Poema de Matilde Rosa Araújo – Os Direitos da Criança

Julho 6, 2010 às 9:00 pm | Publicado em Poesia, Publicações IAC-CEDI | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

O adeus à Fada Matilde

Julho 6, 2010 às 1:24 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Matilde Rosa Araújo, morreu esta madrugada na sua casa, aos 89 anos, sócia fundadora do Instituto de Apoio à Criança e Directora do Boletim do IAC. Nasceu em Lisboa em 1921, licenciou-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa. Foi professora do Ensino Técnico Profissional e do primeiro Curso de Literatura para a Infância, que teve lugar na Escola do Magistério Primário de Lisboa. Autora de livros de contos e poesia adultos e crianças, a sua temática centra-se em torno de três grandes eixos de orientação: a infância dourada, a infância agredida e a infância como projecto.  Dedicou-se, ao longo da sua vida, aos problemas da criança e à defesa dos seus direitos. Foi galardoada com os seguintes prémios de Literatura para a Infância:

Grande Prémio de Literatura para Criança da Fundação Calouste Gulbenkian ex-aequo com Ricardo Alberty, em 1980; Prémio atribuído pela primeira vez, para o melhor livro estrangeiro (novela O Palhaço Verde), pela associação Paulista de Críticos de Arte de São Paulo, Brasil, em 1991;  Prémio para o melhor livro para a Infância publicado no biénio 1994-1995, pelo livro de poemas Fadas Verdes, atribuído pela Fundação Calouste Gulbenkian, em 1996.

O corpo será velado hoje na sede da Sociedade Portuguesa de Autores, em Lisboa.

Teve o IAC o privilégio de ser assistido na sua concepção, nascimento e crescimento por um SÁBIO e uma FADA. Foram eles, cujos saberes e dizeres se congregaram ao traçar o caminho da utopia que queremos continuar a percorrer. Refiro-me a João dos Santos quando declara que o “segredo do homem é a própria infância” e a Matilde Rosa Araújo quando desvenda a seriedade poética e dramática desses segredos da “infância dourada, infância agredida ou infância como projecto.” (…)


QUEM É A FADA MATILDE?

É uma entidade feminina, com características simultaneamente humanas e divinas e que se desloca entre o real de uns e o imaginário de outros e segue itinerários misteriosos que, umas vezes, permitem conhecer a miséria, o sofrimento e outras levam ao encontro com a beleza, a alegria e o maravilhoso. Se, a sua presença é facilmente associada à suavidade, à ternura e à delicadeza dos seus gestos e da sua figura, a força das suas palavras, a intencionalidade da sua obra e o exemplo de generosidade da sua vida revelam uma mulher de grande sensibilidade, determinada nas suas convicções, profundamente consciente da sua responsabilidade poética e social sempre pronta “… … a lutar com armas de amor pelos Direitos da Criança … a tornar o presente autêntica cons trução do futuro…”. Para além do encanto pessoal com que nos fascina e do espírito de humor subtil, com que às vezes nos surpreende, a Fada Matilde tem instrumentos mágicos, é com eles que procura proteger os mais indefesos e culpabilizar os que se esquecem do sofrimento alheio, sobretudo do sofrimento das Crianças. Como instrumentos mágicos a fada Matilde usa o AMOR e a PALAVRA e sabe utilizá-los de uma forma muito especial a que se chama “Poesia”, pois além de mulher ela é escritora e gosta de usar as palavras em defesa do “sagrado direito de viver”. Matilde tem percorrido o caminho desta utopia que é o IAC, ao longo de trinta anos, tempo suficiente para reconhecer a importância da sua presença. Podemos dizer que o seu exemplo tem ajudado a definir o “estilo” discreto, compreensivo e tolerante com que nos identificamos, mas é a sua obra que nos ensina a procurar o segredo oculto de cada homem e a encontrar o mistério redentor de todas as infâncias. Na vida e na obra de Matilde Rosa Araújo estabelece-se permanentemente um diálogo entre a realidade de cada criança e o imaginário de cada adulto, que dela se aproxima ou afasta, no balouçar das suas próprias memórias, no vai e vem das suas experiências de vida, no assumir da sua humanidade. Ela sabe, como ninguém, realçar de modo poético e realista a infância mais ou menos escondida de cada adulto e a expectativa de ser homem que existe em cada criança. (…)

Muito obrigada. Bem-haja grande fada Matilde, sem si a imagem do IAC seria muito, muito mas muito mais pobre. Obrigada. ”

Excertos da Comunicação proferida por Natália Pais no dia 19 de Abril de 2007 no encontro “Pela defesa dos direitos da criança – Novas realidades, novos interesses, novos desafios”. Comunicação publicada na Separata n.º 24 do Boletim do IAC n.º 84. Ver texto completo Aqui


BAOBÁ – Projecto de Apadrinhamento de Crianças à Distância

Julho 6, 2010 às 6:00 am | Publicado em Campanhas em Defesa dos Direitos da Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

“BAOBÁ – Projecto de Apadrinhamento de Crianças à Distância, dinamizado pela Associação Afectos com Letras, visa reunir apoios de madrinhas e/ ou padrinhos, que contribuam financeiramente e a outros níveis de modo a permitir que as crianças da Guiné-Bissau frequentem uma escola e tenham assistência alimentar e médica.

Existem no mundo milhões de crianças que não têm acesso aos mais elementares cuidados de saúde, aos mais básicos padrões de alimentação, de educação, de higiene, de vida. Todos conhecemos esta dura realidade. Todos já ouvimos falar, já presenciámos, já vimos imagens ou até já ajudámos ou propusemo-nos ajudar. A verdade é que infelizmente essas situações continuam a existir!

A grande maioria destas crianças vive em África. A gravidade da situação neste continente é bem conhecida, mas é particularmente evidente na região subsariana e, em concreto, na Guiné-Bissau. Aliás, a realidade deste país fala por si: a Guiné-Bissau está neste momento no 173° lugar do Índice de Desenvolvimento Humano do PNUD de 2009 (num total de 182 países); para além de ser muito pobre, a Guiné-Bissau é também um país jovem, onde a média de idades ronda os 25 anos. Por isso é fácil de concluir que as principais vítimas deste défice de desenvolvimento acabam por ser os jovens e, em particular, as crianças.” Informações sobre as modalidades de apadrinhamento Aqui


Entries e comentários feeds.