António Torrado: “Já escrevi sobre tudo e mais alguma coisa”

Setembro 30, 2010 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Conversa com António Torrado (sócio fundador do Instituto de Apoio à Criança) com Rita Pimenta, na Pública de 19 de Setembro de 2010.

O retrato de António Torrado desenhado por André Letria para oferecer ao escritor nos 40 anos de carreira

Por Rita Pimenta

Deve haver sempre uma estante fechada, mas de fácil acesso. Pode até escrever-se “livros proibidos” na prateleira mais alta da estante e deixar ficar uma escada por perto. Ideias e memórias de António Torrado: “Eu sacava da biblioteca do meu pai os livros proibidos. Tinha uma chave. Abrir abria-se bem, para fechar é que tinha mais dificuldade. Li muita coisa sem perceber o que estava a ler.”

Mas também leu livros que entendia e de que gostava: “História de Dona Redonda e de Sua Gente, de Virgínia de Castro e Almeida; as obras de Erich Kästner; A Biblioteca dos Rapazes; Jack London; Júlio Verne.” O seu fascínio por romances de capa e espada fê-lo querer praticar esgrima. Mas foi traído pela vista e pelos óculos. “Sou um desportista falhado”, diz, entre o resignado e o divertido.

Não estava previsto tornar-se escritor, mas aconteceu. Depois de uma tentativa de estudar Ciências Económicas para dar seguimento à empresa comercial do pai, percebeu que “não tinha jeito nenhum para aquilo”. Foi então para Direito. Mas adormecia nas aulas: “Dava-me muito sono.” Um dia, um professor disse-lhe: “Quando estiver com sono, não venha à aula. É que me desmotiva muito”.” Compreendeu, mas envergonhou-se tanto que foi para a Faculdade de Letras. E estudou Filosofia.

Acabou por se tornar escritor e, segundo Leonor Riscado, professora de Literatura para a Infância e Juventude na Escola Superior de Educação de Coimbra, “um criador de primeiríssima água. Sherazade dos tempos modernos, alia à sólida cultura do filósofo a prodigiosa imaginação de um Andersen. A capacidade única de criar enredos surpreendentes – de preferência para as crianças, mas também para os adultos – é sustentada por palavras enxutas, envoltas em marcas de oralidade. Na sua escrita, gerida com mão hábil de um dramaturgo residente, as contas do colar vão-se juntando no fio com que constrói contos, poemas e textos dramáticos. O olhar de António Torrado sobre as pequenas e grandes coisas, as pessoas, o mundo, afinado pelo registo da ironia, do humor ou da ternura abre o apetite dos leitores, que saboreiam o delicioso mil-folhas que é a sua obra”.

Pelo primeiro texto que escreveu para o Diário Popular, recebeu “cem paus” (100$, €0,50). “Dava para almoçar com a namorada, lanchar com a namorada e levá-la ao cinema.”

Alguém que diga mal

O conto curto é a sua forma ideal de expressão. “É o meu modelo de escrita: insinuar mais do que dizer; sugerir mais do que declarar.” António Torrado, 71 anos, já escreveu “perto de mil histórias”. Mas também criou peças de teatro, letras de fados, argumentos para filmes e séries de televisão, escreveu textos para a rádio e poesia. “Já escrevi sobre tudo e mais alguma coisa.”

Os seus 40 anos de vida literária foram o pretexto para uma homenagem na abertura da XI Edição das Palavras Andarilhas em Beja, na quinta-feira.

Quando falou com a Pública, o escritor ainda não sabia das surpresas que lhe estavam reservadas no encontro, mas já dizia, bem-disposto: “Vai ser uma chumbada, todos a dizerem bem. Se houvesse alguém que tivesse a coragem de dizer mal. Acho que vou fazer esse apelo.”

Leitores fiéis

António Torrado sabe que “se escreve para o efémero, para o transitório. Os leitores estão em trânsito para outros livros”. No entanto, reconhece que a faixa de público com que mais trabalha, as crianças, “é muito generosa. Quando gostam, são sistemáticas. Querem ler tudo do mesmo autor e têm o gosto da colecção.”

E dá o exemplo do filho mais velho, que prometeu que não leria outros livros sem antes ter lido todos os de Jack London. O próprio Torrado manteve-se fiel a Erich Kästner enquanto pôde. E já adulto ainda descobriu um livro (A Ala Volante) deste primeiro autor a receber o prémio Hans Christian Andersen.

É isso que espera dos seus leitores? “Já tenho tido provas de fidelidade que me comovem. Ditas pelos pais ou pelos miúdos. Também há aqueles que querem ouvir sempre a mesma história.” António Torrado não gosta de queixumes e sente-se acarinhado pelos seus leitores: “Não me queixo de ser mal amado, como quase todos os autores portugueses: ursos mal lambidos. E acho que os meus colegas desta área também não se queixam, porque o público roda muito depressa. Chega aos 11, 12 anos, já passou. Mas até lá, quando são aplicados à leitura, gostam de ler e de reler. E depois temos sempre novas camadas. Os meus livros já foram lidos por várias gerações.”E até já fez uma dedicatória para uma criança que ainda vai nascer, “neta de alguém que leu livros meus”. Foi “uma situação embaraçante, a criança ainda nem tinha nome, fazer uma dedicatória a um ser fantasmático, virtual”. E agora?

Pouco ligado a formalidades de homenagens, diz que até tem “medo de datas redondas”. E lembra a história de Aquilino Ribeiro, que tinha publicado Quando os Lobos Uivam e ia ser julgado “por ter dito coisas que soariam aos ouvidos do poder como aleivosias”. Aos 79 anos, “como era considerado uma figura perseguida, andaram a homenageá-lo por todo o país. Passados uns meses, “puff”, morreu”.

Mas não é esse o seu medo. E vai pensando em voz alta o que lhe suscitou este assinalar dos 40 anos de escrita: “Achei que o ter passado de jovem escritor inseguro para velho escritor inseguro aconteceu muito depressa. Foi a morte da Matilde [Rosa Araújo] que marcou essa diferença. A Matilde era a patrona e paraninfou gerações e gerações. Era a nossa figura tutelar. Deixou-nos uma responsabilidade maior, já não temos fada-madrinha, estamos por nós. Logo aconteceu esta coisa dos 40 anos. Agora, parece que o patriarca sou eu, ou outro que tal. Embora haja pessoas mais velhas, como a Luísa Dacosta, por exemplo.”

Fizeram-no pensar “no peso da responsabilidade”. E continua: “Já fiz tudo, já encantei gente. Tenho razões para me sentir feliz e realizado, mas, por outro lado, penso: e agora? O que é que me resta? Se isto é o resumo do que fiz, parece que é quase uma notícia necrológica, e eu não quero que seja. Não é por causa do medo da morte. Se ela viesse de um dia para o outro, não me custava nada. Ficar incapaz é que é chato, morrer não.”

No entanto, diz, não ter “aquele sentimento de alegria de “40 anos já cá cantam””, nem a “sensação de tempo perdido”. E compara a quantidade de livros que escreveu, 130 a 140, com o espaço que ocupam. “Os meus livros todos, os que tenho nas prateleiras que me são dedicadas, por conjunto, dá o meu tamanho deitado. Ou a minha altura.” Ou seja, 1,76m de literatura? “De uma forma leviana, pode dizer-se que sim. Alguns são livrinhos, outros têm 100 histórias. Como um que vai sair, 100 Histórias à Janela. São calhamaços. Mas, sim, tudo literatura.”

Gostava agora de dedicar-se mais “a uma faixa que tem ficado oculta, a da literatura para adultos”. Também sente necessidade de alimentar áreas “como o teatro e o argumentismo”. Porque já escreveu muita coisa para crianças. “Pensei até em fechar a loja, mas continuo a ter encomendas. E não sei fazer mais nada. Sou péssimo em tudo. Nem guio sequer, por causa da vista. Não meço as distâncias.” Nem as físicas nem as outras, agrada-lhe pensar.

“É velho, mas é assim como nós”, disse um miúdo sobre o autor. E ele gostou.

Festinha – Uma Selecção de Filmes para as Crianças

Setembro 30, 2010 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

A Festinha – Uma Selecção de Filmes para as Crianças, está integrada na 11ª edição da Festa do Cinema Francês De 7 de Outubro a 9 de Novembro, em seis cidades do país (Lisboa, Almada, Porto, Guimarães, Faro e Coimbra), o cinema francês está em festa em Portugal. A 11ª edição da Festa do Cinema Francês propõe uma programação excepcional de 125 sessões de cinema através do país, concertos, ateliers, debates e encontros com personalidades da sétima arte francesa.

As sessões escolares da Festa do Cinema Francês terão lugar em Coimbra:
– 4 Novembro às 10h30
Kérity et la maison des contes de Dominique Monféry
http://kerity-lefilm.com/
http://kerity-lefilm.com/enseignants/ressources.php

– 8 Novembro às 15h00
Océans de Jacques Perrin et Jacques Cluzaud
http://oceans-lefilm.com/

– 9 Novembro às 10h30
Le petit Nicolas de Laurent Tirard
http://www.lepetitnicolas-lefilm.com/

O custo é de 1€ por aluno e gratuito para o professor acompanhante.

Para quaisquer informações contactar a l’Alliance Française de Coimbra http://www.afcoimbra.net/

Outros locais:

Lisboa |16 de Outubro | 11:30 | Cinema São Jorge (sala 3).
Lisboa | 13 de Outubro | 10:30 | Instituto Franco-Português.
Almada | 17 de Outubro | 11:30 | Auditório Fernando Lopes-Graça.
Guimarães | 22 de Outubro | 14:30 | Centro Cultural Vila Flor.
Faro | 30 de Outubro | 15:00 | Teatro Municipal de Faro.
Coimbra | 04 de Novembro | 10:30 | Teatro Académico de Gil Vicente.

Quem vai ao pediatra volta tranquilo

Setembro 30, 2010 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

“Quem vai ao pediatra volta tranquilo é uma campanha desenvolvida pela Nestlê e pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)  que está sendo veiculada em todas as televisões brasileiras,  e que será lançada efectivamente  durante o Congresso Brasileiro de Pediatria, em Brasília, entre os dias 8 e 12 de outubro de 2010. O objectivo da campanha é a valorização do pediatra e o esclarecimento aos pais sobre importância de levar os seus filhos à consultas regulares ao médico pediatra (especialista em crianças).(…) Mais informações Aqui


Entries e comentários feeds.