Expertos aconsejan negociar con los niños el uso de móviles y tabletas para evitar “atracones”

Julho 22, 2014 às 6:00 am | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Artigo do site http://www.20minutos.es de 28 de junho de 2014.

GTRES

 

 

  • Casi un tercio de los niños de 10 años y un 83% de los de 14 tienen ya móvil.
  • La Comunidad de Madrid incluso ha puesto en marcha una campaña para combatir a los ‘phonbies’, los zombis del móvil.
  • Alertan también de los peligros que supone la exposición al acoso.

EFE

Los viajes al pueblo lejos de los padres, los campamentos o las dificultades para conciliar de muchas familias provocan cada verano que miles de niños se ‘estrenen’ en el uso del teléfono móvil, un cambio ante el que los expertos aconsejan “autorregulación” familiar para evitar perjuicios a la vida cotidiana.

El empleo de móviles para comunicarse, entretenerse o divertirse es positivo para todas las edades, pero el excesivo consumo de estos dispositivos puede llegar a crear dependencia, hasta el punto de que en comunidades como Madrid una campaña combatirá este verano a los ‘phonbies’, los zombis del móvil.

Y quedarse ‘enganchado’ a los aparatos o perjudicar las relaciones personales no es el único peligro al que se enfrentan los primerizos, puesto que un incorrecto uso puede abrir la puerta a situaciones de ‘ciberacoso’ o exponer la intimidad y privacidad de los menores —según el INE, casi un tercio de los niños de 10 años y un 83% de los de 14 tiene móvil—.

Por ello, el presidente de la asociación Protégeles, Guillermo Cánovas, aconseja que en el arranque de las vacaciones padres y menores negocien tiempos y modos de uso y tengan en cuenta una serie de principios en el momento en el que a muchos niños se les da su primer ‘smartphone’.

En verano, las familias tienen la necesidad de mantener el contacto con los menores y por ello se animan a comprar por primera vez o a prestar el aparato de uno de los padres a sus hijos, momento en el que se debe establecer la negociación de la “autorregulación”, en la que los menores deben participar.

En primer lugar, el presidente de Protégeles aboga por acordar los tiempos de uso de los móviles o tabletas en función de los periodos en los que la familia considere que la vida en común debe estar “libre de tecnología”.

Porque el objetivo no es establecer tiempos máximos de uso de los aparatos, sino normas para proteger la vida en común y el tiempo “con los demás”, explica Cánovas, que no aboga por limitar las horas de uso, sino horarios para apagar el móvil antes de acostarse y por algún tipo de restricción para alejarlo en las comidas y cenas.

En estos momentos, por ejemplo, los miembros de la familia pueden optar por dejar sus teléfonos en el mismo lugar y recogerlos al levantarse de la mesa.

La dependencia la marca el uso

El portavoz de Protégeles remarca que, tanto en menores como en adultos, la dependencia de los aparatos no la marca el tiempo al aparato, sino qué uso se le da y si influye en las situaciones de la vida cotidiana: si impide realizar tareas educativas, el trabajo, tener ocio y afecta a las relaciones personales.

A este respecto, el doctor en Psicología y Ciencias de la Salud y exdefensor del menor de la Comunidad de Madrid Javier Urra diferencia entre dependencia y adicción: uno depende del móvil si está perdido en la sierra y necesita que lo rescaten; pero si está todo el día retransmitiendo banalidades de su vida cotidiana a sus amigos a través del teléfono sufre una adicción.

Urra pide a los mayores que, además de advertir a los niños sobre el buen uso de los móviles, no pequen de “ansiosos” y de exceso de celo en el control a distancia del menor.

Y aconseja, por ejemplo, enseñar a los menores, además de cuestiones de uso, de seguridad o económicas —el mal uso del aparato puede costar mucho dinero—, que no deben exponer de forma excesiva su vida a través de las nuevas tecnologías.

“Estar siempre conectado y decir que tienes 1.300 amigos es una tontería”, argumenta Urra, que está en contra del móvil en el campamento, donde debe haber un teléfono para que los padres puedan informarse, pero en el que los niños “no pueden estar llamando a su madre” puesto que perdería su razón de ser.

Fotos y seguridad

Cánovas aconseja que el acuerdo familiar excluya el uso del móvil con cámara en habitaciones cerradas —donde el menor puede hacerse fotos a sí mismo lejos del control de los adultos— y tapar las cámaras web de los aparatos porque se puede activar sin querer o por la instalación de programas que, sin saberlo, permiten a terceros ponerlas en marcha.

“Nos estamos encontrando en internet con fotos de menores fotografiados sin saberlo; no son muchos casos, pero nos llegan”, advierte antes de apuntar que la línea de denuncias sobre pornografía infantil y acoso escolar y sexual a menores de Protégeles alcanza unas 3.000 denuncias al mes.

Otro consejo es desconectar la localización vía satélite, en especial en el caso de fotos y vídeos —que las incorporan en los metadatos—, así como en el domicilio propio —porque da información sobre la ubicación de su domicilio—.

Los adultos deben conocer las herramientas tecnológicas para no dejar de ser referencia del menor en este campo, además de explicar a los niños que siempre hay peligros y en ocasiones pueden encontrarse con problemas: la clave es saber adónde deben dirigirse para solucionarlos a tiempo.

 

A importância da e.segurança

Junho 17, 2014 às 8:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Artigo do site educare de 9 de junho de 2014.

educare

A cobertura mediática sensacionalista sobre certos perigos da Internet pode estar a funcionar como uma “barreira” que impede a “efetiva educação para a segurança online”, alertam os responsáveis pelo projeto EU Kids Online.

Andreia Lobo

Vítimas de predadores sexuais, trágicos encontros de crianças com estranhos conhecidos no mundo virtual são situações que geram um forte destaque noticioso. As crianças são bastante influenciadas por estas notícias sensacionalistas. Mas a atenção conferida a estes casos – pelas televisões, jornais e outros meios de comunicação-, pode estar a desviar a atenção das crianças de outros potenciais riscos da utilização da Internet. Perigos mais comuns e frequentes, como o cyberbulling ou a exposição a conteúdos violentos e pornográficos. O alerta consta do novo relatório EU Kids Online que foca o entendimento das crianças sobre situações problemáticas vividas na Internet. Esta descoberta reposiciona o debate sobre Internet segura. Os investigadores da London School of Economics and Political Science recomendam que a educação para a segurança não se fique pela questão dos perigos online e aborde também a cobertura dada pelos media a estes casos de menor ocorrência, mas maior destaque.

“A maioria dos programas de prevenção está demasiado focada em temas como a proteção de informação pessoal e o perigo de conhecer online pessoas estranhas offline, mas é mais provável que as crianças tenham de lidar com mensagens incómodas.” O alerta é de Leslie Haddon, um dos autores do estudo que através de 56 grupos de foco e de 114 entrevistas ouviu 378 crianças e jovens com idades entre os 9 e os 16 anos. Oriundas de nove países europeus (Bélgica, República Checa, Grécia, Itália, Malta, Portugal, Roménia, Espanha e Reino Unido). “As crianças precisam de uma educação mais vasta e detalhada sobre o mundo digital que as ajude a avaliar melhor situações problemáticas”, acrescenta Haddon. “Foi malcriado e reportei-o

” Relatos de trocas de mensagens agressivas. Discussões acesas com os amigos nas redes sociais. Piadas que não são entendidas assim. Publicidade inesperada ao abrir uma página. Ou o despoletar de imagens sexuais. São alguns exemplos dessas situações problemáticas que as crianças dizem encontrar quando utilizam a Internet, seja para entrar no jogo online, descarregar ou ouvir música em plataformas como o YouTube.

“Se estás no Minijuegos surgem coisas a dizer: Eiii liga a câmara e vê esta rapariga.” Queixa-se um rapaz espanhol de 14 anos. “Surgem umas publicidades com umas raparigas em sutiã, mas não consegues fechar a janela, está sempre lá”, explica outro rapaz espanhol de 16 anos. Em relação aos conteúdos, imagens ou vídeos sexuais, os investigadores verificaram que as crianças expressam sentimentos muito variados. Ainda que predominem os negativos. Quando estes conteúdos surgem por “engano”, as crianças entre os 9 e os 13 anos são as que mais depressa dizem sentir-se “enojadas”, “incomodadas”, “chocadas” ou “envergonhadas”.

Os mais velhos com idades entre os 14 e os 16 anos referem esses “encontros” como sendo “aborrecidos”, mas não se importam, nem se sentem incomodados quando eles aparecem no ecrã. Sentimentos mais positivos surgem quando os jovens procuram intencionalmente esses conteúdos. Por exemplo, para assistir a pornografia juntamente com os amigos: “Vi no meu PC, mas estava preocupado que os meus pais descobrissem ao ver o meu histórico”, conta um rapaz grego de 14 anos. Já entre as raparigas, a experiência da comunicação de carácter sexual faz-se através da publicação de fotografias em poses sensuais ou provocantes com o intuito de receber “gosto” dos amigos.

Pedidos de amizade Partilhar informações pessoais, senhas de contas do Facebook ou de jogos com membros da família e amigos é prática comum em todos os grupos etários. Não é algo visto como arriscado. Apesar de algumas crianças se queixarem de receber pedidos de amizade e de informações por parte de estranhos. Uma rapariga belga, entre os 14 e os 16 anos, relata aos investigadores a sua experiência: “Recebi um pedido de amizade de um velhote (31 anos) e foi assustador.”

Casos em que pessoas desconhecidas pedem contactos telefónicos, moradas ou nomes das escolas que frequentam, despoletam sentimentos de raiva e tristeza nas crianças. “Alguém me pediu o número de telefone, o Skype e a morada através de um jogo. Fiquei chateada e, então, ignorei-os”, conta uma rapariga portuguesa de 9 anos. A consciência do perigo na partilha de dados pessoais reflete também os avisos dos pais, como se percebe no depoimento de outra rapariga portuguesa de 9 anos: “No Facebook pediram-me o telefone e a morada. A minha mãe disse para não dar e eu apaguei a pessoa.”

De modo geral, os adolescentes entre os 11 e os 13 e os 14 e os 16 anos não veem com bons olhos quem partilha “demasiada informação privada”, “coisas estúpidas” ou percecionadas como “inapropriadas para que os outros vejam” nas redes sociais. Os sentimentos – sobre comentários do género “agora vou trabalhar” ou “agora vou comer”- variam: desde o simples “sinto-me incomodado” ao “aborrecido” ou “não gosto”.

O vício da Net

Muitas crianças reconhecem em si alguns sintomas de vício na Internet. Perda de contacto com a realidade, de interesse por outras atividades, dores de cabeça, problemas de visão, de sono e perda de amigos foram algumas das situações reportadas aos investigadores como uma consequência de passarem demasiado tempo online.

Na lista de “coisas viciantes” surgem os jogos online: “Queria ver como se jogava e não podia desistir. Era inverno, queria ir ver a neve. Gosto de fazer bonecos de neve, mas simplesmente não conseguia parar”, revela um rapaz romeno de 10 anos. Um comportamento que acabaria por gerar problemas com os pais: “A minha mãe estava-me sempre a chamar para jantar, mas eu dizia-lhe que eram só mais cinco minutos, e continuava e continuava, até que ela me veio buscar.”Outro dos vícios apontados foi a dificuldade em ficar offline, uma vez que com os smartphones é possível estar sempre ligado.

Esta certeza sobre o quão viciante pode ser a Internet é acompanhada por uma menor consciência de que certos comportamentos no mundo virtual podem causar bastantes danos. Prejuízos legais, como no caso do descarregamento ilegal de jogos, programas, vídeos e música. Ou sociais: quando as crianças percecionam situações de bullying online como algo que “simplesmente acontece”, em vez de as verem como atos de cyberbullying. Uma vez que podem levar as crianças a minimizar os problemas causados porque estes comportamentos online, resultando numa “normalização da agressão cometida pelos seus pares”, sustenta o estudo.

Irritantes e incómodos, os anúncios pop up que surgem nos ecrãs quando as crianças estão a navegar geram fortes sentimentos de frustração, com alguns inquiridos a relatarem que sentem vontade de “partir o dispositivo” no qual acedem à Internet sempre que isso acontece. Como confessa um rapaz britânico de 12 anos: “Quase parti o ecrã em dois… Quer dizer… a sério… Estava a segurá-lo ao meio e via pequena rachadelas a aparecer… e então parei e pensei: Não. É melhor não.” O papel dos mediadores

As preocupações dos pais sobre a Internet refletem também os relatos dos media ou experiências mais comuns que acontecem no mundo real, como os perigos de falar com estranhos. Mas mesmo entre os menos familiarizados com o mundo virtual, há formas de orientar as crianças e os jovens conversando sobre os riscos, garantem os autores do EU Kids Online.

Das entrevistas ressalta que são as crianças mais novas quem menos se importa com a intervenção dos pais, e até consideram “positivo” o seu apoio relativamente ao uso da Internet. Pelo contrário, os mais velhos acusam uma reação negativa à intervenção parental, considerando-a uma “invasão” à sua privacidade. Tal como acontece com os problemas do mundo real, os adolescentes preferem conversar com os amigos sobre o que lhes acontece online. Além dos colegas, tios, tias e avós são outros adultos a quem é mais fácil pedir ajuda ou conselhos.

Os autores do estudo defendem, por isso, que as políticas de promoção da segurança na Internet tenham em conta estes aspetos relacionais entre crianças e adultos. “Os pais devem ser encorajados a promoverem entendimentos através dos quais as crianças se sintam mais confortáveis em confidenciar experiências desagradáveis”, lê-se no relatório.

O mesmo clima de confiança é pedido aos professores para que os alunos se sintam à vontade para denunciar experiências problemáticas. À escola reserva-se ainda o papel de prestar “assessoria no amplo campo da Internet segura” (e.segurança), destacando os pontos positivos da sua utilização para “evitar a criação de um pânico moral causado por uma visão sobrecarregada do mundo online como um lugar perigoso e enganador”.

O que dizem as crianças e os jovens?

Experiências vividas e perceção dos riscos na utilização da Internet. Relatos contados na primeira pessoa pelas crianças e jovens com idades entre os 11 e os 16 anos entrevistados pelos investigadores do EU Kids Online.

“Estava num daqueles jogos online e há um chat que permite falar com todos os que estão no jogo. Eu estava a falar, não me lembro do quê, era principiante, e perguntei várias coisas e eles ofenderam-me. Eu disse-lhes para pararem. Mas foi pior. Até que um disse que me ia encontrar e me batia.” Rapaz, 15-16 anos, Roménia.

“Posso utilizar a Internet, desde que não publique fotografias, porque mais tarde os sequestradores podem conversar comigo… Os meus pais disseram-me para não conversar com pessoas que não conheço, no caso de serem sequestradores e se me querem encontrar cara-a-cara. Mas eu não me importo, porque isso não me vai acontecer. Na televisão vi casos de pessoas que começaram a falar com alguém, encontraram-se e acabaram por ser mortas.” Rapaz, 11-13 anos, Espanha.

“Há pessoas mais velhas que fingem ser da nossa idade para poderem usar as nossas fotos e nos fazer mal. Como já ouvi algumas vezes na televisão, algum pedófilo retira fotografias da Internet ou pede à pessoa fotos dela em roupa interior e depois usa-as para fazer mal a essa pessoa.” Rapariga, 15 anos, Espanha.

“O meu pai não diz isso, mas alguns pais dizem constantemente não jogues esse jogo ou ficas viciado e mentalmente afetado e vais tentar copiar o que acontece no jogo na vida real. Mas, para ser sincero, não concordo, porque acho que isso depende de como tu és e se és suficientemente inteligente para o fazeres ou não.” Rapaz, 11-13 anos, Reino Unido.

“Há uma página no Facebook que se chama ‘odeio esses maníacos sexuais bastardos’ (…) onde as pessoas que recebem mensagens de indivíduos, na minha opinião, com desordens mentais, fazem um print screen dessas mensagens e publicam-nas nessa página e às vezes veem-se conversas realmente assustadoras.” Rapariga, 14-16 anos, Itália.

“Primeira regra do Facebook, toda a gente me disse, é nunca adicionar os pais como amigos, porque eles vão poder ver tudo o que andas a fazer!” Rapariga, 14-16 anos, Reino Unido.

http://www.fcsh.unl.pt/eukidsonline/

 

4ª Ação de Sensibilização – Obessão pelas novas Tecnologias/ Riscos e Benificios

Junho 10, 2014 às 1:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , ,

vicente

Dando continuidade as Ações de Sensibilização de Competências Parentais, no dia 13/06/2014 – 4ª Ação de Sensibilização – Obessão pelas novas Tecnologias/ Riscos e Benificios – ORADOR: Prof.º Marco Gomes. Local: casa do Romeiro em Ponta Delgada- as 18h:30m – Aparece.

cpcjsaovicente@hotmail.com

291 842 670

Scientists Link Selfies To Narcissism, Addiction & Mental Illness

Abril 24, 2014 às 6:00 am | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Artigo do site http://www.whydontyoutrythis.com  de 2 de abril de 2014.

selfie2

The growing trend of taking smartphone selfies is linked to mental health conditions that focus on a person’s obsession with looks. According to psychiatrist Dr. David Veal: “Two out of three of all the patients who come to see me with Body Dysmorphic Disorder since the rise of camera phones have a compulsion to repeatedly take and post selfies on social media sites.” “Cognitive behavioural therapy is used to help a patient to recognise the reasons for his or her compulsive behaviour and then to learn how to moderate it”, he told the Sunday Mirror.

A British male teenager tried to commit suicide after he failed to take the perfect selfie. Danny Bowman became so obsessed with capturing the perfect shot that he spent 10 hours a day taking up to 200 selfies. The 19-year-old lost nearly 30 pounds, dropped out of school and did not leave the house for six months in his quest to get the right picture. He would take 10 pictures immediately after waking up. Frustrated at his attempts to take the one image he wanted, Bowman eventually tried to take his own life by overdosing, but was saved by his mom. “I was constantly in search of taking the perfect selfie and when I realized I couldn’t, I wanted to die. I lost my friends, my education, my health and almost my life”, he told The Mirror. The teenager is believed to be the UK’s first selfie addict and has had therapy to treat his technology addiction as well as OCD and Body Dysmorphic Disorder.

Part of his treatment at the Maudsley Hospital in London included taking away his iPhone for intervals of 10 minutes, which increased to 30 minutes and then an hour. “It was excruciating to begin with but I knew I had to do it if I wanted to go on living”, he told the Sunday Mirror. Public health officials in the UK announced that addiction to social media such as Facebook and Twitter is an illness and more than 100 patients sought treatment every year. “Selfies frequently trigger perceptions of self-indulgence or attention-seeking social dependence that raises the damned-if-you-do and damned-if-you-don’t spectre of either narcissism or very low self-esteem”, said Pamela Rutledge in Psychology Today.

The big problem with the rise of digital narcissism is that it puts enormous pressure on people to achieve unfeasible goals, without making them hungrier. Wanting to be Beyoncé, Jay Z or a model is hard enough already, but when you are not prepared to work hard to achieve it, you are better off just lowering your aspirations. Few things are more self-destructive than a combination of high entitlement and a lazy work ethic.

Ultimately, online manifestations of narcissism may be little more than a self-presentational strategy to compensate for a very low and fragile self-esteem. Yet when these efforts are reinforced and rewarded by others, they perpetuate the distortion of reality and consolidate narcissistic delusions. The addiction to selfies has also alarmed health professionals in Thailand. “To pay close attention to published photos, controlling who sees or who likes or comments them, hoping to reach the greatest number of likes is a symptom that ‘selfies’ are causing problems”, said Panpimol Wipulakorn, of the Thai Mental Health Department.

The doctor believed that behaviours could generate brain problems in the future, especially those related to lack of confidence. The word “selfie” was elected “Word of the Year 2013″ by the Oxford English Dictionary and is defined as “a photograph that one has taken of oneself, typically with a smartphone or webcam and uploaded to a social media website.”

1. The Gym Selfie (Because the checking isn’t enough.)

selfie

visualizar as 16 selfies do artigo no link:

http://www.whydontyoutrythis.com/2014/04/scientists-link-selfies-to-narcissism-addiction-and-mental-illness.html?m=1

 

O Facebook (já) não vai à escola

Abril 10, 2014 às 1:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Artigo da Visão de 3 de abril de 2014.

clicar na imagem

visao___

Saiba como evitar que o seu filho fique viciado no ‘smartphone’

Abril 8, 2014 às 8:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 31 de março de 2014.

clicar na imagem

dn1

 

12º Encontro para a Promoção da Saúde na Escola – Sintra

Março 25, 2014 às 4:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , ,

12

promocaosaudeescola@gmail.com

 inscrições até 2 de abril

Programa:

http://promocaosaudeescola.blogspot.pt/

Crianças devem manter-se longe dos tablets e smartphones

Março 25, 2014 às 1:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do site crescer.sapo.pt de 17 de março de 2014.

A notícia citada na notícia é a seguinte (contém links para os estudos):

10 Reasons Why Handheld Devices Should Be Banned for Children Under the Age of 12

sapo

Pediatras norte-americanos dão 10 razões para crianças e jovens, até aos 18 anos, adiarem ao máximo o uso intensivo destes aparelhos.

A Academia de pediatras norte-americana Kaiser Foundation, e a sociedade de pediatria canadiana Active Healthy Kids Canada, foram citadas este mês pela terapeuta ocupacional de pediatria Cris Rowan, num artigo publicado no Huffington Post. Neste artigo, podia ler-se que as crianças até aos 2 anos não devem ser expostas a equipamentos eletrónicos; que as crianças entre os 3 e os 5 anos já o podem fazer, mas apenas uma hora por dia; e que as crianças entre os 6 e os 18 anos devem restringir o uso de telemóveis, tablets ou jogos eletrónicos, a apenas duas horas por dia.

Quanto às razões concretas para justificar estes conselhos, elas são 10:

1. Rápido crescimento do cérebro: Entre os 0 e os 2 anos, o cérebro das crianças triplica de tamanho e continua a ter um rápido crescimento até aos 21 anos. Quando esse desenvolvimento é causado pela exposição excessiva à tecnologias, pode gerar défice de atenção, atrasos cognitivos, aprendizagem deficiente, aumento da impulsividade e diminuição do autocontrolo.

2. Atraso no desenvolvimento: A tecnologia restringe os movimentos, o que pode resultar num atraso de desenvolvimento físico das crianças, o que muitas vezes se reflete num desempenho escolar negativo.

3. Obesidade: A televisão e os vídeo-jogos estão associados ao aumento da obesidade. As crianças que têm um destes equipamentos no quarto, têm 30% mais hipóteses de sofrer de obesidade e todas as doenças que lhe estão associadas, como a diabetes. Por sua vez, uma pessoa obesa tem mais probabilidades de vir a sofrer de ataque cardíaco, enfarte e tem uma menor esperança de vida.

4. Privação do sono: 75% das crianças, entre os 9 e os 10 anos, que usam tecnologias nos seus quartos, sofrem de privação de sono e isso acaba por se refletir negativamente nas suas notas escolares.

5. Distúrbios mentais: O uso excessivo de tecnologia está relacionado com o aumento de casos de depressão infantil, ansiedade, dificuldades de relacionamento, défice de atenção, autismo, transtorno bipolar, psicose e problemas de comportamento.
6. Agressividade: Conteúdos violentos podem gerar crianças agressivas. As crianças estão cada vez mais expostas a conteúdos que envolvem violência física e sexual nos media. Nos E.U.A., a violência exibida nos media é já classificada como um Risco para a Saúde Pública, devido à relação que foi estabelecida entre esta realidade e a agressividade infantil.
7. Demência digital: Conteúdos rápidos podem contribuir para défice de atenção, assim como para uma diminuição da concentração e memória. As crianças que não conseguem prestar atenção a algo, não aprendem.
8. Dependência: Ao haver tanta tecnologia ao alcance das crianças, os pais acabam por lhes prestar menos atenção. Por sua vez, na ausência dos pais, as crianças ficam ainda mais “agarradas” à tecnologia e isto pode gerar dependência. Uma em cada 11 crianças, dos 8 aos18 anos, é viciada em tecnologia.
9. Emissões radioativas: Em maio de 2011, a World Health Organization classificou os telefones móveis na categoria 2B (possivelmente cancerígenos) no que diz respeito às radiações. Tendo em conta estes dados, e que o cérebro das crianças ainda está em desenvolvimento, os riscos para as crianças podem ser ainda maiores.
10. Insustentável: As crianças são o futuro, mas não há futuro se as crianças continuarem a usar excessivamente a tecnologia. Os responsáveis por este estudo consideram de extrema importância que algo seja feito para reduzir o uso das tecnologias por parte das crianças.

Fonte: Huffington Post

 

Sessão de Esclarecimento – Novas Dependências, Novos Desafios – Prevenção de Comportamentos de Risco

Março 19, 2014 às 4:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

batalha

texto da CNPCJR

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens da Batalha promove, no próximo dia 21 de março, pelas 21h00, no Auditório da Câmara Municipal da Batalha, um Encontro subordinado ao tema “Novas Dependências/Novos Desafios”, com a colaboração do Agrupamento de Escolas da Batalha e da Associação de Pais.

A sessão será orientada pela Dra. Ana Filipa Soledade, técnica do Centro de Respostas Integradas – CRI, de Leiria, e incidirá sobre as novas dependências e a sua influência nos comportamentos de risco dos jovens.

Esta é uma iniciativa no âmbito do Plano de Atividades desta Comissão para o ano em curso e visa informar e alertar para algumas das problemáticas juvenis que condicionam o sucesso escolar e social.

A entrada é livre, aconselhando-se porém uma inscrição prévia, a qual poderá ser feita através do endereço eletrónico cpcj.batalha@mail.telepac.pt   ou pelo telefone 961385572.

Contacto: CPCJ – Batalha | Sónia Gameiro (Presidente CPCJ) | Telefone: 961 385 572

Morte de adolescente que tinha vida paralela online alerta para obsessão com Internet

Janeiro 28, 2014 às 11:00 am | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia da Visão de 23 de Janeiro de 2014.

visão

Concluído o inquérito à morte de Tallulah Wilson, que se suicidou numa estação de comboios em 2012, a mãe alerta para os perigos do “tóxico mundo digital” que levou a filha a uma “espiral” auto-destrutiva “fora de controlo”

A jovem, de 15 anos, de Londres, tornou-se tão obcecada com a Internet que inventou uma personagem viciada em cocaína para viver online, concluiu o inquérito à morte de Tallulah Wilson, que se suicidou, em outubro de 2012, numa estação de comboios de Londres.

“Este caso mostra a importância da vida online para os jovens”, considerou o júri.

A mãe da adolescente emitiu um comunicado em que realça a importância que a rede social Tumblr, que aloja blogues, assumiu na vida de Tallulah, que caiu “num mundo de pesadelos”.

Dizendo-se “chocada” com a facilidade com que os jovens acedem a blogues suicidas e dedicados à auto-destruição. “A Tallulah entrou num mundo onde a linha entre a fantasia e a realidade se esbateu. É o pior pesadelo de todos os pais”, conclui.

Um porta-voz do Tumblr já lamentou a morte da jovem, considerando os problemas da depressão ou da auto-destruição “extremamente desafiantes, em particular em ambientes online que encorajam a expressão[dos próprios sentimentos].”

Na conclusão da investigação, apresentada esta semana, concluiu-se que Tallulah se tornado tão obcecada com a Internet que criou uma personagem fictícia que “saiu fora de controlo”. Dias antes da sua morte, a mãe descobriu que essa figura online tinha conquistado 18 mil seguidores depois de algumas publicações sobre o consumo de álcool e cocaína e de imagens com cortes auto-infligidos.

 

Página seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com. | The Pool Theme.
Entries e comentários feeds.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 654 outros seguidores