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Artigo da Revista Única do Expresso de 8 de Janeiro de 2011.

Cátia Loureiro e Natália Pinto

Perguntámos a quatro miúdos, do alto dos seus 11 anos, como eles veem o mundo. Entalados” entre a infância e adolescência, têm respostas utópicas, doces, mas também surpreendentemente lúcidas

É fácil ter 11 anos. A crise não os afeta, o desemprego não os assusta. O mais importante é ter tempo para brincar. Mas têm opiniões muito claras sobre os problemas do mundo, que convidámos a partilharem connosco.

São quatro os “especialistas” ouvidos: Guilherme, Carolina, Beatriz e Gonçalo. O sonho de Guilherme Lopes é ser dono de uma empresa de material desportivo e conduzir um Audi. Guilherme mora em Paço de Arcos, e nutre uma grande paixão por hóquei em patins, que pratica três vezes por semana. Espera estar casado aos 20 anos, e ter dois filhos. Gosta de ajudar em casa, põe a mesa, e só não lava a louça porque a mãe não deixa. É do PS, e quer que o Manuel Alegre ganhe as eleições, mas está desiludido com Sócrates. Carolina Pina, de Alverca, é a única do grupo que não tem Facebook. Dança jazz na escola e quando crescer quer ser juíza, porque não consegue ficar indiferente às injustiças. Nos dias de hoje, não considera o casamento necessário e acredita que uma pessoa só é adulta a partir dos 26 anos.

Já Beatriz Lé adora preguiçar. Gosta mais de se divertir do que de estudar e diz que quando crescer vai ser famosa. Bia dança hip-hop, toca viola e já desfilou em várias passerelles. Por enquanto, não quer saber de namorados, porque só dão problemas e responsabilidades. Gonçalo Rodrigues partilha a escola com a Bia, em Lisboa. Gosta de Matemática porque quer ser engenheiro. Ainda não sabe de quê. É bom aluno, mas o comportamento baixa-lhe as notas. Já teve três namoradas, mas só se lembra de duas. Tem um lugar cativo no Estádio da Luz e gosta mais do Messi do que do Cristiano Ronaldo. Feitas as apresentações, eles têm a palavra.

Carolina Pina

SER RICO: “É ter tudo aquilo que se quer. Tenho alguns colegas que têm quase tudo aquilo que querem. Não acho bem que os pais deem tudo aos filhos. Mas quando vejo alguns colegas meus acho que sou privilegiada.”

ADULTOS: “Os adultos parecem felizes, mas depois têm conversas que não são felizes. Isto é muito complicado de explicar… Eles deviam ser mais felizes, mas nós também. Eu tenho muitas coisas, devia parar de me queixar.”

CRISE: “É complicado inventar uma máquina de fazer dinheiro, não é? E não ia resolver a crise, porque aquelas que eram ricas iam ficar mais ricas, portanto a um número mais elevado ia tudo ficar igual. Muita gente devia parar de gastar e devia-se baixar os preços da comida porque é o que as pessoas precisam mais.”

AMOR: “Acho que vou sentir sempre mais amor pelos meus pais. Eles vão estar sempre em primeiro lugar, o namorado estaria a seguir.”

IGUALDADE: “Somos todos iguais. Mas às vezes há coisas más. Algumas pessoas de raça negra, por exemplo, acham-se mais do que os outros por serem tratadas bem, de forma especial. Então depois acabam por ser as outras pessoas discriminadas por elas.”

MULHERES: “Um dia vi uma coisa muito estúpida no telejornal. Foi um polícia a chicotear uma mulher por ela usar calças. As mulheres tinham de andar todas com véu. São lá as leis deles, mas eu acho que se muita gente se juntasse talvez mudassem as leis. Os homens acham que são mais importantes, e depois elas acabam por se habituar e acham mesmo que são piores. Mas isso é mentira.”

Guilherme Lopes

PROFESSORES: “Não gosto de alguns que estão sempre a gritar. Gritam mais do que explicam, podiam ser mais compreensivos.”

NAMORADAS: “Não faço ideia de quantas é que já tive. Uma das mais importantes foi no infantário, tinha 5 anos. Namorámos o ano todo. Agora estou mais preocupado com o hóquei e com a escola.”

CRISE: “Se não houvesse dinheiro davam-nos comida? Davam-nos tudo? Isso era mau, não resolvia a crise. Depois tinha-se tudo e não se trabalhava. Qualquer pessoa pedia aquilo que quisesse. E havia pessoas que iam pedir mais, porque têm mais imaginação.”

POLÍTICA: “Não gosto do Pedro Passos Coelho. Gosto dos do PS, fazem mais coisas. O Sócrates antes era do PS, agora acho que já não é, já não faz nada pelo PS. Ele está inclinado só para ser primeiro-ministro.”

SUPERPODERES: “Acabava com a poluição. Só depois é que resolvia a crise. Ia roubar dinheiro aos ricos e dava aos pobres. Os ricos ficavam com dinheiro, ficavam era menos ricos. Não sei como é que o Ronaldo ganha tanto só a fazer uns jogos. Podia gerir melhor o dinheiro e dar aos lares.”

RELIGIÃO: “Eu não gosto de comungar. Não gosto de ir para aquelas filas. Come-se o corpo de uma pessoa e ela fica morta. Mas pronto, as pessoas sabem que aquilo é farinha… Eu acredito em Deus, mas não sei como é que ele apareceu. Também não sei como é que nasceram Adão e Eva, se nasceram de uma planta. E, às vezes, penso como é que o Céu é azul.”

Beatriz Lé

NOTICIÁRIO: “Não vejo as notícias, porque são uma seca! Só sabem falar de desgraças. Devia haver um telejornal só com coisas boas. A maioria das notícias não interessa às crianças, só influencia os adultos.”

CRISE: “Surgiu com estes governantes. Quando veio o tal Sócrates. Os políticos andam sempre em carros bons, quando deviam ser pessoas iguais às outras e deviam ajudar quem precisa. Não era tão bom se o mundo só fosse feito de crianças? Não íamos às aulas, podíamos comer o que quiséssemos! O dinheiro podia cair do céu. Deus está lá em cima e podia dar-nos dinheiro em vez de gotas de água, que não sei para que é que servem… Podia haver adultos, mas não havia regras. Havia profissões para ganhar dinheiro, e não havia governantes. Cada pessoa responsabilizava-se sobre si própria.”

ADULTOS: “Os adultos já não sabem o que é ser criança. Às vezes, apetece-me dizer-lhes: ‘Lembrem-se!’ Com eles é logo castigo e não há conversa! Antes de nos castigarem, eles deviam perguntar o que é que nos vai na cabeça. Deviam perguntar-me: ‘Porque é que fizeste aquilo?’ Eu justificava e se continuassem a achar o castigo lógico, tudo bem.”

RELIGIÃO: “Vou à missa e acredito em Deus, mas quero saber mais sobre o ponto de vista científico. Às vezes, pergunto-me como é que a Terra se criou. E uma pergunta leva sempre a outra pergunta! Mesmo que me respondam, eu tenho sempre uma pergunta para cada resposta.”

Gonçalo Rodrigues

WIKILEAKS: “Já fui ao site da WikiLeaks, mas aquilo não tem graça nenhuma. Fui só ver como é que era, mas depois saí logo com medo que fosse ilegal, ainda arranjava problemas! Foi por causa da WikiLeaks que o caso Maddie voltou. Acho que foram os pais que a mataram… Não gostavam dela. Eles só queriam atenção e ganharam muito dinheiro. Se calhar não gostavam de Portugal e vieram para cá só para incriminar os hotéis.”

CRESCER: “Quanto mais tempo ficar criança, melhor. A única coisa boa de ser adulto é que se ganha dinheiro. Os adultos têm muitas responsabilidades. Têm de estar sempre a ver as notícias para saber o que se está a passar”.

CRISE: “A crise surgiu por causa dos governantes e do Sócrates. Ele sabe que nós estamos em crise e continua a comprar coisas que não são importantes, como submarinos e aviões para a guerra. Os governantes também têm de ter sempre os seus carros de luxo… Bastava-lhes um carro normal. Para acabar com a crise, os países podiam juntar-se e fazer dinheiro falso. Ficavam com ele e distribuíam-no por toda a gente. Depois o dinheiro deixava de ser falso porque era aprovado.”

FUTEBOL: “O desporto influencia de mais as pessoas, às vezes quase que querem agredir os jogadores e matar-se uns aos outros. No futebol anda tudo à volta do dinheiro. Os árbitros vendem-se aos clubes. Se calhar o Mourinho nem sequer é bom treinador. Teve sorte ao início, porque foi para as boas equipas.”

MUNDO IDEAL: “Seria um mundo sem dinheiro, onde tudo era grátis. Criavam-se coisas porque era preciso e havia um limite, como com o cartão de crédito. Não se podia tirar mais de um certo número de coisas por dia.”

Acção de Sensibilização “Como tornar a Internet Segura” – Nova Data

Fevereiro 1, 2011 às 10:51 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

O CLDS Oeiras – Projecto VIPP (Valorização e Inserção Pessoal e
Profissional) tem o prazer de o convidar para a Acção de Sensibilização
“Como tornar a Internet Segura”. A actividade, cuja frequência é gratuita,
terá lugar no dia 10 de Fevereiro de 2011, entre as 14h00 e as 17h00, na Rua
Mário Moreira, Lj 12 – Bairro Alto dos Barronhos.

Para mais informações,

Técnico a contactar: Ângelo Campota

Atenciosamente,

Odete Mota Feliz
Coordenadora CLDS – Projecto VIPP

CLDS Oeiras- Projecto VIPP
Associação Portuguesa de Solidariedade e Desenvolvimento Rua Mário Moreira,
Loja 12
2790-232 Carnaxide
Tel/TM:214161762/ 912388886

Concurso Gigabyte Seguro: navega em segurança à tua maneira!

Fevereiro 1, 2011 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

“A Direcção Regional de Educação do Centro, em parceria com a Equipa de Recursos e Tecnologias na Escola/Plano Tecnológico da Educação (ERTE/PTE) levam a efeito a 2.ª edição do concurso “Gigabyte Seguro: Navega em segurança à tua maneira!”.

Nesta edição poderão participar todos os alunos do Ensino Básico e Secundário do país. O objectivo central é fomentar a discussão e implementação de práticas seguras na utilização da Internet, sensibilizando os alunos para os desafios e riscos inerentes à navegação na rede.

Os trabalhos deverão ser produzidos em formato de vídeo, apresentações e animações multimédia. Para cada escalão de participação serão atribuídos dois prémios.

A recepção das participações decorrerá até ao dia 24 de Março de 2011.”

Todas as informações disponíveis no regulamento.


Entries e comentários feeds.